Homepage

  • O valor económico do turismo de surf na Ericeira
    01 fevereiro 2018
    arrow
    arrow
  • Actualmente, o surf representa um motor económico global, valendo biliões de euros por ano.
  • Em Setembro do ano passado, a conceituada web revista AZUL Ericeira Mag, havia publicado um artigo sobre a tese de mestrado, na área do Turismo de Surf, que estava a ser desenvolvida por Catarina Moura, aluna da Universidade da Aveiro. Esse projecto de investigação académica, que tinha como finalidade avaliar o valor económico do turismo de surf na região da Ericeira, foi recentemente defendido, tendo merecido a nota de 18 valores.

    O texto sobre “O valor económico do turismo de surf na Ericeira” que apresentamos de seguida, com autoria de Catarina Moura, representa uma mistura das conclusões de cada capítulo da referida dissertação (com um total de 160 páginas) e respectivas considerações finais.

    Actualmente, o surf representa um motor económico global, valendo biliões de euros por ano.

    Mais do que um desporto, o surf é um estilo de vida. Portugal, um país intrinsecamente ligado ao mar, tem um número cada vez maior de fãs e praticantes deste desporto, proporcionando ao longo dos anos mais e melhores condições para os nativos e estrangeiros o aproveitarem ao máximo. Esse é o caso da Ericeira – uma pequena vila de pescadores situada a 30 minutos de Lisboa -, galardoada como Reserva Mundial do Surf, em 2011, registando desde então uma procura turística nunca antes vista.

    "A Ericeira é, inseparavelmente, mar."

    A Ericeira é, inseparavelmente, mar. Dada a sua particularidade, desde a qualidade e consistência das ondas à variedade de surf breaks, esta vila piscatória afirma-se cada vez mais como uma meca do surf internacional.

    Esta investigação teve como objectivo principal fornecer alguns inputs sobre o valor económico directo do turismo de surf para a vila da Ericeira. Para isso, procurou-se determinar os padrões de despesas dos turistas praticantes de surf, durante a sua estadia numa das mecas de surf de Portugal. Este trabalho, para além da vertente económica, visou também compreender o perfil do praticante de surf que visita esta localidade, mais precisamente as suas características sociodemográficas, motivações, benefícios obtidos, comportamento de viagem e avaliação do destino.

    A fim de atingir o objectivo desta investigação foi adoptada uma metodologia quantitativa, recorrendo-se à utilização do inquérito por questionário, aplicado aos praticantes de surf que se deslocaram, em 2017, à Ericeira, para a prática do surf. Através dos dados obtidos, concluiu-se que os inquiridos têm, em média, 28 anos, maioritariamente solteiros, mais de um terço apresenta formação superior e a maioria tem um rendimento mensal entre os 600 e os 1200 euros.

    Analisando as despesas realizadas em actividades culturais e recreativas, alimentação e bebidas, alojamento, aluguer de material de surf, aulas de surf, compras/souvenirs e transportes/deslocações, dos praticantes de surf que se deslocaram à Ericeira, constata-se que durante o ano de 2017 foram injectados milhares de euros na economia regional. Foram encontrados alguns inputs que influenciam, directamente, as despesas dos praticantes de surf, que poderão ser analisados pelas entidades locais de modo a maximizar as receitas geradas pelos três segmentos identificados. E, consecutivamente, pelas entidades nacionais, de forma a impulsionar a oferta turística nacional.

    "As despesas com maior impacto são o alojamento, a alimentação/bebidas e os transportes/compras"

    As categorias de despesa, por pessoa, com maior percentagem estrutural na região da Ericeira são o alojamento (36,79%), a alimentação e bebidas (29,14%) e os transportes/compras (16,17%). Sendo assim, verifica-se que a despesa total por pessoa, em média, no destino é de 645,31 euros. No entanto, pormenorizando, por noite, o gasto total, em média, é de 119,54 euros. Estes resultados vêm comprovar a potencialidade da região da Ericeira enquanto meca do surf internacional e promotor turístico de um património único, que é a Ericeira Reserva Mundial de Surf.

