Homepage

  • Furo de petróleo da Eni/Galp volta ao tribunal!
    27 abril 2018
    arrow
    arrow
  • O furo de petróleo na bacia do Alentejo volta a ser alvo de um processo na justiça.
  • O furo de pesquisa de petróleo da Eni/Galp volta a ser contestado na justiça, com o Estado e o Governo a serem os alvos da acção. Este processo tenta uma nova abordagem para tentar travar o furo que poderá avançar ainda durante este ano.

    O furo de petróleo na bacia do Alentejo volta a ser alvo de um processo na justiça. Até agora, várias entidades tentaram providências cautelares para travar a perfuração que vai avaliar se existe, e em que quantidade, petróleo no mar português. Mas a Associação de Surf e Actividades Marítimas do Algarve (ASMAA, na sigla em inglês) adoptou uma nova estratégia, ao  avançar com uma acção administrativa contra o furo do consórcio Eni/Galp no tribunal de Loulé no início de Abril.

    "Esta acção tem como objectivo questionar a legalidade da lei na qual está baseado o contrato da Eni/Galp. Do nosso ponto de vista, esta lei é inconstitucional", disse ao Negócios Joe Stokes, membro da ASMAA. "Quando houver algo planeado [em relação ao furo] podemos avançar para uma providência cautelar. O nosso objectivo é parar o furo", explicou Joe Stokes.

    A acção da ASMAA tem vários alvos: Estado português, Ministérios da Economia, do Ambiente e do Mar, Direcção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) e a Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC). A Eni é a operadora do consórcio, com 70%, com a Galp a deter 30%. Ambas as empresas são citadas como contra-interessadas nesta acção. Contactados pelo Negócios, os Ministérios da Economia, do Mar, e do Ambiente, assim como a Galp, rejeitaram comentar o processo.
    Nas manifestações já se começam a ver cartazes a questionar a posição de algumas entidades públicas.

    Outra das entidades que já interpôs uma providência cautelar em 2017 para tentar travar o furo foi a Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP). Esta associação diz que o Governo apresentou este ano uma "resolução fundamentada" ao tribunal de Loulé, o que permite à empresa poder continuar a realizar os trabalhos, sem a interferência judicial, segundo Manuel Vieira, da PALP.  A associação diz que já pediu ao Governo e ao tribunal para aceder a esta resolução fundamentada, mas sem sucesso.

    Além dos processos da ASMAA e da PALP, outras entidades também avançaram anteriormente com providências cautelares para tentar travar o furo de Aljezur. A AMAL  – Comunidade Intermunicipal do Algarve, associação que reúne os municípios da região, submeteu uma providência cautelar em 2016, enquanto a autarquia de Odemira avançou para tribunal em  2017. O Negócios questionou as entidades sobre estes processos, mas não obteve respostas em tempo útil.

    O presidente da Galp, Carlos Gomes da Silva, já confessou estar "baralhado" com o número de providências cautelares que têm dado entrada nos tribunais contra o furo. "Há uma  figura no direito que se chama o abuso de direito", disse o gestor em Julho de 2017.

    Sobre o furo em si, o consórcio Eni/Galp garante que está preparado para fazer o furo de petróleo no mar do Alentejo a partir de Setembro deste ano. "A data de início da perfuração está estimada entre o fim do terceiro trimestre e o início do quarto trimestre de 2018. A duração das actividades de perfuração está estimada em 46 dias", segundo um documento submetido pela Eni a consulta pública.

    Debaixo do mar do Alentejo podem estar entre 1.000 milhões a 1.500 milhões de barris de petróleo, o equivalente ao consumo nacional de petróleo durante um período de 11 a 17 anos, segundo os estudos do consórcio GALP e ENI, citados pelo Expresso. Esta notícia já foi desmentida por diversos economistas.

    Consulta pública já terminou

    A APA, Agência Portuguesa do Ambiente, tem agora até meados de Maio para decidir se o furo vai ser avaliado ambientalmente.

    Consulta pública
    O furo de pesquisa da Eni/Galp em Aljezur foi submetido a consulta pública durante 30 dias úteis entre 5 de Março e 16 de Abril. Segundo o documento submetido pela Eni neste processo, o consórcio pretende "avaliar a presença de hidrocarbonetos na área". Após esta avaliação, "independentemente do resultado, o furo será selado com cimento e permanentemente abandonado".

    Avaliação ambiental?
    Terminada a consulta pública a 16 de Março, a Agência Portuguesa do Ambiente tem o prazo de 20 dias úteis, até meados de Maio, para decidir se o furo de pesquisa da Eni/Galp vai ser sujeito a avaliação de impacte ambiental.

    Furo em setembro
    A Eni/Galp já demonstraram a sua vontade em furar na bacia do Alentejo a partir de Setembro. "A data de início da perfuração está estimada entre o fim do terceiro trimestre e o início do quarto trimestre de 2018. A duração das actividades de perfuração está estimada em 46 dias", segundo o documento da consulta pública. A Eni acredita que este furo "poderá ajudar a equilibrar as necessidades energéticas de Portugal".

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf! 

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fotos: AP, CA, SM Fonte: JN

Tags
  • Exploração
  • Petróleo
  • hidrocarbonetos
  • Dióxido de Carbono
  • Poluição
  • mar
  • praias
  • praia
  • aljezur
  • galp
  • eni
  • crime ambiental
  • Agência Portuguesa do Ambiente
  • apa
  • asmaa
  • surf
  • turismo
  • portugal
  • ilegal
  • Tribunal
  • providência cautelar
  • alentejo
  • Algarve
  • Parque Natural do SW Alentejano e Costa Vicentina
pub
similar News
similar
janeiro 21
Potente gás com efeito de estufa está a aumentar na atmosfera
janeiro 21
Portugueses desenvolvem tecnologia para detetar lixo marinho
janeiro 21
Vila Real quer plantar um milhão de árvores em 2020
janeiro 21
China vai proibir os sacos de plástico nas principais cidades
janeiro 21
A grande estrela do Super Bowl rejeitou ser surfista profissional
janeiro 20
Mick Fanning em documentário da Nat GEO sobre tubarões
janeiro 20
Tomás Lacerda faz história com triunfo em importante prova de SUP