Homepage

  • Substituto da morfina vindo do mar português
    30 maio 2018
    arrow
    arrow
  • Fotografia
    Luís Forra/Lusa
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • O analgésico em desenvolvimento pela Sea4us tem origem num invertebrado marinho presente no nosso mar.
  • Numa semana em que a eutanásia tem estado no centro da discussão, eis que uma empresa portuguesa apresenta uma solução oriunda do mar para ajudar no combate à dor crónica. A Sea4us está a utilizar princípios ativos para medicamentos a partir de organismos marinhos da costa marítima nacional, que se apresenta como uma alternativa à morfina.

    Foi na costa portuguesa que esta empresa de biotecnologia, criada em 2013, encontrou forma de desenvolver um novo analgésico para tratamento da dor crónica. A enorme biodiversidade oferecida pelo mar português é essencial para a identificação e seleção de espécimes marinhas com potencial. A Sea4us é dada a conhecer melhor numa reportagem feita pelo “Expresso”.

    Em Portugal são cerca de 1,5 milhões de pessoas que sofrem de dor crónica e, atualmente, a empresa tem como produto líder, ainda em desenvolvimento, um analgésico para a dor crónica, moderada ou severa, e que será uma alternativa aos medicamentos existentes, como os opióides, anti-inflamatórios ou anti-convulsantes. 

    O analgésico em desenvolvimento pela Sea4us tem origem num invertebrado marinho presente no nosso mar e que vai atuar especificamente numa proteína localizada nos gânglios neuronais situados fora da coluna vertebral e que constituem uma espécie de interruptores que ligam o sinal da dor ao cérebro.

    Segundo explicou Pedro Lima ao “Expresso”, “o modo de ação é de grande eficácia e efeitos secundários vestigiais e não é esperada qualquer habituação ou dependência, uma vez que não atua no cérebro. Estes compostos serão, posteriormente, licenciados a grandes empresas farmacêuticas, que depois os desenvolverão até à sua entrada no mercado.”

    A Sea4us é composta por um grupo de cinco investigadores, um gestor, um financeiro e uma advogada, e surge a partir da atividade científica do laboratório de Pedro Lima e da participação do programa Cohitec. Assenta em dois grandes pilares, a biologia marinha e a neurofarmacologia.

    A empresa divide-se assim em dois polos: um em Sagres, onde se desenvolvem as atividades de mergulho, e outro na NOVA Medical School/Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, onde são concretizados os testes de neuroatividade. Curiosamente, a principal atividade de procura e recolha da Sea4us situa-se num trecho de costa agora ameaçado pela prospeção de petróleo iminente no Algarve e Alentejo.

    A empresa já obteve dois vales do QREM e um projeto do PROMAR, prevendo que as candidaturas ao Portugal 2020 e INTERREG possibilitem o financiamento de todas as atividades por um período de dois a três anos.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fonte - Expresso

    Fotos - Luis Forra / Lusa

     

Tags
  • Sea4us
  • Sagres
  • Dor Crónica
  • Fotografia
    Luís Forra/Lusa
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
julho 10
Projeto TransforMAR está de regresso às praias nacionais e vai ajudar 15 IPSS
julho 10
Praia da Parede continua interdita a banhos
julho 10
Fluxo anormal de água atinge acesso da Praia de Carcavelos
julho 10
Novo fim de semana com muito calor a caminho
julho 10
Okahina, a quarta tecnologia de ondas que promete três piscinas em França
julho 09
Os banhos estão interditos na Praia da Parede
julho 10
Praia no Rio de Janeiro? Só depois de haver vacina para a Covid-19
pub