    "65,4% dos inquiridos encontram-se muito satisfeitos com a viagem realizada à Ericeira"

    Um aspecto que urge salientar diz respeito à probabilidade de regresso (73,2%) e recomendação a amigos e/ou família, por parte dos inquiridos (81%). Os resultados indicam que 65,4% dos inquiridos encontram-se muito satisfeitos com a viagem realizada à Ericeira. Um outro dado interessante concerne aos resultados obtidos relativamente ao número de vezes que os inquiridos se deslocaram à Ericeira em 2017, visto que, em média, visitaram a Ericeira 4,5 vezes, mais propriamente no Verão e na Primavera.

    Nas últimas décadas, dado o desenvolvimento sustentado do turismo de surf, o caso da Ericeira não foge à regra, demonstrando-se bastante relevante em relação a este tipo de turismo, que tem tendência a crescer, de ano para ano.

    É necessário atentar em cada uma das categorias de despesa estudadas na presente dissertação, uma vez que cada uma assume um impacto local robusto na economia regional.

    "o surf pode constituir um motor de dinamização económica"

    Os resultados obtidos nesta investigação, para além de um enriquecimento pessoal, permitem objectivar o enorme potencial que o turismo de surf representa não só para a região em estudo mas para todo o país. Isto significa que o surf pode constituir um motor de dinamização económica para Portugal, capaz de proporcionar uma competitividade diferenciadora em relação aos restantes países da Europa, conforme esta investigação concluiu.

    Assim, compreende-se que o presente estudo permita melhorias da oferta turística regional, contribuindo, positivamente, para o aperfeiçoamento do serviço dos agentes privados e públicos. Ou seja, através do padrão de despesas estabelecido e do perfil sociodemográfico do praticante de surf que visitou a Ericeira no ano de 2017, a restauração, as unidades hoteleiras, o comércio e as escolas de surf podem aproveitar esses dados para captar novos fluxos turísticos, produzir mais receita e criar novos postos de trabalho, aumentando a notoriedade da região.

    Compreendendo que nunca se realizou um estudo acerca do valor económico do turismo de surf na região da Ericeira, sendo esta a única Reserva Mundial de Surf na Europa, esta investigação contribui para a criação de um conjunto de informação relativa aos praticantes de surf que a visitam e, consequentemente, traça algumas das potencialidades percepcionadas pela população em estudo, o que poderá ser interessante para o município de Mafra. Os resultados obtidos podem impulsionar a implementação de mais campeonatos nacionais e, quiçá, internacionais e para além de melhorar o relacionamento do ambiente com o desenvolvimento turístico- económico, contribui para o posicionamento de Portugal como país Atlântico.

    Descubram mais sobre a AZUL Ericeira Mag

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fonte e Fotografia: AZUL

Tags
  • Ericeira
  • AZUL
  • Ericeira Mag
  • Estudo
  • Economia
  • Surf
  • Mafra
  • Bodyboard
  • Desporto
  • Sustentabilidade
  • Turismo
  • região
  • Natureza
pub
similar News
similar
setembro 25
Projeto 'The Unwanted Shapes' vai estar presente no MEO Portugal Cup of Surfing
setembro 24
Projeto de salvamento aquático da AESDP e ISN a caminho de Sagres
setembro 25
Guincho vai receber o Campeonato Nacional de Kitesurf da FPKite
setembro 25
Equipa lusa do The Climate Reality Project promove ação de limpeza de praias
setembro 25
Primeira fim de semana de outono terá sol e pequena subida de temperatura
setembro 27
Vasco Ramalheira, da prancha dividida na Costa Nova aos Jogos Olímpicos de Tóquio
setembro 25
Dezenas de portugueses na luta pelo título europeu júnior em Espinho
pub