Homepage

  • China cria plástico que se decompõe no mar
    05 setembro 2018
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Este novo material é composto por poliéster e a decomposição no mar pode ir de poucos dias até cerca de 100 dias.
  • A poluição marítima e o plástico presente nos oceanos são cada vez mais uma das maiores ameaças que o planeta enfrenta. Mas cientistas chineses parecem determinados em encontrar uma solução. Foi assim que criaram plástico que se decompõe na água do mar, sem deixar resíduos.

    Este novo material é composto por poliéster e a decomposição no mar pode ir de poucos dias até cerca de 100 dias. Após se decompor, o “novo plástico” deixa algumas moléculas na água, mas estas não causam poluição, segundo explicou Wang Gexia, engenheiro séniordo Instituto Técnico de Física e Química da Academia Chinesa de Ciências.

    “Durante muito tempo as pessoas preocuparam-se apenas com a ‘poluição branca’ em terra. A poluição de plástico no mar só chamou a atenção das pessoas quando começaram a surgir cada vez mais relatos de como este afetava a vida marinha”, afirmou Wang.

    Os cientistas estimam que por ano vão parar ao mar entre 5 a 12 milhões de toneladas de resíduos plásticos, o que corresponde a 60 a 80 por cento do total de poluentes sólidos no oceano. Devido às atividades humanas e às correntes oceânicas, a maior parte deste lixo concentra-se no norte e no sul do Pacífico, no norte e no sul do Atlântico e no centro do Oceano Índico.

    Wang Gexia acredita que é impossível lidar com o lixo marinho da mesma forma que se lixa com o lixo em terra, pelo que defende esta nova solução. “Ainda não temos métodos eficazes para lidar com a grave poluição plástica. Não podemos coletar e lidar com o lixo disperso nos oceanos como fazemos em terra. A solução mais viável é deixar os materiais se degradarem e desaparecerem”, frisou.

    O Instituto Técnico de Física e Química é uma das principais instituições de pesquisa na China a desenvolver plásticos biodegradáveis. O instituto autorizou quatro empresas chinesas a usar sua tecnologia, com três dessas empresas a entrar em produção com uma capacidade total anual de metade dos plásticos biodegradáveis ​​globais, ou seja 75 toneladas.

    Percebendo a grave poluição plástica nos oceanos, os pesquisadores objetivaram desenvolver materiais degradáveis ​​na água do mar, mas descobriram que os plásticos que se decompõem rapidamente em terra não conseguem se degradar facilmente no mar. Dessa forma, combinaram hidrólise não enzimática, dissolução de água e processos de biodegradação para projetar e inventar o novo material.

    A pesquisa foi selecionada recentemente como um dos 30 projetos vencedores num concurso de tecnologias futuras inovadoras em Shenzhen, província de Guangdong, no sul da China. O concurso incentivou jovens cientistas chineses a conceber tecnologias inovadoras e a estimular a inovação.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • China
  • Poluição
  • Plástico
  • Oceano
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
janeiro 31
Comunicado da FPS sobre o projeto 'Gestão do Espaço Costeiro'
janeiro 31
Luke Shepardson, o vencedor improvável do Eddie Aikau que passou a ter um dia no Havai com o seu nome
janeiro 31
Surf adaptado mantem bem vivo o sonho da inclusão nos Jogos Paralímpicos de Los Angeles 2028
janeiro 31
Ondas da Praia da Vigia consagraram campeões do Circuito Sealand Santa Cruz 2022
janeiro 30
Validade da certificação dos nadadores-salvadores prorrogada até ao final de 2023
janeiro 30
Conhecido calendário dos circuitos regionais de bodyboard para 2023
janeiro 30
FPS vai realizar dois cursos online de juízes de surf em fevereiro