Homepage

  • A portuguesa que ajuda a combater a poluição em Bali
    30 janeiro 2019
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    DR Tânia Serrano
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Além de organizarem ações de limpeza, o movimento Plastic Free Uluwatu tenta consciencializar e educar os locais para um problema que ameaça a ilha.
  • Apesar das imagens chocantes que nos chegam diariamente de Bali, que mostram um cenário cada vez mais grave de poluição, já começa a existir uma consciencialização sobre esta problemática. Sobretudo por parte do governo local, que decidiu criar leis para tentar combater este flagelo. Os locais também começam a ter mais noção da ameaça que está perante esta ilha paradisíaca. E tudo por “culpa” daqueles que decidiram vestir a camisola em nome de uma causa. Uma dessas pessoas é portuguesa. Tânia Serrano começou por organizar beach cleanups em Uluwatu, mas depressa ajudou a criar o movimento Plastic Free Uluwatu.

    O movimento começou a ganhar dimensões, sobretudo pela ajuda que Tânia teve por parte do surfista e campeão local Mega Semadhi. Ambos uniram forças em prol do ambiente, multiplicaram as ações de limpeza nas praias e, acima de tudo, tentaram consciencializar e educar os mais novos, nas escolas locais, para esta problemática que ameaça toda uma ilha. Tânia garante-nos que estão a colher frutos deste trabalho e acredita num futuro melhor, sem lixo a “decorar” as paisagens locais ou plástico e outro tipo de detritos a partilharem o lineup com os surfistas e o areal com os turistas.

    “Este projeto começou com um beach cleanup, que organizei pela primeira vez em novembro, através da empresa para a qual trabalhava” começa por dizer Tânia Serrano ao Beachcam. Depois de chegar a Bali em janeiro do ano passado, a ativista ambiental portuguesa não demorou muito tempo em colocar mãos à obra. “Como estava instalada em Uluwatu percebi que não havia nenhuma associação nem ninguém focado na problemática do lixo. Todas as associações ficam noutras zonas. Na altura demorei um mês a organizar um beach cleanup porque apercebi-me que não sabia para onde o lixo ia depois de o apanhar. Contactei várias empresas e nenhuma sabia ou sequer respondia. Também não estava a conseguir ter apoio do governo local, pois aqui as coisas fluem muito devagar”, recorda.

    Foi aí que surgiu um contacto que acabaria por dar início a um projeto maior. “Entretanto, soube de um festival que ia haver na praia de Padang Padang com os surfistas locais e foi aí que conheci o Mega Semadhi, que me falou de uma lixeira que existia em Uluwatu. Fizemos o beach cleanup, que correu super bem. A carrinha da lixeira veio buscar o lixo. Mas eu continuei a pensar se o lixo iria ser tratado ou não. Mantive o contacto com o Mega para fazermos mais atividades e fomos também ver a lixeira, para eu poder tirar fotografias - até estava a pensar fazer uma mini-reportagem”, explica-nos.

    “Nessa altura acabei por conhecer uma equipa de criativos que viu o que eu estava a desenvolver e decidiu entrar em contacto comigo para fazermos um vídeo para ajudar os locais de Uluwatu. Fomos à lixeira e fizemos, então, o vídeo. Utilizámos o Mega como cara do movimento, uma vez que ele já faz cleanups há três anos e é muito respeitado aqui, porque é dos melhores surfistas em Padang. A partir daí as coisas começaram a fluir mais depressa e começou a haver mais interessados no projeto. Decidimos, então, criar um movimento chamado “Plastic Free Uluwatu”, para poder utilizar este modelo de cleanup e copiar para outras vilas”, descreve Tânia.

    Temos outras pessoas voluntárias que se dedicam às escolas, onde levam os miúdos a apanhar o lixo e a explicar-lhe como se deve separar. Já estão a ser desenvolvidos programas para educar as crianças neste sentido. O movimento Uluwatu une voluntários que se querem dedicar a várias áreas e unir forças. Aqui existem muitas associações, mas cada um quer usar apenas a sua t-shirt. Não unem forças. Este movimento quer cortas essas barreiras, de forma a que todos unam forças para uma causa maior.

    A presença de Mega Semadhi no projeto tornou-se essencial. E a ajuda acabou por ser mútua. “Entretanto, o Mega não sabia como se fazia ouvir e eu entrei para ajudá-lo. Ele é muito importante porque meteu-me em contacto com os locais e com o governo local. A partir daí comecei a ter contacto direto com eles e eu é que faço toda a parte do marketing e publicidade. Estamos a criar um movimento chamado “Adopt a Bin”, cuja ideia passa por ter todos os restaurantes e hotéis aqui a adotarem um caixote público. Isto porque os caixotes de lixo foram todos doados às famílias pelo governo, para que estes possam juntar dinheiro para sustentar a lixeira de Uluwatu, que só tem um ano”, refere-nos.

