Homepage

  • Ambientalistas lembram parecer negativo sobre furo de petróleo no Algarve
    28 março 2018
    arrow
    arrow
  • 'As infraestruturas já existentes de combustíveis fósseis são mais do que suficientes para nos empurrar para o aquecimento global irreversível'
  • A associação ambientalista Climáximo, relembra que já existe parecer negativo sobre o estudo de impacto ambiental para o furo de petróleo em Aljezur: chama-se ciência climática.

    Depois da oposição unânime pelas populações locais e autarquias, depois da votação no parlamento para a suspensão do processo, o governo recorreu a administração criativa para ajudar o consórcio ENI/GALP: a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) lançou uma consulta pública sobre se deve haver uma avaliação do impacto ambiental (AIA) sobre o furo de petróleo ao largo da costa de Aljezur.

    Imagem de Chappatté

    Nesta tentativa imaginativa de legitimar a exploração petrolífera no mar português, a APA apresenta aos cidadãos um documento de 230 páginas, escrito pela ENI, e pergunta se é preciso outro estudo além deste relatório. Convenientemente, este “relatório” sobre impacto ambiental de um furo de petróleo e gás não tem nenhuma referência ao Acordo de Paris ou ao orçamento de carbono que temos para limitar as alterações climáticas a níveis adaptáveis.

    Contudo, a ciência climática existe e diz-nos que as infraestruturas já existentes de combustíveis fósseis são mais do que suficientes para nos empurrar para o abismo climático em que o aquecimento global se torna irreversível.

    Isto significa (para pessoas sãs e lúcidas) que, para nos mantermos num planeta habitável, temos de encerrar infraestruturas de combustíveis fósseis em vez de ponderar sobre a possibilidade de abrir novas. Por isso, é importante distinguir que mesmo que a ENI/GALP conseguisse fazer tudo da forma certa, sem derrames, sem acidentes, sem fugas, isto seria o pior cenário para o planeta.

    O que está em causa com este processo corrupto é uma decisão entre uma transição energética justa e uma corrida ao caos climático.

    O consórcio ENI/GALP já fez a sua escolha, e o governo está a cumprir.

    O Climáximo, movimento pela justiça climática, alerta: um estudo do impacto ambiental para além deste documento é sem dúvida necessário; Só que ele já existe, chama-se ciência climática, e foi adotado pelo Acordo de Paris na meta de limitar o aquecimento global a 2ºC até ao fim desde século.

    Minutas da PALP preparadas para a Consulta Pública: https://www.anossavoz.pt/

    A Humanidade já não tem tempo para manobras administrativas para legitimar um suicídio social. Temos que enterrar de vez este furo.

    O Climáximo apela à participação na manifestação “Enterrar de vez o furo” no dia 14 de abril, às 15h, no Largo de Camões em Lisboa, convocada por mais de 20 organizações de todo o país.

    Participem na sondagem de pesquisa de hidrocarbonetos Santola 1X: http://participa.pt/consulta.jsp?loadP=2160

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fotografia: Telegraph

Tags
  • Petróleo
  • Exploração
  • hidrocarbonetos
  • eni
  • galp
  • ciência
  • Alterações climáticas
  • Aquecimento global
  • climáximo
  • apa
  • Agência Portuguesa do Ambiente
  • Estudo de Impacte Ambiental
  • surf
  • turismo de portugal
  • Algarve
  • alentejo
  • aljezur
pub
similar News
similar
setembro 25
Projeto 'The Unwanted Shapes' vai estar presente no MEO Portugal Cup of Surfing
setembro 24
Projeto de salvamento aquático da AESDP e ISN a caminho de Sagres
setembro 25
Guincho vai receber o Campeonato Nacional de Kitesurf da FPKite
setembro 25
Equipa lusa do The Climate Reality Project promove ação de limpeza de praias
setembro 25
Primeira fim de semana de outono terá sol e pequena subida de temperatura
setembro 27
Vasco Ramalheira, da prancha dividida na Costa Nova aos Jogos Olímpicos de Tóquio
setembro 25
Dezenas de portugueses na luta pelo título europeu júnior em Espinho
pub