Homepage

  • 'Pedro, o Pescador' com futuro incerto
    26 junho 2018
    arrow
    arrow
  • ''Do pouco que rende, o Governo ainda nos leva a maior parte, em impostos. Até os peixes sumiram, muita variedade desapareceu''
  • Está atrasado o início, em pleno, da pesca com arte xávega, que habitualmente arranca em abril ou maio, e de que ainda dependem várias pequenas comunidades de praias da região.

    O mar andou muito agitado e o peixe que aparece não tem compensado os custos de ir lançar redes. As campanhas em atividade resistem com muitas dificuldades.

    Nesta altura, quem chega às praias da região de Aveiro onde ainda existe pesca com arte xávega (Esmoriz, Cortegaça, Furadouro, Torrão do Lameiro, Torreira. Vagueira) estranha não ver os barcos na faina com a frequência habitual.

    Vejam aqui as nossas camêras nas praias de Aveiro

    As condições do mar não ajudaram. Aliás, o tempo instável das últimas semanas também parece ter afastado o peixe da costa.

    O pior que podia acontecer no ´ganha pão´ das comunidades piscatórias quando a procura começa a subir e a venda de carapau e sardinha (bem menos) rende um pouco mais.

    "De alguns anos para cá tem vindo a piorar. Não vemos peixe na hora certa, que é quando há por aqui muitos turistas e gente de férias. Quando aparece peixe, em setembro, já não há saída como no início. Um bom lanço, que dê 100 caixas, rende cinco euros o quilo e passamos o dia na lota para vender", lamenta o armador David Oliveira, de 44 anos, que já desespera por melhores dias para lançar as redes de arrasto ao largo da praia do Torrão do Lameiro, no concelho de Ovar.

    "As despesas do combustível, dos seguros, manutenção dos tratores e o pessoal a depender do que ganha ali, à percentagem" causam muitas dores de cabeça e fazem "pensar se vale a pena continuar".

    "É uma arte cega"

    Alberto, mestre de redes, aparelhou o barco "Pedro, o Pescador" há várias semanas, mas a permanência longa em terra desmotiva os pescadores que vão arranjando outras ocupações. "É uma arte cega, põe-se a rede ao mar; se der deu, se não der é prejuízo para o patrão e para quem trabalha. O futuro disto é morrer. Não há pessoal que queira dar continuidade, sem peixe desmoralizam", alerta.

    Quase a atingir oitenta anos, o arrais Rodrigues prepara-se para dizer adeus no final do período de safra. Com um lamento: a pesca artesanal pouco rende no presente, nem é vida de futuro.

    Cada barco de arte xávega precisa, pelo menos, de uma tripulação de 15 pessoas. A cada saída para a faina é mais difícil ter gente para embarcar.

    "Para já, enquanto puder subir ao barco, vou. Mas a minha idade aconselha a terminar esta aventura", diz, conformado, o antigo emigrante que passou duas décadas no Brasil.  

    "Temos aqui no Torrão do Lameiro apenas um barco a pescar. Do pouco que rende, o Governo ainda nos leva a maior parte, em impostos. Infelizmente, este ex libris está ameaçado. Até os peixes sumiram, muita variedade desapareceu", lamentou o arrais.

     

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fonte: Notícias de Aveiro

Tags
  • Pesca
  • Aveiro
  • Atraso
  • Pescadores
  • barco
  • navio
  • arte xávega
  • praia
  • praias
  • portugal
  • peixe
  • pedro o pescador
  • ovar
pub
similar News
similar
outubro 21
Salvamentos aumentaram nas praias portuguesas na época balnear de 2020
outubro 22
Cerca de 1 milhão de toneladas de equipamentos de pesca chega aos oceanos anualmente
outubro 22
BV2, o novo modelo da Chilli Surfboards já está disponível em Portugal
outubro 22
Surfista preso em zona de falésia é resgatado em Aljezur
outubro 22
Bernardo Jerónimo avança mais uma ronda no Frontón King 2020
outubro 22
Bom Petisco Cascais Pro alimentado a 60% com energia solar
outubro 21
Costa da Morte, na Galiza, quer ser Reserva Mundial de Surf
pub