Homepage

  • Grande barreira de coral já morreu 5 vezes
    31 maio 2018
    arrow
    arrow
  • Fonte
    Redação
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Estudo australiano refere capacidade de regeneração da Grande Barreira de Coral, que, no entanto, demora cerca de mil anos a acontecer.
  • Numa altura em que a Grande Barreira de Coral se encontra ameaçada pelas alterações climáticas e em cada vez maior desaparecimento, um novo estudo sugere que a maior estrutura viva do planeta já terá morrida e ressuscitado por 5 vezes ao longo dos últimos 30 mil anos.

    A causa dessas mortes terão sido mudanças drásticas no nível médio da água do mar, tal como está a acontecer atualmente e aconteceu por duas vezes durante a última era glacial que há registo no planeta Terra, há 22 mil anos. Esta foi a conclusão a que chegou o estudo realizado pela Universidade de Sidney. Essas duas mortes ocorreram porque o nível médio da água do mar diminuiu drasticamente, de acordo com o estudo assinado pelo biólogo Jody Webster.

    Segundo explicações à revista “New Scientist”, o facto de água ter congelado fez diminuir o nível dos oceanos e expôs a barreira à atmosfera, fazendo com que ela morresse. No entanto, a barreira ao largo da Austrália renasceu sempre das cinzas: Jody Webster desconfia que, nos primeiros milhares de anos depois dessas mortes, alguns organismos conseguiram mover-se para regiões mais profundas do oceano e voltar à vida.

    As outras três mortes acontecerem entre 17 mil e 10 mil anos atrás e, dessas vezes, já não foi o frio a causa do desaparecimento da Grande Barreira de Coral. Quando o gelo começou a derreter e a Terra saiu da era glaciar, os corais ficaram tão submersos que não conseguiam receber a luz vinda do Sol.

    Dessas três vezes, e para sobreviver, os organismos recuaram para zonas mais profundas onde pudessem estar submersos mas em regiões mais superficiais onde os raios solares conseguissem entrar. Ao fim de mil anos, a Grande Barreira do Coral conseguiu ressuscitar. Estas conclusões foram tiradas pelas cientistas depois de recolherem entre 30 e 40 metros de amostras diretamente de 16 locais distintos da Grande Barreira do Coral. 

    Atualmente 30 por cento da Grande Barreira de Coral já está morta e a tendência é para que o cenário piore a uma velocidade alucinante. Apesar de esta poder ser vista como uma boa notícia, dada a capacidade de regeneração da maior estrutura viva do planeta, não deveríamos ficar mais descansados sobre as mudanças climáticas que estamos todos a infligir no planeta.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Alterações climáticas
  • Grande barreira de coral
  • Fonte
    Redação
pub
similar News
similar
janeiro 23
Surf to Win apresenta equipa oficial para 2020
janeiro 24
Lewis Pugh é o primeiro humano a nadar sob camada de gelo na Antártida
janeiro 24
Gondomar retira das serras 3 toneladas de lixo por semana
janeiro 22
Tempestade Glória provoca ondulação inédita no Mediterrâneo
janeiro 23
Vem aí o Pacto Português para os Plásticos
janeiro 23
O ornitorrinco pode desaparecer devido à ocupação humana
janeiro 24
Austrália enfrenta praga de aranhas mortíferas