Homepage

  • Quebra de gelo no Ártico assusta cientistas
    29 agosto 2018
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • As piores previsões apontam mesmo para o facto de o Ártico poder ter verões em gelo, algures entre 2030 e 2050, caso esta tendência se mantenha.
  • A região do Ártico está a aquecer a um ritmo duas vezes superior ao resto do planeta. E esse facto está a assustar a comunidade científica. O cenário piorou depois da primeira “quebra de gelo” registada naquela que é considerada a “última área de gelo”, por ser a mais densa e antiga da região.

    Acreditava-se que o gelo do mar a norte da Gronelândia era um dos últimos bastiões a salvo dos efeitos do aquecimento global. Contudo, devido aos ventos quentes e à onda de calor que se verificou no hemisfério norte nos últimos meses, o gelo já registou duas quebras durante este ano.

    Um fenómeno encarado como “realmente assustador” pelos cientistas, por se tratar de uma das poucas áreas antigas do Ártico que não desapareceram. Mas esta nova situação faz com que os cientistas comecem a reequacionar o quanto tempo o gelo do Ártico conseguirá resistir ao aquecimento global.

    “Quase todo o gelo ao norte da Gronelândia está bastante partido e fragmentado e, portanto, mais móvel”, explicou Ruth Mottram, do Instituto Meteorológico Dinamarquês, ao jornal britânico “The Guardian”. “Os eventos da semana passada sugerem que, na verdade, a última área de gelo pode estar mais a oeste”, frisou.

    Quem também parece poder sofrer as consequências são as espécies animais residentes no Ártico, uma vez que serão cada vez mais “empurrados” para fora do seu habitat natural devido ao rápido desaparecimento de gelo. O cientista Zack Labe afirmou mesmo que a extensão do gelo do mar da Gronelândia está em mínimos recorde durante a maior parte do ano.

    As piores previsões apontam mesmo para o facto de o Ártico poder ter verões em gelo, algures entre 2030 e 2050, caso esta tendência se mantenha. As últimas leituras do Norwegian Ice Service mostram que a cobertura gelada na área de Svalbard está 40 por cento abaixo da média daquilo que estaria na mesma altura do ano em 1981.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

     

     

Tags
  • Aquecimento global
  • Quebra de gelo
  • Ártico
  • Fonte
    Redação
similar News
similar
junho 17
Jovem surfista de 12 anos sobrevive a ataque de tubarão
junho 17
O tempo mudou: Muitas nuvens, aguaceiros e temperaturas descem 10 graus
junho 16
Forças de segurança realizaram ações de sensibilização nas praias de Oeiras
junho 16
Miss Costa Nova Cup 2021 confirmada
junho 16
Vasco Ribeiro pode alcançar título nacional em Sintra
junho 15
Publicada a lista final com a lotação das praias de Portugal Continental
junho 15
Quercus destaca aumento de praias com 'Qualidade de Ouro' em 2021