    “Contudo, isto é um processo complicado porque a lixeira não é conhecida e a maior parte do lixo acaba numa lixeira ilegal - ninguém sabia do conhecimento da outra. Neste momento, estamos a angariar fundos para tentar melhorar as condições da lixeira pública, que conta com 20 trabalhadores a trabalhar todos os dias, que nem luvas de plástico têm… O problema é que o governo devia ajudar mais a lixeira legal de Uluwatu, mas não ajuda no sentido de o dinheiro que devia ir para a lixeira não estar a ser bem aplicado. Não existe um sistema de recolha eficiente, têm uma carrinha grande e outra pequena para chegar a uma vila inteira. Imaginem isso para chegar a Cascais inteiro… É insustentável. Eles precisam da ajuda dos estrangeiros, porque só a ajuda local não é suficiente. Fizemos este movimento também para tentar chegar ao máximo de pessoas e tentarmos termos investimento estrangeiro para ajudar a lixeira”, frisa Tânia.

    Apesar de a situação parecer insustentável, Tânia Serrano acredita que tudo irá melhorar em Bali. “Vai melhorar, apesar de os locais não estarem muito cientes do problema, pois sempre utilizaram coisas orgânicas. A ideia do deitar fora não era errada, pois utilizavam o que vinha da natureza e apenas o devolviam. Com a chegada do plástico eles não veem mal em deitar fora, porque pensam que aquilo se vai desintegrar da mesma forma que a matéria orgânica. As pessoas não têm tanta consciência disso, sobretudo os mais velhos. Os mais novos, como os surfistas, por exemplo, já começam a ganhar consciência, porque não é nada engraçado estar a nadar com sacos de plástico e pacotes de noodles à volta. São eles que organizam mais cleanups aqui pela ilha”, salienta.

    “O mais complicado neste momento é realmente educar os mais velhos. Já se vê o próprio governo a tomar medidas contra o uso de plástico e todos os restaurantes e hotéis têm 6 meses para restruturar isso. Depois serão aplicadas multas a quem não cumprir com isso, o que penso ser uma boa medida e um avanço. Bali não vai deixar de ser o paraíso que é se todos começarmos a tomarmos medidas. De dia para dia há mais associações e pessoas a unir esforços contra este problema. Cada vez mais sou contactada por outras associações que querem unir forças. Só é pena que a maioria delas não sejam locais, mas acredito que daqui a pouco tempo as coisas irão mudar. Até porque o governo já começa a sentir pressão da imprensa estrangeira. Penso que seja até mais por isso que eles estão a adotar estas medidas contra a poluição”, aponta a ativista portuguesa.

    Em relação ao turismo massivo que está a invadir a ilha, Tânia justifica que, apesar disso ter potenciado a situação de poluição, o próprio turismo também irá servir de ajuda par resolver o problema. “O turismo foi um grande potenciador deste problema, sim. Mas neste momento o turismo está a ser a grande ajuda para combater este problema. Porque os estrangeiros que cá vêm e se apercebem do problema ajudam a limpar as praias. Já se vê pessoas a limpar as praias antes de irem embora, o que é bom porque os locais vêm isto e acaba por ser uma forma educacional para eles. Mesmo que os beach cleanups não sejam eficientes no sentido de não sabermos para onde o lixo vai, e muitas vezes acabar por voltar à praia, pelo menos os locais vêm aquilo que estamos a fazer. Maior parte do lixo está à beira da estrada ou na parte de trás dos hotéis, é um nojo. Mas eles já começam a perceber que é errado o que estão a fazer. Mas já há locais, como o Mega, a expor e denunciar estas situações nas redes sociais”, frisa.

    Tânia Serrano reforça que a “reação dos locais de Uluwatu é bastante positiva” em relação ao projeto. “Sinto um grande apoio da parte deles e muitas vezes agradecem-me, porque não conseguem fazer isto sozinhos”, argumenta. Apesar de ter deixado de trabalhar para a empresa que lhe permitiu ter começado tudo no ano passado, Tânia decidiu continuar por Bali e manter de pé o projeto. “Entretanto, a empresa em que eu trabalhava foi à falência, mas decidi continuar este projeto sozinha, porque já o tinha começado. Tudo começou a ganhar maior proporção e a minha grande motivação foi ter os locais a apoiarem, vendo o projeto a ganhar forma e tendo cada vez mais pessoas a vir ter connosco a dizer que querem ajudar. Só por isso já vale a pena”, conclui.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Bali
  • Uluwatu
  • Indonésia
  • Plástico
  • Lixo
  • Poluição
  • Portuguesa
  • Tânia Serrano
  • Plastic Free Uluwatu
  • Mega Semadhi
  • Fotografia
    DR Tânia Serrano
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
junho 15
Publicada a lista final com a lotação das praias de Portugal Continental
junho 15
Quercus destaca aumento de praias com 'Qualidade de Ouro' em 2021
junho 15
Ponto irreversível do aquecimento global já pode ter sido atingido
junho 15
Terça-feira de trovoada: 12 distritos sob aviso laranja
junho 14
Câmara Municipal de Sintra vai requalificar a Praia das Maçãs
junho 14
21 meses depois regressou a Red Bull Cliff Diving World Series
junho 14
10 distritos sob aviso amarelo devido à previsão de chuva, granizo e trovoada