Homepage

  • Buscas petrolíferas ameaçam mamíferos do Atlântico
    05 dezembro 2018
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Para tentar encontrar petróleo e gás no fundo do oceano, este sistema utiliza disparos sísmicos que acontecerão todos os dias da semana, 24 horas por dia e a cada 10 segundos..
  • Donald Trump já teve intervenções públicas onde manifestou a sua iminente despreocupação e desinteresse com as questões ambientais e os problemas que o planeta enfrenta. Mas parece que os Estados Unidos também não estão preocupados em conservar a vida marinha presente na costa Atlântica norte-americana e os ecossistemas que ali existem.

    Isto porque, segundo vários meios locais, a Casa Branca deu aval para a exploração petrolífera através de um sistema de “jateamento sísmico” debaixo de água, que emite um verdadeiro bombardeamento sonoro e que, além de ajudar na procura de petróleo e gás no fundo do mar, também coloca em risco os mamíferos que ali habitam, como as baleias e golfinhos, assim como várias outras espécies e toda uma cadeia alimentar.

    Este sistema que já gerou controvérsia, depois de descobertas da sua utilização no Ártico, por volta de 2015, está a postos para ser utilizado na costa norte-americana do lado do oceano Atlântico, ou seja, de uma zona que vai da Florida a Delaware, depois de a Casa Branca ter dado aval positivo e luz verde para o mesmo.

    A reputada revista norte-americana “Surfer” também expôs recentemente a situação, explicando ao pormenor o que irá acontecer debaixo do mar. Serão disparos sísmicos que acontecerão todos os dias da semana, 24 horas por dia e a cada 10 segundos. Um verdadeiro massacre sonoro, sobretudo para espécies que utilizar o sistema sonar como meio de comunicação e sobrevivência.

    A espécie que poderá estar mais ameaçada por estes planos é a baleia franca do Atlântico Norte, cuja zona onde coabita é praticamente a mesma em que os Estados Unidos se preparam para permitir estas pesquisas subaquáticas. Várias organizações ambientais já se estão a insurgir contra a decisão de permitir tal atividade. Foi o caso do NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration), que garante que a atividade poderia ser realizada em zonas controladas, onde não afetasse de forma tão grave a vida marinha.

    Durante a última semana, a “National Geographic” também publicou um estudo onde se comprova que estes “bombardeamentos” sonoros são fatais para os membros mais pequenos da cadeia alimentar marinha. A população de larvas, pequenos crustáceos ou medusas bebés, que fazem parte da cadeia alimentar de várias espécies, poderão ser reduzidas em mais de 50 por cento devido a esta forma de procurar petróleo e gás no fundo do oceano. A pergunta que muitos deixam no ar é somente uma: Valerá mesmo a pena?

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Atlântico
  • Estados Unidos América
  • Donald Trump
  • Vida marinha
  • Disparos Sísmicos
  • Gás
  • Petróleo
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
outubro 23
Fim de semana chega com sábado soalheiro e chuva no domingo
outubro 24
Guincho recebe etapa única do Nacional de Bodysurf
outubro 23
Três surfistas resgatados na Praia da Barra
outubro 23
Câmara de Viana do Castelo cria Linha SOS para ocorrências com animais selvagens
outubro 23
A hora vai mudar: relógios atrasam 60 minutos na madrugada de domingo
outubro 22
Bernardo Jerónimo despede-se do Frontón King 2020 com eliminação na 4ª ronda
outubro 23
Uma sessão histórica de ondas grandes no Havai em 1998 (VÍDEO)
pub