Homepage

  • Efeito do clima nas algas vale prémio a portuguesa
    28 setembro 2018
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Para este estudo a jovem portuguesa estudou os dados no Sistema de Informação Biogeográfica dos Oceanos (OBIS) e na coleção de macroalgas da Universidade de Coimbra (MACOI).
  • Raquel Gaião Silva. É este o nome da primeira portuguesa a vencer o prémio Jovens Investigadores do Global Biodiversity Information Facility. O anúncio foi feito na passada terça-feira, com a aluna de mestrado em biodiversidade e conservação marinha da Universidade do Algarve a ser uma das duas vencedoras deste prémio em 2018, graças a um estudo sobre o efeito do clima nas algas.

    O objetivo da investigação de Raquel basou-se em perceber se e como o aumento da temperatura dos oceanos pode estar a alterar a distribuição de macroalgas ao longo da costa do Atlântico de Espanha e Portugal, do Golfo da Biscaia até o Estreito de Gibraltar. 

    “Os ecossistemas ricos e complexos a que dão origem, fornecem alimento, habitat e funcionam como berçários para inúmeras espécies”, segundo um comunicado oficial do GBIF. “Em latitudes mais baixas, perto da área a sul da sua distribuição, as macroalgas são mais sensíveis a alterações de temperatura da água, que podem levar à adaptação, à redução ou à expansão da área de ocorrência destes organismos, assim como a extinções locais”, pode ler-se.

    Para este estudo a jovem portuguesa estudou os dados no Sistema de Informação Biogeográfica dos Oceanos (OBIS) e na coleção de macroalgas da Universidade de Coimbra (MACOI). Foram usadas também as colecções de herbário portugueses do Porto, Aveiro, Lisboa, Faro e do projecto Marine Forests, uma plataforma de ciência cidadã, de acesso aberto, e que promove a monitorização coletiva e internacional de algas.

    O prémio rendeu a Raquel 5 mil euros. “É, sem dúvida, um enorme incentivo para o desenvolvimento do meu estudo e para continuar a acreditar no impacto positivo que poderá trazer, não só para a ciência, mas também para todos os setores dependentes da presença de florestas marinhas de macroalgas e, por fim, para uma melhor consciencialização das consequências das alterações climáticas”, referiu.

    Segundo o GBIF, “os resultados da sua pesquisa poderão beneficiar investigadores, decisores políticos e residentes costeiros, dentro e fora das áreas de estudo”. O Comité Científico do GBIF selecionou, além de Raquel Gaião Silva, a estudante de doutoramento norte americana Kate Ingenloff, de um grupo de 14 candidatos nomeados por chefes de delegação de 11 países participantes do GBIF.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fonte: Wilder.pt

Tags
  • Portuguesa
  • Algas
  • Universidade do Algarve
  • Investigação
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
novembro 25
Sol fica só até sábado: chuva volta no domingo
novembro 24
Seleção Nacional de Surf Adaptado quer medalhas no Mundial ISA 2022
novembro 24
Prolongado aviso de agitação marítima na Madeira
novembro 23
O que esperar do grande swell que vai entrar na Nazaré?
novembro 23
Divulgados os convocados da Seleção Nacional de Surf Adaptado para o Mundial ISA 2022
novembro 23
Cuidados a ter por causa da forte agitação marítima esperada
novembro 23
Guilherme Ribeiro e Justin Mujica recebem wildcards para o Special Event do circuito ASCC Caparica Power