Homepage

  • TAD determina ilegalidade do Mundial de SUP em Portugal
    01 agosto 2018
    arrow
    arrow
  • FPS é a única federação nacional com competência para organizar e homologar provas de SUP em Portugal
  • O Tribunal Arbitral do Desporto decretou, a pedido da Federação Portuguesa de Surf (FPS), providência cautelar contra Federação Portuguesa de Canoagem (FPC), intimando-a a abster-se de organizar, de colaborar ou dar apoio, ao 2018 ICF Stand Up Paddling World Championship, campeonato da modalidade marcado para 30 de agosto a 2 de setembro, em Viana do Castelo e Esposende, e que contornava as leis de tutela da modalidade. Para João Aranha, Presidente da FPS, “esta é uma decisão que defende a modalidade, a sua história e as competências exclusivas da nossa federação. É um marco fundamental que servirá para auxiliar na disputa internacional sobre a modalidade”.

    Reconhecendo a competência exclusiva da FPS para a organização e homologação de provas de Stand Up Paddle em Portugal, o TAD confirmou que os 2018 ICF Stand Up Paddling World Championships carecem de parecer prévio e vinculativo da FPS para poderem ser organizados legalmente. Uma vez que este parecer não foi requerido, e sendo-o, será fundamentadamente rejeitado pela FPS, conclui-se que os 2018 ICF Stand Up Paddling World Championships são ilegais à luz da lei portuguesa.

    Com a decisão do TAD, a FPC fica ainda impedida de ver os seus quadros técnicos ter intervenção no evento, implicando a exclusão de Marcos Oliveira da coordenação técnica do evento (que havia sido anunciada pela ICF) e a impossibilidade de participação de juízes nacionais na prova. De igual modo, o TAD determinou a impossibilidade de o evento beneficiar de apoios públicos concedidos pelo IPDJ ou Câmaras Municipais de Esposende e Viana do Castelo.

    Segundo os advogados da 14 Sports Law, empresa que representou a FPS nesta disputa, esta decisão terá “seguramente impacto no diferendo internacional que opõe o surf, modalidade que tradicionalmente fez nascer e crescer o Stand Up Paddle, à canoagem”. Vai, ainda, afirmar Portugal como um estado de direito, confirmando tutela exclusiva da FPS tal como reconhecida pelas instituições competentes, rejeitando a organização de um evento fora dos termos legais aplicáveis”.

    A decisão do TAD é passível de recurso, o qual, no entanto, não tem efeito suspensivo.

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Foto - ICF

Tags
  • Tribunal Arbitral do Desporto
  • Federação Portuguesa de Surf
  • Federação Portuguesa de Canoagem
  • ICF Stand Up Paddling World Championship
  • sup
  • Portugal
  • turismo de portugal
  • joao aranha
similar News
similar
setembro 28
Mercedes-Benz vai celebrar o Dia Mundial do Mar com a temática Nazaré
setembro 28
Praia do Seixal consagrou vencedores da 4ª etapa do Regional de SUP Race da Madeira 2022
setembro 28
Praia de Matosinhos vai receber iniciativa 'Surf Adaptado'
setembro 28
Projeto TransforMAR recolheu 67 toneladas de plástico e metal das praias portuguesas este verão
setembro 28
AON Titan Trophies 2022 terminou nas ondas de Leça da Palmeira
setembro 27
The Surf Experience vai celebrar 30º aniversário com festival de música em Lagos
setembro 27
David Raimundo: 'A Seleção Nacional de Surf mostrou ao mundo uma vez mais o valor do surfista português'