Homepage

  • Peniche Livre de Petróleo ouvido na Assembleia da República
    10 maio 2018
    arrow
    arrow
  • 'Esperamos que a subida da nossa petição a Plenário, possibilite que a Assembleia da República e o Governo possam decidir em prol de um melhor futuro para o país e para as próximas gerações'
  • O movimento cívico Peniche Livre de Petróleo, esteve hoje à tarde a ser ouvido no parlamento.

    Na sequência da entrega da Petição pelo Cancelamento dos contratos de prospecção e produção de petróleo, em terra e no mar, em toda a faixa litoral do país, de Lisboa ao Porto, os primeiros signatários foram chamados à Assembleia da República para audição. A petição foi subscrita por 6 mil pessoas.

    Na audição participaram os deputados João Torres (PS), Ângela Moreira (PCP), Margarida Balseiro (PSD), João Vasconcelos (BE) e Heitor de Sousa (BE).

    A deputada Margarida Balseiro (PSD) valorizou a entrega da petição como acto de cidadania e mostrou preocupação com as questões ambientais apresentadas, tendo adiado o posicionamento do seu Grupo Parlamentar para o debate em Plenário que ainda não tem data marcada, mas que obrigará ao posicionamento de todos os grupos parlamentares. O deputado do PS, João Torres, afirmou a sua preocupação com a necessidade de garantir a transição energética e a meta de descarbonização da economia portuguesa até 2050 para carbono neutro. A deputada Ângela Moreira afirmou que o PCP não está contra a exploração de recursos que possam possibilitar que o país evolua, mas que as questões ambientais devem ser devidamente acauteladas. Os deputados João Vasconcelos (BE) e Heitor de Sousa (BE), valorizaram o papel que os movimentos sociais têm tido em todo o país em oposição à instalação da indústria de gás e petróleo em Portugal e prometeram apresentar uma iniciativa legislativa que vá de encontro aos motivos da Petição, a ser agendada para o momento da subida a plenário da respectiva petição.

    Na audição não estiveram presentes, infelizmente, representantes dos partidos PAN, Verdes e CDS.

    Em anexo consta a intervenção de abertura, com exposição de motivos, por parte do porta-vos do Peniche Livre de Petróleo e primeiro signatário, Ricardo Vicente.

    Esperamos que a subida da nossa petição a Plenário, possibilite que a Assembleia da República e o Governo possam decidir em prol de um melhor futuro para o país e para as próximas gerações, cancelando os contratos de prospecção e produção de petróleo e preservando o ambiente.

    « Exmos. Srs. Deputados, Srª deputadas,

    Muito obrigado por nos receberem aqui hoje nesta audição sobre a petição “pelo cancelamento dos contratos de prospeção e produção de petróleo na bacia de Peniche e na bacia lusitânica”, promovida pelo movimento Peniche Livre de Petróleo. Somos os primeiros subscritores de uma petição assinada por 6 mil pessoas que se juntaram para dizer não à instalação da indústria petrolífera no nosso território. Esta petição foi lançada em Agosto e entregue na Assembleia da República em Dezembro de 2016.

    Na época estavam em vigor 6 contratos de prospecção e produção de petróleo na faixa litoral Lisboa-Porto: 4 no mar, na Bacia de Peniche, com o consórcio Repsol / Kosmos / Galp / Partex; 2 em terra, na Bacia Lusitânica, abrangendo todos os concelhos localizados entre as Caldas da Rainha e Soure. Actualmente os contratos da Bacia de Peniche não estão em vigor e sabe-se que a Galp solicitou a exclusividade de um destes contratos, designado Camarão, que se localiza entre a Figueira da Foz e o Porto. Em Terra, a empresa Australis Oil & Gas, anunciou que vai realizar o seu primeiro furo para prospecção de petróleo e gás durante o ano 2019, em Aljubarrota, concelho de Alcobaça. Está agora aberta uma consulta pública sobre a necessidade de sujeição deste processo a Avaliação de Impacto Ambiental, que, como habitual, foi pouco divulgada. Por acaso, o período de consulta pública termina amanhã.

    O que pode significar a implementação da indústria petrolífera neste local?

    Em Aljubarrota, no local de prospecção identificado no relatório da Austrális, nascem dois afluentes do Rio Alcoa, ambos da margem direita: o Rio de S. Vicente e o Rio da Ponte Jardim.

    As nascentes do Rio de S. Vicente ocupam uma parte significativa da área prevista para prospecção, e formam o referido Rio que se desenvolve no sentido Nascente-Poente, atravessando a freguesia da Maiorga nas suas principais áreas agrícolas: o vale entre a Boavista e a Maiorga, e os Campos do Valado. O rio acaba por desaguar no Rio Alcobaça próximo da localidade de Valado dos Frades, tendo alimentado ao longo do seu curso milhares de hectares de campos agrícolas. Já o Rio da Ponte Jardim, menos caudaloso, é um afluente do Rio Alcoa a montante da Cidade de Alcobaça.

