Homepage

  • Ruído humano no mar coloca vida marinha em apuros
    29 janeiro 2019
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Uma das maiores ameaças para com a vida marinha acontece no Atlântico e com o alto patrocínio de Donald Trump.
  • A ação do homem no fundo do mar é cada vez maior e o ruído provocado pelas mais diversas atividades, desde a exploração geológica até ao tráfico crescente de navios contentores, está a colocar em perigo a vida marinha, levando mesmo à extinção de algumas espécies.

    Uma das maiores ameaças para com a vida marinha acontece no Atlântico e com o alto patrocínio de Donald Trump. A presidência norte-americana deu aval positivo à rentabilização económica do Atlântico, o que tem levado a algumas práticas disruptivas, como as poderosas explosões de ar comprimido para detetar petróleo e gás no mar.

    Com níveis sonoros que chegam a ultrapassar os 200 decibéis (equivalentes a 260 à superfície; para comparação, um concerto rock anda pelos 120), essas explosões podem ser às dezenas em simultâneo, chegando a atingir 7000 por dia. Os ecos são captados por “hidrofones” próximos da superfície e analisados para compreender as características geológicas da zona e determinar se existem nela jazidas de petróleo ou gás.

    Esta situação levou já a muitas críticas por parte de organizações ambientalistas, que agora recorreram aos tribunais de forma a tentar parar esta ameaça para algumas espécies marítimas. Há já, igualmente, 10 estados norte-americanos a pensarem juntar-se à causa, levando o assunto para as instâncias competentes.

    Os efeitos nocivos desta atividade atingem todos os seres marinhos, desde as baleias até ao plâncton. Numa ampla área à volta das explosões, os animais podem ser dispersados ou mesmo desaparecer. Quando não morrem logo, sofrem danos físicos consideráveis, incluindo surdez e hemorragias.

    A comunicação com os membros da sua espécie também acaba por ser dificultada ou impossibilitada, algo que pode significar um risco imediato para a sua sobrevivência. “Disparam aproximadamente a cada dez segundos, 24 horas por dia e durante meses. Têm sido detetadas a 4000 quilómetros de distância. São impactos enormes”, explicou o especialista em conservação marinha Douglas Nowacek, “New York Times”.

    Além desta ameaça, o aumento do fluxo marítimo, sobretudo de navios contentores também está a colocar em risco muitas espécies, devido ao cada vez maior ruído causado por esse tráfego. Isto porque a passagem dos navios contentores implica o rebentar maciço de bolhas, que acaba por ser bastante prejudicial para a vida marinha.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Vida marinha
  • ruído no mar
  • Trump
  • Atlântico
  • Exploração de Petróleo
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
setembro 20
Inscrições reabertas para a etapa inaugural do Circuito de Surf do Ericeira Surf Clube
setembro 20
Maior do que a Antártida: assim está o tamanho do buraco na camada de ozono
setembro 20
Joana Schenker vai ajudar a limpar a Praia da Mareta
setembro 20
Finalíssima de Trestles foi o dia de competição mais visto de sempre em provas WSL
setembro 20
Surfistas femininas insurgiram-se no Bom Petisco Peniche Pro
setembro 19
Nacional de Bodyboard: Pierre-Louis Costes e Filipa Broeiro triunfam no Cabedelo
setembro 19
Pierre-Louis Costes e Joana Schenker em evidência no arranque no Cabedelo