Homepage

  • Medicamentos feitos com algas “portuguesas”
    05 novembro 2018
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • A equipa acaba de instalar no fundo do mar, junto ao arquipélago das Berlengas, um protótipo de uma câmara hiperespectral, que permite observar o aparecimento das algas.
  • Uma equipa de investigadores europeus tem estudado as algas invasoras presentes num extenso trecho de costa que liga Peniche à Galiza, desenvolvendo novos produtos para a indústria farmacêutica, cosmética e alimentar. A equipa de investigação do projeto 'Amália' já identificou seis espécies de algas invasoras com potencial, sobretudo na costa de Peniche, Figueira da Foz, Viana do Castelo e Galiza.

    “Se pegarmos nessas algas, que são uma ameaça, e gerarmos oportunidades e produtos estamos a promover a sustentabilidade do meio ambiente e a promover o crescimento económico, com base nos recursos marinhos”, disse à Lusa Marco Lemos, docente do Instituto Politécnico de Leiria (IPL) e coordenador do projeto.

    O projeto já tem um ano e meio e investigadores biotecnológicos já desenvolveram e têm em fase pré-comercial uma película natural, que não só substitui os sacos de plástico usados para conservar pescado congelado, como também aumenta a sua qualidade e o seu tempo de conservação.

    Em fase pré-comercial está também uma nova ração para aquacultura. À semelhança da ração, está a ser estudado o aproveitamento dessas algas em novos antibióticos também para aquacultura. Estão também a ser estudados usos em protetores solares e outros cremes da indústria cosmética.

    “O uso de compostos das algas invasoras [nestes produtos] pode diminuir a carga microbiana, os agentes patogénicos e a mortalidade. As algas não podem escapar do sol e desenvolveram naturalmente esta capacidade de se protegerem do sol. Se conseguimos extrair esses compostos e aplicarmos num protetor solar estamos a criar um novo produto”, explica o investigador.

    Marco Lemos adianta que, como “as algas produzem compostos tóxicos para bactérias, pode-se aplicar esses compostos e ter cremes antiacne”. Da mesma forma, está a ser estudada a possibilidade de vir a usar as algas invasoras na indústria farmacêutica para o fabrico de terapêuticas de combate ao cancro e à doença de Parkinson. No espaço de dois a três anos, acreditam os investigadores, alguns destes produtos podem vir a ser comercializados, à exceção dos farmacêuticos.

    “Estamos a desenvolver projetos em grande proximidade com a indústria, percebendo quais são os seus problemas e desenvolvendo produtos de que o mercado necessita, o que possibilita uma aceleração do desenvolvimento dos mesmos produtos”, sublinha o coordenador da investigação.

    A equipa acaba de instalar no fundo do mar, junto ao arquipélago das Berlengas, um protótipo de uma câmara hiperespectral, que permite observar o aparecimento das algas e enviar imagens para a indústria em tempo real, via satélite. O equipamento, já utilizado na medicina, foi pela primeira vez desenvolvido para ser adaptado à pesquisa subaquática por uma empresa de inovação holandesa, parceira do projeto.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Algas invasoras
  • Medicamentos
  • Portugal
  • Galiza
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
julho 15
Portugal defende título europeu em Santa Cruz
julho 17
Santa Cruz no radar do Nacional de Bodysurf
julho 17
Portugueses convidados para prova de ondas grandes no Brasil
julho 17
Gregos querem punir turistas que apedrejaram peixe-espada
julho 17
Alforreca gigante avistada por mergulhadora
julho 17
Liga MEO Surf no top dos eventos mais reputados em Portugal
julho 17
Mais de 30 tartarugas encontradas mortas em praias no Brasil