Homepage

  • Serão os copos descartáveis biodegradáveis?
    16 outubro 2018
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    Miguel Lacerda Facebook
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Após a simulação feita em diversos ambientes reais, tanto terrestres como marinhos, chegaram à conclusão que os copos continuavam na mesma, apenas com ligeiras diferenças.
  • Apresentam-se como copos biodegradáveis e de origem 100 por cento vegetal, com uma decomposição estimada de “45 a 60 dias”. Mas um velejador e uma bióloga marinha quiseram comprovar se essa realidade era verdadeira e descobriram que as coisas não funcionam bem assim. No referido período de tempo, os copos só se degradam em combustão industrial.

    A ideia do teste surgiu depois de os indivíduos em questão terem ido às festas do Mar, em Cascais, deparando-se com copos descartáveis de uma marca de cerveja que passavam uma mensagem de ser “100% biodegradáveis” e “inteiramente de origem vegetal”. Mas o teste mostrou uma realidade diferente, de acordo com uma notícia publicada agora pelo jornal “Público”.

     A janela de tempo foi publicitada pela Câmara Municipal de Cascais e pela Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCCB), em Agosto de 2018. A empresa detentora da Sagres, a marca identificada nos copos, é a cerveja oficial das Festas do Mar e disponibilizou os mesmos copos que utiliza noutros eventos, como o festival de música NOS Alive. “Demoram apenas entre 45 e 60 dias a desaparecer”, lia-se, então, num dos comunicados que anunciava os copos que vieram substituir os de plástico.

    Mas houve quem desconfiasse disso. Miguel Lacerda, o velejador, e Ana Pêgo, bióloga marinha e gestora do projeto Plasticus Maritimus, decidiram, a título individual, no final de agosto, começar uma “experiência científico-caseira” para “testar a degradação dos copos”. O objetivo passava perceber o que acontecia aos copos caso “as pessoas os deixassem no chão, em vez de os deitarem nos recipientes próprios”, que são disponibilizados pelo município.

    Após a simulação feita em diversos ambientes reais, tanto terrestres como marinhos, chegaram à conclusão que os copos continuavam na mesma, apenas com ligeiras diferenças. “A única alteração foi a perda de intensidade da tinta, no copo exposto ao ar/sol”, explica Miguel Lacerda.

    Ana foi mais longe e a 28 de agosto depositou ainda um copo num compostor doméstico. “Tinha muitas esperanças nesse”, comenta, entre risos. No último fim-de-semana, quase 50 dias depois, foi verificar o estado da degradação e teve uma surpresa: “Para já, nada aconteceu. Nem sequer amoleceu.”

    A bióloga marinha está a testar “um total de 11 copos, três marcas e quatro ambientes: terra, ar, água e compostor”. Além da Sagres, estão assinados pela Heineken (feitos de plástico) e pela ecOKAY, uma empresa francesa multidisciplinar regida “por princípios ecológicos”. Esta última diz que os copos que vende são “100% biodegradáveis”, degradando-se “em 47 dias numa compostagem industrial e 120 dias numa compostagem doméstica”. “Por isso, apesar de ainda não ter registado quaisquer alterações, ainda estão dentro do prazo”, ressalva Ana. 

Tags
  • Copos descartáveis
  • Plástico
  • cascais
  • Fotografia
    Miguel Lacerda Facebook
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
janeiro 23
Surf to Win apresenta equipa oficial para 2020
janeiro 24
Lewis Pugh é o primeiro humano a nadar sob camada de gelo na Antártida
janeiro 24
Gondomar retira das serras 3 toneladas de lixo por semana
janeiro 22
Tempestade Glória provoca ondulação inédita no Mediterrâneo
janeiro 23
Vem aí o Pacto Português para os Plásticos
janeiro 23
O ornitorrinco pode desaparecer devido à ocupação humana
janeiro 24
Austrália enfrenta praga de aranhas mortíferas