Homepage

  • Furacão faz desaparecer ilha no Havai
    29 outubro 2018
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    Chip Fletcher
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Os ventos do furacão de categoria cinco atingiram os 252 quilómetros por hora e, apesar de não haver pessoas na ilha que deixou de existir, esta serve de abrigo para espécies em vias de extinção.
  • A passagem do furacão Walaka, que foi classificado com a categoria 5, pelo Havai no início do mês de outubro, causou alguns estragos, mas também originou o desaparecimento de uma ilha remota local, de acordo com a informação avançada pelo canal televisivo norte-americano CNN.

    “As ilhas estão numa área que é maioritariamente constituída por fatias finas de areia e cascalho e que se formam no topo de um vulcão submerso”, começou por explicar Chip Fletcher, professor de Ciência Terrestre na Universidade do Havai em Manoa, citado pela estação televisiva.

    Apesar de inabitada, esta ilha dava abrigo a várias espécies em vias de extinção. A ilha em questão estava localizada a 885 quilómetros a noroeste de Honolulu. Para o investigador, com a subida do nível do mar “as bases fundamentais para a formação destas ilhas já não existe”. Isto porque a formação destas ilhas acontece “à medida que o nível da água nos oceanos desce”.

    Os ventos do furacão de categoria cinco atingiram os 252 quilómetros por hora e, apesar de não haver pessoas na ilha que deixou de existir, esta serve "de refúgio para duas das espécies mais ameaçadas no mundo": a tartaruga verde e a foca-monge havaianas. As focas-monge passam a maior parte do tempo nestas ilhas, e restam cerca de 1400 exemplares desta espécie em todo o mundo.

    Já cerca de 96 por cento das tartarugas verdes vivem e viajam entre a cadeia de pequenas ilhas em redor daquela que ficou submersa. As ilhas são conhecidas como os “Bancos de Areia das Fragatas Francesas” e é ali que as tartarugas depositam os ovos. No entanto, a maioria dos ovos já teriam eclodido aquando da passagem do furacão.

    Para Chip Fletcher a culpa do sucedido é do aquecimento global. “Se o nível de água nos oceanos estivesse a subir a um ritmo lento, haveria a possibilidade de estas ilhas se adaptarem, mas o aumento rápido, devido ao aquecimento global, coloca-as fora de equilíbrio”, justificou.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • havai
  • Ilha
  • Furacão
  • Fotografia
    Chip Fletcher
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
maio 14
Joana Schenker termina no 5º posto em Iquique
maio 13
Joel Rodrigues alcança o 5º lugar no Iquique Bodyboard Pro
maio 13
Entrevista a Pedro Perestrelo Pinto, Cônsul-Geral em São Francisco (Parte 2): da visita às catedrais do surf havaiano ao antepassado português de Kai Lenny
maio 12
Entrevista a Pedro Perestrelo Pinto, Cônsul-Geral em São Francisco (Parte 1): 'O legado português no Havai é notório nas quatro principais ilhas'
maio 12
Calor vai continuar até sábado em Portugal continental
maio 12
Depois do recital em Arica, Amaury Lavernhe é ausência em Iquique: 'Não tenho vida para estar focado a 100% no Mundial'
maio 13
Joel Rodrigues e Joana Schenker já estão nos quartos-de-final em Iquique