Homepage

  • Serão os copos descartáveis biodegradáveis?
    16 outubro 2018
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    Miguel Lacerda Facebook
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Após a simulação feita em diversos ambientes reais, tanto terrestres como marinhos, chegaram à conclusão que os copos continuavam na mesma, apenas com ligeiras diferenças.
  • Apresentam-se como copos biodegradáveis e de origem 100 por cento vegetal, com uma decomposição estimada de “45 a 60 dias”. Mas um velejador e uma bióloga marinha quiseram comprovar se essa realidade era verdadeira e descobriram que as coisas não funcionam bem assim. No referido período de tempo, os copos só se degradam em combustão industrial.

    A ideia do teste surgiu depois de os indivíduos em questão terem ido às festas do Mar, em Cascais, deparando-se com copos descartáveis de uma marca de cerveja que passavam uma mensagem de ser “100% biodegradáveis” e “inteiramente de origem vegetal”. Mas o teste mostrou uma realidade diferente, de acordo com uma notícia publicada agora pelo jornal “Público”.

     A janela de tempo foi publicitada pela Câmara Municipal de Cascais e pela Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCCB), em Agosto de 2018. A empresa detentora da Sagres, a marca identificada nos copos, é a cerveja oficial das Festas do Mar e disponibilizou os mesmos copos que utiliza noutros eventos, como o festival de música NOS Alive. “Demoram apenas entre 45 e 60 dias a desaparecer”, lia-se, então, num dos comunicados que anunciava os copos que vieram substituir os de plástico.

    Mas houve quem desconfiasse disso. Miguel Lacerda, o velejador, e Ana Pêgo, bióloga marinha e gestora do projeto Plasticus Maritimus, decidiram, a título individual, no final de agosto, começar uma “experiência científico-caseira” para “testar a degradação dos copos”. O objetivo passava perceber o que acontecia aos copos caso “as pessoas os deixassem no chão, em vez de os deitarem nos recipientes próprios”, que são disponibilizados pelo município.

    Após a simulação feita em diversos ambientes reais, tanto terrestres como marinhos, chegaram à conclusão que os copos continuavam na mesma, apenas com ligeiras diferenças. “A única alteração foi a perda de intensidade da tinta, no copo exposto ao ar/sol”, explica Miguel Lacerda.

    Ana foi mais longe e a 28 de agosto depositou ainda um copo num compostor doméstico. “Tinha muitas esperanças nesse”, comenta, entre risos. No último fim-de-semana, quase 50 dias depois, foi verificar o estado da degradação e teve uma surpresa: “Para já, nada aconteceu. Nem sequer amoleceu.”

    A bióloga marinha está a testar “um total de 11 copos, três marcas e quatro ambientes: terra, ar, água e compostor”. Além da Sagres, estão assinados pela Heineken (feitos de plástico) e pela ecOKAY, uma empresa francesa multidisciplinar regida “por princípios ecológicos”. Esta última diz que os copos que vende são “100% biodegradáveis”, degradando-se “em 47 dias numa compostagem industrial e 120 dias numa compostagem doméstica”. “Por isso, apesar de ainda não ter registado quaisquer alterações, ainda estão dentro do prazo”, ressalva Ana. 

Tags
  • Copos descartáveis
  • Plástico
  • cascais
  • Fotografia
    Miguel Lacerda Facebook
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
agosto 23
Buondi, uma marca com o ADN do surf
agosto 23
Fim de semana quente, mas com ligeira descida da temperatura
agosto 23
FPS lança maior campanha de ação ambiental já feita em Portugal
agosto 23
Maré de algas invade praias do Algarve
agosto 23
Wakeboard e Ski Náutico animam Montargil
agosto 23
Terra tremeu em Setúbal esta manhã
agosto 22
O microplástico já chegou ao Ártico