Homepage

  • Ministro do Ambiente assume a defesa da exploração de petróleo em Portugal
    27 junho 2018
    arrow
    arrow
  • Em audição na comissão Parlamentar de Ambiente, esta quarta-feira, o ministro do Ambiente assumiu 'que carbono zero não quer dizer petróleo zero'.
  • O Ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, assume a defesa da exploração de petróleo em Portugal “se o país quiser ser independente em termos energéticos do exterior” segundo avança o Expresso. E fê-lo durante uma audição parlamentar em que foi acusado se ceder perante interesses económicos.

    Em audição na comissão Parlamentar de Ambiente, esta quarta-feira, o ministro do Ambiente assumiu “que carbono zero não quer dizer petróleo zero”.

    Para João Pedro Matos Fernandes, apesar de “termos que reduzir as nossas emissões de 7 para 1”, certo é que “teremos que usar petróleo”. Por isso, em seu entender “merece ser feita a discussão sobre se queremos ou não usar petróleo e o que estamos disponíveis para prescindir”. E, acrescentou, “sabendo que teremos que usar petróleo, teremos de decidir se queremos ou não ser independentes ou se achamos que todo o petróleo deve ser importado, porque haverá quem pense que há riscos que só os outros países devem correr”.

    Com estas palavras, João Matos Fernandes assumiu a defesa dos benefícios económicos de uma eventual exploração de petróleo no mar a 46 quilómetros de Aljezur, na Costa Vicentina. “Fica claro que o Governo assume a hipótese de explorar petróleo ao largo do Algarve tendo em conta a necessidade de reduzir a dependência do mercado externo”, aponta ao Expresso Pedro Soares, deputado do Bloco de Esquerda e presidente da Comissão Parlamentar de Ambiente.

    A audição do ministro do Ambiente fora requerida com caráter de urgência pelo grupo parlamentar do Bloco de Esquerda, devido à dispensa de estudo de impacte ambiental para o projeto do consórcio Eni/Galp de prospeção de hidrocarbonetos ao largo de Aljezur, decretada pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA). Na convocatória, o BE questionava a decisão “apesar de todos os indicadores que aconselham em sentido contrário, de toda a participação democrática de ativistas, cidadãos, autarcas e apesar de todos os alertas científicos e empíricos”.

    A APA justificou a decisão por não ter identificado “impactos negativos significativos” na realização do furo de pesquisa previsto para meados de setembro. E Matos Fernandes afirmou estar “confortável” com a “decisão técnica” da APA, reiterando tratar-se de uma “decisão administrativa”.

    Perante os argumentos do ministro, a deputada de Os Verdes, Heloísa Apolónia, acusou-o de estar “ a fraquejar” e questionou: “Para que é que este Governo precisa de um Ministério do Ambiente?”

    Em resposta, Matos Fernandes disse “não se esconder atrás de ninguém” e reafirmou ter havido “uma decisão política na manutenção deste contrato”, assinado em 2007, mas que “não há mais nenhum contrato válido, nem haverá mais nenhum”, tendo em conta a moratória aprovada pelo Governo até ao fim da legislatura. O processo de avaliação de impacte ambiental será obrigatório por lei se o consórcio Eni/Galp descobrir petróleo em quantidades que o leve a querer avançar para a fase de exploração.

     

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fotografia: MIGUEL A. LOPES/ Lusa

    Fonte: Carla Tomás / Expresso

Tags
  • crime ambiental
  • Agência Portuguesa do Ambiente
  • apa
  • Ministério do Ambiente
  • ministro ambiente
  • João Pedro Matos Fernandes
  • Prospecção
  • Exploração
  • Petróleo
  • Algarve
  • aljezur
  • Parque Natural do SW Alentejano e Costa Vicentina
  • água
  • mar
  • praia
  • praias
  • turismo de portugal
  • turismo
  • Sociedade
  • surf
  • Sustentabilidade
  • Poluição
  • risco
  • galp
  • ENI
pub
similar News
similar
junho 02
Realizada a 1ª formação e-learning de Prevenção do Afogamento em Portugal
junho 02
'Verão no Parque' já chegou a mais 4 espaços do concelho de Cascais
junho 02
Caravanismo ilegal originou 92 autos de contraordenação na Costa Vicentina
junho 02
Stephanie Gilmore apostada em chegar ao oitavo título
junho 01
“Enfrentámos muitas dificuldades para o surf chegar aos Jogos”
junho 01
Prolongadas as licenças das escolas de surf emitidas pelo Porto de Leixões
junho 01
Polícia Marítima fiscalizou atividade das escolas de surf na Praia de Matosinhos
pub