Homepage

  • Furo de petróleo da Eni/Galp volta ao tribunal!
    27 abril 2018
    arrow
    arrow
  • O furo de petróleo na bacia do Alentejo volta a ser alvo de um processo na justiça.
  • O furo de pesquisa de petróleo da Eni/Galp volta a ser contestado na justiça, com o Estado e o Governo a serem os alvos da acção. Este processo tenta uma nova abordagem para tentar travar o furo que poderá avançar ainda durante este ano.

    O furo de petróleo na bacia do Alentejo volta a ser alvo de um processo na justiça. Até agora, várias entidades tentaram providências cautelares para travar a perfuração que vai avaliar se existe, e em que quantidade, petróleo no mar português. Mas a Associação de Surf e Actividades Marítimas do Algarve (ASMAA, na sigla em inglês) adoptou uma nova estratégia, ao  avançar com uma acção administrativa contra o furo do consórcio Eni/Galp no tribunal de Loulé no início de Abril.

    "Esta acção tem como objectivo questionar a legalidade da lei na qual está baseado o contrato da Eni/Galp. Do nosso ponto de vista, esta lei é inconstitucional", disse ao Negócios Joe Stokes, membro da ASMAA. "Quando houver algo planeado [em relação ao furo] podemos avançar para uma providência cautelar. O nosso objectivo é parar o furo", explicou Joe Stokes.

    A acção da ASMAA tem vários alvos: Estado português, Ministérios da Economia, do Ambiente e do Mar, Direcção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) e a Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC). A Eni é a operadora do consórcio, com 70%, com a Galp a deter 30%. Ambas as empresas são citadas como contra-interessadas nesta acção. Contactados pelo Negócios, os Ministérios da Economia, do Mar, e do Ambiente, assim como a Galp, rejeitaram comentar o processo.
    Nas manifestações já se começam a ver cartazes a questionar a posição de algumas entidades públicas.

    Outra das entidades que já interpôs uma providência cautelar em 2017 para tentar travar o furo foi a Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP). Esta associação diz que o Governo apresentou este ano uma "resolução fundamentada" ao tribunal de Loulé, o que permite à empresa poder continuar a realizar os trabalhos, sem a interferência judicial, segundo Manuel Vieira, da PALP.  A associação diz que já pediu ao Governo e ao tribunal para aceder a esta resolução fundamentada, mas sem sucesso.

    Além dos processos da ASMAA e da PALP, outras entidades também avançaram anteriormente com providências cautelares para tentar travar o furo de Aljezur. A AMAL  – Comunidade Intermunicipal do Algarve, associação que reúne os municípios da região, submeteu uma providência cautelar em 2016, enquanto a autarquia de Odemira avançou para tribunal em  2017. O Negócios questionou as entidades sobre estes processos, mas não obteve respostas em tempo útil.

    O presidente da Galp, Carlos Gomes da Silva, já confessou estar "baralhado" com o número de providências cautelares que têm dado entrada nos tribunais contra o furo. "Há uma  figura no direito que se chama o abuso de direito", disse o gestor em Julho de 2017.

    Sobre o furo em si, o consórcio Eni/Galp garante que está preparado para fazer o furo de petróleo no mar do Alentejo a partir de Setembro deste ano. "A data de início da perfuração está estimada entre o fim do terceiro trimestre e o início do quarto trimestre de 2018. A duração das actividades de perfuração está estimada em 46 dias", segundo um documento submetido pela Eni a consulta pública.

    Debaixo do mar do Alentejo podem estar entre 1.000 milhões a 1.500 milhões de barris de petróleo, o equivalente ao consumo nacional de petróleo durante um período de 11 a 17 anos, segundo os estudos do consórcio GALP e ENI, citados pelo Expresso. Esta notícia já foi desmentida por diversos economistas.

    Consulta pública já terminou

    A APA, Agência Portuguesa do Ambiente, tem agora até meados de Maio para decidir se o furo vai ser avaliado ambientalmente.

    Consulta pública
    O furo de pesquisa da Eni/Galp em Aljezur foi submetido a consulta pública durante 30 dias úteis entre 5 de Março e 16 de Abril. Segundo o documento submetido pela Eni neste processo, o consórcio pretende "avaliar a presença de hidrocarbonetos na área". Após esta avaliação, "independentemente do resultado, o furo será selado com cimento e permanentemente abandonado".

    Avaliação ambiental?
    Terminada a consulta pública a 16 de Março, a Agência Portuguesa do Ambiente tem o prazo de 20 dias úteis, até meados de Maio, para decidir se o furo de pesquisa da Eni/Galp vai ser sujeito a avaliação de impacte ambiental.

    Furo em setembro
    A Eni/Galp já demonstraram a sua vontade em furar na bacia do Alentejo a partir de Setembro. "A data de início da perfuração está estimada entre o fim do terceiro trimestre e o início do quarto trimestre de 2018. A duração das actividades de perfuração está estimada em 46 dias", segundo o documento da consulta pública. A Eni acredita que este furo "poderá ajudar a equilibrar as necessidades energéticas de Portugal".

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fotos: AP, CA, SM Fonte: JN

Tags
  • Exploração
  • Petróleo
  • hidrocarbonetos
  • Dióxido de Carbono
  • Poluição
  • mar
  • praias
  • praia
  • aljezur
  • galp
  • eni
  • crime ambiental
  • Agência Portuguesa do Ambiente
  • apa
  • asmaa
  • surf
  • turismo
  • portugal
  • ilegal
  • Tribunal
  • providência cautelar
  • alentejo
  • Algarve
  • Parque Natural do SW Alentejano e Costa Vicentina
pub
similar News
similar
março 30
Camada de ozono acima da Antártida está a recuperar e já travou mudanças preocupantes
março 30
Erupção do vulcão Merapi lança cinzas a 5 mil metros de altura (Vídeo)
março 30
COI mantém qualificação de Tóquio’2020 para 2021
março 30
Clube de Surf de Faro lança Surf & Fitness em Casa
março 30
Empresários de Cascais lançam iniciativa que pode ajudar as escolas de surf
março 30
Municípios de Albufeira e Loulé condicionam acesso às praias
março 30
Alex Botelho concede primeira entrevista após acidente na Nazaré