Homepage

  • Oceanos estão a aquecer mais rápido que o esperado
    13 janeiro 2019
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • “Se quisermos saber onde está a acontecer o aquecimento global há que olhar para os oceanos”, apontou Zeke Hausfather, coautor da análise.
  • O ano de 2018 estabeleceu um novo recorde no que diz respeito ao aumento da temperatura dos oceanos. Segundo um estudo agora divulgado, os oceanos estão a aquecer muito mais do que aquilo que era inicialmente esperado e são eles a maior prova de que o aquecimento global é real e uma ameaça cada vez mais iminente ao planeta.

    Estes novos dados publicados na revista científica “Science” também fornecem novas indicações de que as anteriores conclusões sobre uma desaceleração ou hiato no aquecimento global nos últimos 15 anos são infundadas. O aquecimento dos oceanos é um marcador crítico das alterações climáticas porque estima-se que 93 por cento do excesso de energia solar retida pelos gases com efeito de estufa acumula-se nos oceanos.

    “Se quisermos saber onde está a acontecer o aquecimento global há que olhar para os oceanos”, apontou Zeke Hausfather, da Universidade da Califórnia, coautor da análise. Segundo o investigador, o aquecimento dos oceanos é “um indicador importante das alterações climáticas” e há “fortes indícios de que está a acontecer mais rapidamente” do que se supunha.

    A nova análise mostra que as tendências de aquecimento dos mares correspondem às previstas nos principais modelos de alterações climáticas, e que o aquecimento global dos oceanos está a acelerar. Oceanos mais quentes vão contribuir para maiores tempestades e eventos de precipitação extrema.

    Os modelos indicam que as temperaturas nos primeiros 2.000 metros de profundidade vão subir 0,78 graus celsius até ao fim do século, o que, por efeito da expansão térmica, levará a um aumento do nível das águas do mar de 30 centímetros, que se juntam à subida de nível provocada pelo derretimento de glaciares e campos de gelo. 

    “Enquanto 2018 será o quarto ano mais quente registado à superfície, deverá ser também o mais quente já registado nos oceanos, como foram 2017 e 2016”, frisou Hausfather. Além de estudos anteriores, a análise tem em conta os dados do programa Argo, uma frota de quase 4.000 robots flutuantes que vagueia nos oceanos, desde a década passada, e que ciclicamente vai mergulhando a dois mil metros para medir as temperaturas, o ph ou a salinidade.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Oceano
  • Aquecimento global
  • Temperatura
  • Estudo
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
janeiro 26
Avistadas caravelas-portuguesas nas praias de Sines e Odemira
janeiro 26
Se Tóquio não puder, Florida quer organizar os Jogos Olímpicos em 2021
janeiro 26
Depressão Justine vai trazer ondas até 9 metros aos Açores
janeiro 26
Câmara de Cascais sublinha que 'não é possível' praticar surf nas praias
janeiro 25
Fechadas as praias de S. Pedro de Moel
dezembro 30
Ano de 2021 vai começar ainda mais frio
janeiro 25
Estrada na Nova Zelândia encerrada temporariamente para proteger leões-marinhos