Homepage

  • Efeito do clima nas algas vale prémio a portuguesa
    28 setembro 2018
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Para este estudo a jovem portuguesa estudou os dados no Sistema de Informação Biogeográfica dos Oceanos (OBIS) e na coleção de macroalgas da Universidade de Coimbra (MACOI).
  • Raquel Gaião Silva. É este o nome da primeira portuguesa a vencer o prémio Jovens Investigadores do Global Biodiversity Information Facility. O anúncio foi feito na passada terça-feira, com a aluna de mestrado em biodiversidade e conservação marinha da Universidade do Algarve a ser uma das duas vencedoras deste prémio em 2018, graças a um estudo sobre o efeito do clima nas algas.

    O objetivo da investigação de Raquel basou-se em perceber se e como o aumento da temperatura dos oceanos pode estar a alterar a distribuição de macroalgas ao longo da costa do Atlântico de Espanha e Portugal, do Golfo da Biscaia até o Estreito de Gibraltar. 

    “Os ecossistemas ricos e complexos a que dão origem, fornecem alimento, habitat e funcionam como berçários para inúmeras espécies”, segundo um comunicado oficial do GBIF. “Em latitudes mais baixas, perto da área a sul da sua distribuição, as macroalgas são mais sensíveis a alterações de temperatura da água, que podem levar à adaptação, à redução ou à expansão da área de ocorrência destes organismos, assim como a extinções locais”, pode ler-se.

    Para este estudo a jovem portuguesa estudou os dados no Sistema de Informação Biogeográfica dos Oceanos (OBIS) e na coleção de macroalgas da Universidade de Coimbra (MACOI). Foram usadas também as colecções de herbário portugueses do Porto, Aveiro, Lisboa, Faro e do projecto Marine Forests, uma plataforma de ciência cidadã, de acesso aberto, e que promove a monitorização coletiva e internacional de algas.

    O prémio rendeu a Raquel 5 mil euros. “É, sem dúvida, um enorme incentivo para o desenvolvimento do meu estudo e para continuar a acreditar no impacto positivo que poderá trazer, não só para a ciência, mas também para todos os setores dependentes da presença de florestas marinhas de macroalgas e, por fim, para uma melhor consciencialização das consequências das alterações climáticas”, referiu.

    Segundo o GBIF, “os resultados da sua pesquisa poderão beneficiar investigadores, decisores políticos e residentes costeiros, dentro e fora das áreas de estudo”. O Comité Científico do GBIF selecionou, além de Raquel Gaião Silva, a estudante de doutoramento norte americana Kate Ingenloff, de um grupo de 14 candidatos nomeados por chefes de delegação de 11 países participantes do GBIF.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, e encontra tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fonte: Wilder.pt

Tags
  • Portuguesa
  • Algas
  • Universidade do Algarve
  • Investigação
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
abril 13
Água da central nuclear de Fukushima vai mesmo ser despejada no Pacífico
abril 13
FPS lança cartão digital para federados
abril 13
Brave Heart vai realizar curso de nadador-salvador em Cascais
abril 12
Polícia Marítima fiscalizou 7 apoios de praia na Caparica
abril 12
Pandemia originou uma das maiores quedas de emissões poluentes em Portugal
abril 12
Allianz Figueira Pro confirmado para 23 a 25 de Abril
abril 12
Sete apontamentos sobre o Allianz Ericeira Pro