Homepage

  • Tráfico deixa Cavalos-marinhos em risco
    02 novembro 2018
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Um negócio que pode fazer circular qualquer coisa como 1600 milhões de euros. Mas que também está a destruir, sem retorno, um dos maiores tesouros da Ria Formosa.
  • A Ria Formosa, no Algarve, já albergou, em tempos, a maior comunidade de cavalos-marinhos do Mundo. No entanto, o cenário atual mostra-nos uma triste realidade. Os cavalos-marinhos estão mesmo em risco de extinção no Algarve. Tudo por culpa do tráfico ilegal para a China. Uma reportagem publicada no passado fim-de-semana o jornal semanário “Expresso” alerta para a situação.

    Durante um mergulho de 30 minutos numa área de 240 metros quadrados, no Canal de Faro, o biólogo Miguel Correia encontrou apenas um cavalo-marinho. Leu bem. Um! Há cinco anos, durante a pesquisa para o doutoramento sobre as duas espécies existentes no Parque Natural da Ria Formosa, contabilizou naquele local, em frente ao cais comercial, dezenas de exemplares. “É uma depressão, um desânimo inexplicável”, comenta. É este o mote para a reportagem levada a cabo pelo “Expresso”.

    Miguel Correia repetiu o exercícios 15 vezes, tantas quantas as zonas de amostragem analisadas para o censo populacional, realizado no primeiro semestre de 2018, pelo investigador do Centro de Ciências do Mar da Universidade do Algarve. Em 8 dos 15 mergulhos não teve qualquer registo de cavalos-marinhos. Em quatro dos outros locais registou apenas um ou dois animais.

    Nos restantes locais, os números variaram entre os cinco e um máximo de 21. No total, nos 3800 metros quadrados de área protegida que perscrutou pessoalmente só contabilizou 40. Números desoladores e preocupantes, sobretudo se tivermos em conta a quantidade de cavalos-marinhos que ainda há bem pouco tempo ali existiam.

    Registou-se uma diminuição de cerca de 80 por cento da população de cavalos-marinhos da região, em relação ao censo de 2012. Um cenário que coloca a espécie em risco. A maior comunidade do mundo foi praticamente devastada, reduzida a um mínimo tão baixo que, nas condições atuais, pode já não assegurar a reposição. 

    A estimativa aponta para que atualmente não restem mais do que 155 mil cavalos-marinhos na Ria Formosa. Em seis anos desapareceram quase 600 mil. O cenário é ainda mais devastador quando comparado com 2001, altura em que a investigadora canadiana Janelle Curtis descobriu que em mais nenhum lugar havia uma população tão numerosa: eram então 1,3 milhões.

    Como? Tráfico ilegal para a China. “Os rumores de que havia captura ilegal para o mercado asiático, de centenas de indivíduos diariamente, e de que se vendiam cavalos-marinhos secos a cinco e 10 euros a unidade já eram há muito uma certeza. Mas o pior é que essa prática continua. É feita de uma forma brutal, por arrasto de vara, em que um barco arrasta uma rede fina que apanha tudo por onde passa. Os cavalos-marinhos são sedentários, vivem em áreas de 100 metros quadrados e os arrastos são sempre superiores a isso, dizimando totalmente os locais. Os que não são apanhados ficam isolados, reduzindo a possibilidade da reposição da população. E, além de levar os cavalos-marinhos, a rede destrói as pradarias impossibilitando o regresso da espécie. Durante os mergulhos é visível o desaparecimento de largas extensões de ervas marinhas. Fica só lama, sem locais onde os cavalos-marinhos se agarrarem”, relata Miguel Correia ao Expresso.

    As denúncias também chegaram ao Serviço de Investigação Criminal da Polícia Marítima. O inquérito foi aberto há poucos meses mas o Expresso avança que já foi possível identificar um “esquema de tráfico em rede, extremamente lucrativo, a operar em Olhão e com ligações ao oriente e a Espanha”, e um modus operandi que se repete, independentemente dos intermediários e mandantes. O valor das encomendas subiu nos últimos tempos devido à escassez de cavalos-marinhos, o que pode aliciar ainda mais pescadores para o crime.

    O negócio terá começado há cerca de três anos, quando começaram a aparecer na zona compradores orientais de pepinos do mar, um invertebrado da família da estrela-do-mar apanhado aos milhões para satisfazer a procura de chineses e japoneses que lhe atribuem, na versão seca e sem vísceras, poderes medicinais perto do milagre: desde a cura do cancro do cólon à da artrite, da impotência à fadiga. Para se ter noção um quilo de cavalos-marinhos pode valer cerca de 4 mil euros.

    Um negócio que pode fazer circular qualquer coisa como 1600 milhões de euros. Mas que também está a destruir, sem retorno, um dos maiores tesouros da Ria Formosa.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fonte: Expresso

Tags
  • cavalos-marinhos
  • Algarve
  • Ria Formosa
  • Tráfico
  • China
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
outubro 15
Nasceu a Matosinhos Surf School Cup: a nova competição para as escolas de surf do concelho
outubro 15
Faleceu Tom Morey, o Pai do Bodyboard
outubro 15
Recolhidos 10 kg de lixo marinho na Praia do Samouco (Galeria Fotos)
outubro 15
Reserva Mundial de Surf da Ericeira comemorou 10º aniversário
outubro 15
'EDP Surf for Tomorrow' - A viagem às Maldivas
outubro 15
Nuno Vitorino recebe prémio do Comité Paralímpico de Portugal
outubro 15
Fim de semana chega com tempo mais cinzento e regresso da chuva nas regiões Norte e Centro