    O risco de derrame de hidrocarbonetos e outros agentes químicos encontrará nestes dois rios um poderoso veículo para afectar a vida natural, agrícola e social da região. No caso do Rio de S. Vicente trata-se essencialmente da contaminação de vastas áreas agrícolas, mas no caso do Rio da Ponte Jardim, a sua contaminação poderá levar à dispersão de poluentes no Rio Alcoa atravessando a Cidade de Alcobaça e o concelho até ao mar, a Sul da Nazaré.

    A prospeção e a extracção a elevadas profundidades, traz ainda riscos adicionais para as águas subterrâneas. O concelho é habitualmente abastecido pelo sistema de Castelo de Bode, mas num quadro futuro com secas mais severas consequentes das alterações climáticas poderá ser necessário abastecer a população local a partir dos recursos hídricos subterrâneos.

    O perigo que paira em torno do concelho de Alcobaça é apenas um exemplo entre muitos, num país onde a indústria petrolífera não tem qualquer historial de produção. Um país considerado hotspot da biodiversidade mundial, um país rico em recursos naturais e com elevadíssimo potencial para produção de energias renováveis.

    Relembro os considerandos que constam da nossa petição:

    Os riscos ambientais e socioeconómicos desta atividade são muito elevados, como demonstraram os acidentes que ocorreram no Golfo do México e em Michigan, em 2010, entre muitos outros;

    Os contratos foram negociados e assinados sem consulta pública, num processo pouco transparente;

    Dado que o combate às alterações climáticas exige que 80% das atuais reservas de energia fóssil se mantenham no subsolo, os territórios sem historial petrolífero devem manter-se intocáveis, preservando recursos – Relembro a meta estabelecida pelo actual Governo, para ter um país carbono neutro até 2050;

    Portugal deve dar total prioridade à produção de energias renováveis, pois pelos seus recursos endógenos é um dos países europeus com maior potencial de produção;

    Além dos riscos sociais e ambientais que nos fazem temer pelo nosso futuro, os contratos em causa têm contrapartidas financeiras insignificantes para o Estado português.

    Não podemos aceitar e temos muita dificuldade em compreender quem o defenda, o país não tem nada a ganhar em entrar neste comboio em fim de linha. Quando o mundo começa a dar sinais de mudança rumo às energias renováveis, porque havemos nós de querer entrar neste futuro obsoleto?

    Com os serviços de ecossistema cada vez mais valorizados para o bem-estar, para o sucesso social, ambiental e económico das comunidades, o que nos leva a aceitar a destruição ambiental em Portugal e a comprometer o nosso futuro?

    Vivemos o momento em que todas as decisões ainda são possíveis. Está ao alcance de todos os deputados hoje aqui presentes e desta Comissão como um todo, propor medidas concretas que possam mudar o rumo dos acontecimentos e garantir avanços significativos do ponto de vista da preservação ambiental.

    As alterações climáticas não são uma miragem, já cá estão e fazem-se sentir. Secas mais severas e frequentes, perda de biodiversidade, mais inundações, mais eventos extremos. Impedir que as alterações climáticas destruam o mundo como o conhecemos não se trata de um assunto dos outros, tem que ver com as escolhas que cada Governo faz. Permitir a instalação desta indústria em novos territórios não contribui para a solução, só dificulta.

    Por todos estes motivos, os 6 mil peticionários da nossa petição, apelam à Assembleia da República, enquanto órgão constitucional representativo dos cidadãos portugueses, que desencadeie as ações necessárias para cancelar os contratos de Prospeção, Pesquisa, Desenvolvimento e Produção de Petróleo e suspender os trabalhos em curso na Bacia de Peniche e na Bacia Lusitânica, no mar e em terra, localizadas ao longo de toda a faixa litoral, entre Lisboa e Porto. Esta não é uma medida suficiente por si só, mas trata-se de um passo fundamental para garantir a necessária transição energética para energias limpas, para um futuro limpo. »

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fotografias e Fontes: PLP

Tags
  • Peniche Livre de Petróleo
  • Peniche
  • Petróleo
  • hidrocarbonetos
  • Sustentabilidade
  • Aquecimento global
  • Alterações climáticas
  • surf
  • petição
  • Exploração
  • Poluição
  • Lourinhã
  • Ricardo Vicente
  • Sónia Balacó
  • governo
  • Assembleia da República
pub
similar News
similar
janeiro 17
Comunidade do longboard ajuda os animais vítimas dos fogos na Austrália
janeiro 17
Agitação marítima arrasta duas pessoas na Califórnia (Vídeo)
janeiro 17
Nestlé investe 1,86 mil milhões de euros na reciclagem de plásticos
janeiro 17
Os jovens são fundamentais para a defesa dos oceanos
janeiro 10
Interferência no Canhão? João de Macedo e Everaldo Pato mostram o contrário
janeiro 16
Projeto da 'praia' ecológica no Tejo deverá ser conhecido este ano
janeiro 12
Lisboa terá uma 'praia' em pleno rio Tejo