Homepage

  • Calor no mar sobe e já há novos peixes na costa
    08 maio 2018
    arrow
    arrow
  • As vagas de calor no mar aumentaram em número e em intensidade ao longo do século passado.
  • Vagas de calor nos oceanos estão há um século a aumentar. Ecossistemas mudam.

    As vagas de calor no mar aumentaram em número e em intensidade ao longo do século passado, em resultado direto do aquecimento global, revelou um estudo ontem publicado pela revista Nature Communications. Entre 1926 e 2016 a frequência de vagas de calor da água do mar aumentou 34% e a duração de cada onda de calor aumentou 17%, o que se traduz num aumento de 54% do número de dias de temperaturas acima do normal no mar em cada ano, segundo o estudo.

    O impacto nos ecossistemas já está a ser evidente. "Registou-se um aumento da temperatura média dos oceanos na camada superficial, até 700 metros de profundidade, da ordem de 1 grau celsius. No caso de Portugal há espécies de peixes que gostam de águas quentes e que aparecem agora na nossa costa, como o peixe lua", comentou ao DN Filipe Duarte Santos, especialista em alterações climáticas e professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. "Mas o aquecimento das águas pode ser uma ameaça para espécies como a sardinha ou o peixe pau, que gostam de águas mais frias".

    Notícia: Há tubarões mesmo às portas de Lisboa

    Este aquecimento contínuo das águas do mar há um século está a fazer com que, em determinados dias do ano, o Oceano Atlântico possa fazer lembrar o Mar Mediterrâneo com as suas águas cálidas. "Não é necessariamente negativo para a pesca. Podem vir para a nossa costa espécies de peixes de águas mais quentes que até sejam economicamente mais rentáveis", observa Filipe Duarte Santos.

    Consequências a todos os níveis

    O estudo publicado na Nature Communications também "descobriu que desde 1982 houve um assinalável aumento da tendência de vagas de calor marinhas",disse o principal autor do estudo, Eric Oliver, da Universidade de Dalhousie, Canadá. "Se bem que podemos desfrutar das águas quentes quando vamos à praia, essas ondas de calor têm impactos significativos nos ecossistemas, biodiversidade, pesca, turismo e aquacultura. Há muitas consequências económicas profundas que andam de mão dada com esses eventos", sublinhou.

    O estudo foi feito por investigadores do ARC - Centro de Excelência para os Extremos Climatéricos, um consórcio que junta cinco universidades australianas e uma rede de organizações da Austrália e de outros países, e o Instituto de Estudos Marinhos e Antárticos, um centro de investigação da Universidade da Tasmânia, também na Austrália. Os investigadores usaram dados fornecidos por satélite e outros recolhidos por navios e estações de medição terrestre.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Foto: Scoop Fonte: DN

Tags
  • calor
  • mar
  • oceano
  • temperaturas
  • Aquecimento global
  • Alterações climáticas
  • natureza
  • Habitat Natural
  • peixes
  • animais
  • animais marinhos
  • Vida Animal
  • portugal
  • Nature Communications
pub
similar News
similar
novembro 19
Mais de duas toneladas de plástico recolhido durante o verão
novembro 19
Ondas grandes devem regressar amanhã à Nazaré
novembro 20
Gelo pode desaparecer do Ártico dentro de 25 anos
novembro 18
Nic von Rupp nomeado para os Surfer Awards de 2019
novembro 20
Videovigilância irá proteger os cavalos-marinhos da Ria Formosa
novembro 20
Praia na Sardenha passará a ser paga e com lotação limitada
novembro 20
Martim Paulino conquista o título nacional de esperanças Sub-16