Homepage

powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • A equipa descobriu que a passagem dos animais produzia volumes significativos de correntes oceânicas por onde quer que fossem.
  • Uma investigação recente, concluiu que pequenos organismos marinhos podem desempenhar um papel significativo nas correntes oceânicas.

    Cientistas demonstraram agora que algumas das menores criaturas do oceano podem ter um impacto descomunal nas ondas do oceano, com enxames de organismos marinhos a produzir inadvertidamente correntes poderosas que misturam e agitam o ambiente submarino.

    O estudo foi publicado na passada quarta-feira na revista Nature.

    “Organismos marinhos podem desempenhar um papel significativo nas correntes oceânicas – uma ideia que tem sido quase herética na oceanografia”, explica o engenheiro de mecânica de fluidos John Dabiri, da Universidade de Stanford.

    “Neste momento, muitos dos nossos modelos climáticos oceânicos não incluem o efeito dos animais, nem sequer se são participantes passivos no processo.” Mas o pensamento por trás dessa exclusão é compreensível.

    As criaturas que a equipa de Dabiri investigou – como por exemplo, o camarão de água salgada – são ridiculamente pequenas. Então, como é que estes insignificantes zooplânctons conseguem agitar o oceano?

    Os enxames migram diariamente em colunas verticais, alimentando-se à superfície do oceano durante noite, antes de recuar centenas de metros de profundidade durante o dia. “Todos os dias, há uma migração verticalmente maciça de (literalmente) biliões de organismos”, disse Dabiri à NPR.

    Quando estes organismos “nadam para cima”, cada um deles empurra um pouco de fluido para trás. Desta forma, a água é empurrada para baixo dessa sucessiva série de empurrões.

    Para medir os efeitos deste efeito bola de neve, a equipa colocou o camarão de água salgada em tanques verticais cheios de água salgada e induziu as migrações dia/noite dos animais para cima e para baixo, através de luzes que imitavam a ascensão e a queda da luz solar.

    Os investigadores filmaram o fluxo de água com o auxílio de corantes e pequenas contas de vidro que os ajudaram a visualizar a força dos redemoinhos gerados pelos enxames. Nas filmagens, a equipa descobriu que a passagem dos animais distribuía água em regiões pequenas e localizadas, e produzia volumes significativos de correntes oceânicas por onde quer que fossem.

    Até agora, estes efeitos só foram demonstrados em laboratório, mas se a mesma coisa estiver a acontecer no mundo real, biólogos e oceanógrafos terão de repensar como é que a vida marinha contribui para a turbulência dos oceanos.

    Os efeitos de agitação podem ter um impacto significativo na forma como avaliamos fenómenos como o transporte de nutrientes submersos, e como o dióxido de carbono é distribuído debaixo de água e lançado para a atmosfera.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fonte: ZAP.aeiou

Tags
  • correntes
  • oceano
  • mar
  • insetos
  • insectos
  • organismos marinhos
  • nature
  • estudo
similar News
similar
janeiro 31
Surf adaptado mantém bem vivo sonho da inclusão nos Jogos Paralímpicos de Los Angeles'2028
fevereiro 01
Índia vai estrear-se no Mundial ISA e já sonha com Paris’2024
janeiro 31
Comunicado da FPS sobre o projeto 'Gestão do Espaço Costeiro'
janeiro 31
Luke Shepardson, o vencedor improvável do Eddie Aikau que passou a ter um dia no Havai com o seu nome
janeiro 31
Ondas da Praia da Vigia consagraram campeões do Circuito Sealand Santa Cruz 2022
janeiro 30
Validade da certificação dos nadadores-salvadores prorrogada até ao final de 2023
janeiro 30
Conhecido calendário dos circuitos regionais de bodyboard para 2023