Homepage

  • Do Japão ao Havai a nadar pela poluição oceânica
    12 dezembro 2018
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Aventura foi iniciada há cerca de 6 meses e já levou o nadador francês a nadar cerca de 10 mil quilómetros pelo Pacífico.
  • Foi em meados de junho que o nadador francês Bem Lecomte, de 50 anos, iniciou um dos maiores desafios da sua vida. Depois de ter sido a primeira pessoa a atravessar o Oceano Atlântico a nadar e sem qualquer auxílio de prancha, Lecomte decidiu fazer o mesmo mas no Pacífico. Tudo com o intuito de alertar para a poluição oceânica.

    Foi em Chiba, no Japão, que Lecomte iniciou a aventura e, inicialmente, seria suposto terminar apenas em São Francisco, nos Estados Unidos. Mas o mau tempo que se tem feito sentir pelo Pacífico obrigou a mudar a rota até ao Havai, onde chegou esta semana, quase 6 meses depois do começo desta grande aventura.

    Foram mais de 10 mil quilómetros sempre a nadar. A seu lado seguia um barco, onde ele colocava todo o lixo que recolhia para observação. E não foi pouco, tendo em conta que é na zona entre a costa japonesa e a costa norte-americana que se encontra a já gigante e famosa ilha de lixo do Pacífico.

    Assim que saiu da água os media havaianos já estavam à espera de Lecomte, assim como inúmeros apoiantes. “As minhas pernas estão um pouco trémulas”, começou por afirmar o nadador gaulês à televisão havaiana, depois de chegar a terra firma. “Não estou habituado a estar numa situação tão estável, mas sabe bem. Até peguei num pouco de areia para sentir a terra”, brincou.

    ”Apanhámos muito mau tempo pelo caminho. O barco teve algumas avarias. Tentámos arranjá-lo mas não conseguimos. Estávamos em risco de perder muita informação, por isso decidimos suspender a natação e vir até aqui”, explicou Lecomte, sobre o desvio de rota.

    De acordo com os cálculos do nadador, o barco apanhava três peças de microplástico a cada minuto e ele próprio via 1 peça de plástico a cada três minutos. “Uma vez estávamos a nadar perto de baleias e passado poucos minutos aparece um pedaço enorme de plástico a flutuar. Ver isso junto da vida marinha é muito perturbador”, frisou.

    Apesar do desvio que o fez vir a terra, no Havai, Bem Lecomte mantém os planos de seguir a nadar até São Francisco. “A missão ainda não acabou. Quero alertar as pessoas para a poluição oceânica e para o perigo que ela traz para as espécies marinhas. Temos de mudar a forma como lidamos com esta situação no nosso dia-a-dia”, vincou.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Ben Lecomte
  • Nadador
  • havai
  • Japão
  • São Francisco
  • Oceano Pacífico
  • Poluição
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
agosto 23
Fim de semana quente, mas com ligeira descida da temperatura
agosto 23
FPS lança maior campanha de ação ambiental já feita em Portugal
agosto 23
Maré de algas invade praias do Algarve
agosto 23
Wakeboard e Ski Náutico animam Montargil
agosto 23
Terra tremeu em Setúbal esta manhã
agosto 22
O microplástico já chegou ao Ártico
agosto 23
Marca de surfwear escolhe modelo com Síndrome de Down