Homepage

  • Brasil e Paris na mira da WSL para receberem Surf Ranch
    13 fevereiro 2019
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    WSL
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • A primeira fase do plano estratégico da WSL tem como objetivo que as primeiras cinco ou seis instalações do Surf Ranch sejam baseadas em mercados estrategicamente importantes.
  • A WSL está a equacionar levar o conceito do Surf Ranch para todo o Mundo e foi a própria CEO, Sophie Goldschmidt, a anunciar a “boa nova” numa recente entrevista. A ideia passa por levar a famosa onda criada com a ajuda de Kelly Slater aos quatro cantos do Mundo. Segundo os planos da líder da WSL, o Surf Ranch poderá chegar a cinco continentes, ficando apenas África de fora da lista.

    Ora, segundo o que foi anunciado por Goldschmidt, os países que podem vir a receber o Surf Ranch são o Japão, Austrália, Brasil e França, além de dois novos complexos nos Estados Unidos, mais concretamente na Florida e Los Angeles. A versão europeia ficaria localizada em Paris, bem perto de Portugal. A WSL tem em mente construir não um, mas dois parques na cidade Luz.

    “Temos um em Lemoore, que é nossa instalação piloto. Para ser sincera, nunca pensámos que teríamos eventos lá, mas tudo correu tão bem e a tecnologia tornou-se tão robusta que estamos a usar isso a nosso favor. Estamos também a construir um complexo na Florida, também vamos construir um em Tóquio, na Austrália, no Brasil, provavelmente em Los Angeles e estamos a pensar construir dois em Paris”, assegurou a CEO da WSL, em extensa entrevista ao site Sports Pro.

    A primeira fase do plano estratégico da WSL tem como objetivo que as primeiras cinco ou seis instalações do Surf Ranch sejam baseadas em mercados estrategicamente importantes para a WSL, permitindo um maior crescimento do Championship Tour e dos principais eventos da Liga, como a própria Sophie Goldschmidt admite. Mas cada Surf Ranch terá o seu próprio modelo de negócio.

    “Continuaremos a ser muito seletivos – quer dizer, nunca imaginei que teríamos centenas deles em todo o mundo, mas acho que teremos dezenas deles. E o modelo de negócios é diferente para cada um. Obviamente, quando eles estão vinculados a eventos da WSL, há receita regular de eventos e oportunidades comerciais, mas há um desenvolvimento mais amplo”, explica a CEO.

    Por fim, a mulher forte do surf mundial falou da importância da chegada da tecnologia ao surf, antevendo um futuro risonho à modalidade. “Acho importante afirmar que o oceano nunca foi tão importante para nós. A imprevisibilidade, o fato de os atletas estarem a competir com a Mãe Natureza, assim como entre si, tornam o desporto verdadeiramente único. Mas isso é muito complementar por todas as razões que mencionei – permite-nos ir a mercados que nunca poderíamos ter sonhado, ser adequadamente programáveis ​​a partir de uma perspetiva de TV, para nos envolver com o público de diferentes maneiras”, defende.

    A entrevista completa está disponível aqui.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • surf ranch
  • WSL
  • Sophie Goldschmidt
  • Paris
  • Brasil
  • Austrália
  • Los Angeles
  • florida
  • Japão
  • Fotografia
    WSL
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
agosto 11
Banhos interditos nas praias de Carcavelos e São Pedro do Estoril
agosto 11
Praias de Oeiras recebem cadeiras adaptadas para crianças com mobilidade reduzida
agosto 11
Estão abertas as inscrições para a 1ª etapa do Circuito Nacional de Bodyboard
julho 23
Etapa de Peniche do Nacional de Bodyboard já tem data
agosto 11
Pierre-Louis Costes recebe wildcard para competir no Nacional de Bodyboard
agosto 11
Liga MEO Surf: Novo sub-troféu tem elevado fasquia no surf feminino
agosto 10
Derrame de petróleo provoca desastre ambiental na ilha Maurícia
pub