Homepage

  • Querem explorar energias fósseis em Fátima e Aljubarrota!
    04 abril 2018
    arrow
    arrow
  • De salientar que esta medida vai contra a linha de pensamento dos Portugueses e contra a própria vontade do Papa Francisco.
  • Até parece a gozar. Mas há uma empresa Australiana quer explorar energias fósseis em Fátima e Aljubarrota.

    Como temos anunciado há já algum tempo, a zona oeste de Portugal e nomeadamente em Fátima, Ourém, encontra-se entre os locais autorizados pelo Estado para prospeção de gás de xisto, um gás natural que permite produzir petróleo, pela empresa australiana de gás e petróleo Australis.

    Na reunião camarária de Ourém de segunda-feira, 2 de abril, confrontado com a situação por um “porta-voz” de um movimento contra o “fracking”, técnica de exploração polémica porque traz riscos de contaminação de água e ambientais, o presidente Luís Albuquerque afirmou que tinha tomado conhecimento da situação pela comunicação social e que não havia entrado até àquele dia nada nos serviços municipais.

    De salientar que esta medida vai contra a linha de pensamento dos Portugueses, que enviaram 42 (quarenta e duas) mil objecções contra a exploração petróleo e 4 (quatro) a favor, do Governo que assinou acordos de redução e emissão de CO2 na COP 21 em 2015, contra a linha mundial de abandonar este tipo de exploração de energia e contra a própria vontade do Papa Francisco, que já se manifestou publicamente muitas vezes contra este tipo de atentados.

    O Papa deu-se inclusivamente ao trabalho de escrever um documento de 180 páginas de como isso é prejudicial para todos.

    A notícia foi avançada inicialmente em dezembro pelo Jornal de Leiria. Em 2015, no final do governo de Passos Coelho, o Estado firmou com a Australis contratos de concessão para pesquisa e produção de petróleo em 11 concelhos, entre a Figueira da Foz e o Santuário de Fátima. Um dos temas que levanta mais polémica e contestação entre os ambientalistas é a possibilidade de se recorrer ao “fracking”, uma ténica de prospeção que traz riscos de contaminação da água e do ambiente.

    A 27 de março o Expresso online avançou que a Australis prevê iniciar em 2019 uma perfuração do subsolo na freguesia de Aljubarrota, concelho de Alcobaça, Leiria, para tentar encontrar gás em volumes comercialmente relevantes. Segundo refere a mesma notícia, a empresa autraliana enviou um plano de trabalhos à Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC), assim como um estudo de cariz ambiental para que a ENMC e a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) possam determinar se a perfuração em Aljubarrota deve ou não ser sujeita a uma avaliação de impacto ambiental.

    O relatório resultante está em consulta pública até dia 11 de maio e dá conta de uma perfuração a realizar durante 2019, recorrendo a um furo de 3200 metros na vertical, seguido de uma outra perfuração na horizontal com um alcance de 300 a 700 metros. Estes trabalhos deverão durar dois a três meses e envolver, desde a sondagem até à perfuração, perto de uma centena de pessoas.

    Na reunião camarária pública de 2 de abril, Bruno Reis, que se definiu como porta-voz de um grupo de pessoas preocupado com a exploração do gás de xisto, pediu ao executivo uma posição quanto ao problema, alertando para os efeitos destrutivos do “fracking”, nomeadamente na atividade sísmica e o impacto que a poluição dos lençóis de água e ambiental pode trazer para a qualidade de vida da população e o turismo de Fátima em particular.

    Questionou ainda como se irá gerir o lixo radioativo. “A exploração de gás de xisto não vai enriquecer a região, vai destruí-la”, afirmou.

    Salientando que Portugal devia estar a apostar nas energias renováveis e não em gás de xisto, referiu que vai decorrer uma ação contra a exploração ainda neste mês de abril.

    Notícia: Parecer negativo para o furo de petróleo no Algarve

    Gás de xisto é um gás natural que se encontra no interior de um tipo poroso de rocha sedimentar, chamado xisto argiloso. Possui a mesma composição química do petróleo, porém o seu invólucro e modo de produção é diferente. Para perfurar é necessário recorrer a uma técnica de fraturamento hidráulico, que envolve vários produtos químicos – o tal “fracking” – e que possui um risco elevado de contaminação de lençóis freáticos.

    Luís Albuquerque referiu que até àquele momento não havia entrado nada na Câmara sobre o tema e o município só se poderá pronunciar nessa situação. “Não temos conhecimento de nada a fazer no concelho de Ourém”, afirmou.

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fotomontagem: Beachcam/NiT

    Fonte: MedioTejo

Tags
  • fátima
  • aljubarrota
  • Exploração
  • hidrocarbonetos
  • Gás Natural
  • xisto
  • fracking
  • Petróleo
  • Descarbonização
  • Alterações climáticas
  • crime ambiental
  • pombal
  • leiria
  • batalha
  • Australis oil & gas
  • portugal
  • turismo de portugal
  • Agência Portuguesa do Ambiente
  • santuário
  • papa
  • Papa Francisco
  • ourém
pub
similar News
similar
julho 10
Projeto TransforMAR está de regresso às praias nacionais e vai ajudar 15 IPSS
julho 10
Praia da Parede continua interdita a banhos
julho 10
Fluxo anormal de água atinge acesso da Praia de Carcavelos
julho 10
Novo fim de semana com muito calor a caminho
julho 10
Okahina, a quarta tecnologia de ondas que promete três piscinas em França
julho 09
Os banhos estão interditos na Praia da Parede
julho 10
Praia no Rio de Janeiro? Só depois de haver vacina para a Covid-19
pub