Homepage

  • A surfista! (Um texto com um final comovente)
    20 agosto 2018
    arrow
    arrow
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • 'Devo ter cara de psiquiatra, começou a falar dela como se me conhecesse desde sempre.'
  • A surfista, é um texto de José Gameiro, com um final comovente.

    "Conheci-a por puro acaso. Não me procurou profissionalmente. Não foi preciso conhecê-la muito para perceber que vivia muito bem consigo e com os seus próximos. Mas teve de lutar, mais com ela própria do que com os outros. O caminho que fez não foi fácil. Já um bocado para lá dos 60 anos, cabelo curto, grisalho — desde há muito que se recusa a pintá-lo —, conheci-a na praia, a sair do mar, prancha na mão.

    Já um bocado para lá dos 60 anos, cabelo curto, grisalho — desde há muito que se recusa a pintá-lo —, conheci-a na praia, a sair do mar, prancha na mão.

    Lista: As coisas que mais irritam uma Nadadora Salvadora!

    Era difícil não olhar para ela, bonita, alta, com um sorriso simpático. Destacava-se facilmente no meio dos miúdos e menos miúdos que àquela hora estavam a entrar e a sair das ondas. Passados uns dias, meti conversa na esplanada.

    “Desculpe o meu preconceito, nos tempos que correm não é muito correto, mas venho aqui há muito tempo e não me lembro de ver uma senhora da sua idade a fazer surf.”
    Desatou a rir-se. “Até que enfim que alguém me diz alguma coisa. Sabe, muita gente olha para mim, mas nunca me tinham feito nenhuma pergunta.”

    Devo ter cara de psiquiatra, começou a falar dela como se me conhecesse desde sempre.

    “Trabalhei numa companhia de seguros toda a minha vida. Fiz o percurso do costume, tirei um curso, casei, tive filhos, já tenho um neto. Não tinha tempo para nada, sabe como é, a correr de casa para o trabalho. Tive um marido de quem gostei muito, morreu no ano passado, tenho muitas saudades dele. Quando fiquei viúva e, pouco tempo depois, me vi livre do trabalho, comecei a vir até aqui com o meu neto mais novo. Ele estava a aprender a fazer surf e eu ficava encantada a ver os seus progressos nas ondas. Até comecei a falar de offshore, inshore, swelling. O meu neto, cheio de vergonha, dizia: ‘Ó avó, não tem idade para dizer essas coisas.’ Hesitei muito, tinha vergonha, mas enchi-me de coragem e fui falar com o professor. Claro que podia ter aulas, muito educadamente sugeriu que talvez fosse melhor serem individuais. Demorei umas semanas a conseguir pôr-me em pé na prancha, hoje já faço umas ondas, mas sobretudo sinto-me muito bem aqui. Deixei de viver em piloto automático, sempre a fazer todos os dias a mesma coisa. Claro que por vezes me perguntava se o que tinha era uma vida, mas gosto muito da minha família e dos meus amigos e ia vivendo...”

    Passaram uns dias, voltei lá. Estava sentada na esplanada a conversar com um homem, cabelo e olhos claros. Chamou-me, perguntou-me se podia falar em inglês. Sentei-me, apresentou-me o amigo.

    “Também o conheci aqui, é gestor de fundos financeiros, mas está farto. Começámos a falar de seguros de capitalização e agora somos namorados. Vamos montar um bar de praia. Só me falta a coragem para conversar com os meus filhos, já deve ter percebido que ele é muito mais novo do que eu...”

    Já tinha percebido, mas, antes do alemão, eu também tinha percebido que o charme dela não tem idade. O resto são pormenores. As rugas e o cabelo grisalho desaparecem com o seu olhar doce.

    Despediu-se de mim. Iam fazer uma viagem de caravana. Quase ao ouvido, disse-me em português:

    “Nem imagina a pena que tenho em não viver isto com o meu marido”."

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fotografia: Lonny

    Texto: José Gameiro para o Expresso

Tags
  • José Gameiro
  • Surf
  • Surfista
  • A Surfista
  • texto
  • cultura
  • artigo
  • praia
similar News
similar
janeiro 31
Luke Shepardson, o vencedor improvável do Eddie Aikau que passou a ter um dia no Havai com o seu nome
janeiro 31
Surf adaptado mantem bem vivo o sonho da inclusão nos Jogos Paralímpicos de Los Angeles 2028
janeiro 31
Ondas da Praia da Vigia consagraram campeões do Circuito Sealand Santa Cruz 2022
janeiro 30
Validade da certificação dos nadadores-salvadores prorrogada até ao final de 2023
janeiro 30
Conhecido calendário dos circuitos regionais de bodyboard para 2023
janeiro 30
FPS vai realizar dois cursos online de juízes de surf em fevereiro
janeiro 30
Frio não desarma e deixa todo o território continental em aviso amarelo