Homepage

  • Português bate novo Recorde Mundial na Nazaré
    05 dezembro 2017
    arrow
    arrow
  • Mais um recorde Mundial conquistado na Nazaré, mas desta vez por um atleta Português
  • No dia 8 de Novembro de 2017 a Praia do Norte foi palco de um espetáculo de proporções épicas, que deu direito a diversas nomeações para os XXL Awards.

    Uma das pessoas que por lá andou, deixando estupefacto quem por lá andava a observar o espetáculo no local, ou através da nossa transmissão em direto, foi o Nuno Figueiredo.

    Foram momentos stressantes, mas também de coragem, de superação e camaradagem marcaram este dia especial, que tão cedo ninguém esquecerá.

    Quando chegou ao “pico do canhão da Nazaré” deixou toda a gente incrédula e o que se viu a seguir foi completamente alucinante, desde impressionantes e intermináveis voos, aos drops de ondas que se revelavam autênticas montanhas de água. Mas Nuno aka “Stru” estava lá com um objetivo bem definido, conquistar o recorde Mundial para a maior onda alguma vez apanhada de Kitesurf.

    O kitesurfer já acumulava uma mão cheia de prémios, entre eles o de tri-campeão nacional de kitewave em 2010/13/14, o 1º lugar na KiteCup Nazaré XXL wave contest em 2011, ou ainda o 2º lugar no PKRA (Professional Kiteboard Riders Association) de 2013.

    Com base na informação recolhida no local pelo Kitesports World Records Committee (KWRC) a avaliação resultou numa medição entre os 18 a 19 metros, que em conjunto com a FHM (Faculdade de Motricidade Humana pertencente à Universidade de Lisboa) validou o recorde do mundo com um valor final de 19 metros (63 pés), tornando assim esta tentativa, na maior onda de sempre apanhada em Kitesurf.

    Estivemos à conversa com o Nuno Stru, que nos explicou como foi este dia.

    Beachcam- Como te preparas para um desafio destes, tanto a nível físico e psicológico como também de material?

    Venho-me preparando para esta sessão já há 3 anos. Quando fui à Nazaré pela primeira vez já tinha feito uma preparação especial, fiz o curso de tow-in na towrider e vi muito bem o que poderia acontecer, ao nível de resgate e segurança e também aderi ao método DeRose - uma filosofia de yoga com uma componente de respiração e psicológica grande. Além da componente mental, existe uma parte física, nomeadamente a parte da elasticidade, pois sempre fiz surf, Kitesurf faço, também SUP. Estou sempre muito ativo e às vezes falta a parte dos alongamentos, um trabalho mais específico, e isso ajudou-me muito. Ao nível do material, tive de trazer um equipamento específico para poder fazer este tipo de ondas, para isso tive o apoio da P-Unit Surfboards, que fez uma prancha fabulosa para estas condições, foi um mix de prancha de tow-in com uma prancha de kite. Mais pesada, mais estreita, mais vocacionada para ondas gigantes. O material é super importante, tive de desenvolver coletes especiais para mim, porque não podia ter nada à volta do meu arnês. Os coletes foram feitos em casa, mesmo “home made” Stru Prductions (risos).

    BC- Como analisas o swell, onde vês as previsões?

    Fiz o curso de resgate de mota de água com a towrider e vejo as previsões no windguru como toda a gente, acho eu. Claro que há que saber ler bem as previsões, como o tamanho e direção do swell e igualmente importante o vento e basicamente perceber o que acontece na Praia do Norte. É uma Praia única no Mundo, que tem ali uma montanha que influencia de uma maneira enorme o vento, pois tem um efeito de aceleramento se o vento estiver num certo grau. É impressionante pois no início da praia o vento é onshore e no fim da praia é sideoff, isto claro dependendo da direção do vento. Portanto, é um sítio muito especial, cheguei a passar lá diversos dias, a surfar e a estudar os ventos para melhor perceber o local.

    BC- Quando vais para lá, estás sozinho, ou tens alguma equipa contigo? Spoter, mota de água?

    Da primeira vez fui com o apoio do Sérgio Cosme. Ou melhor, devia começar por responder que quando vou para lá, nunca estou sozinho, tenho um grande amigo de há muitos anos, que por coincidência é uma das pessoas mais influentes da Praia do Norte, que é o Jorge Leal (aka Polvo). É a pessoa que está sempre no sítio certo e na hora certa, na parte de filmar, e é curioso, pois as equipas que estão com ele curiosamente ganham sempre a melhor onda do ano. Por alguma razão isso acontece, porque ele sabe realmente ler muito bem a Praia do Norte e, por coincidência do destino, foi o meu braço direito em todas as sessões. Na primeira vez ajudou-me com o rádio e dentro de água o Sérgio. Conseguimos fazer um bom trabalho e carimbar desta forma o título de primeiro kitesurfer na Nazaré. Mas não foi suficiente, como se pode perceber. A onda foi grande, foi gigante, mas havia aquela dúvida do pessoal de Jaws, que também surfava ondas grandes e uma onda diferente, e, pronto, aquela satisfação foi momentânea e continuei à procura do swell épico, que considero ter sido esta quarta-feira. Foi um swell de 4,2 metros com um período de 18. É épico! Isto acontece uma vez se calhar de 5 em 5 anos e, ainda por cima, a direção do vento estava perfeita, ou seja uma combinação espetacular de 3 fatores distintos.

    Desta vez, ia ter o apoio do Andrew Cotton, mas como é do conhecimento de todos o Cotty teve um problema grave após uma queda aparatosa, nessa mesma manhã de quarta-feira. Liguei nessa mesma manhã ao Jorge Leal a perguntar se estava tudo ok, ao que ele me respondeu que o Cotty tinha ido para o hospital, que o mar estava muito agressivo e que as coisas estavam um bocado complicadas. Claro que depois de vários anos de preparação e estando psicologicamente super motivado para ir para dentro de água, ouvir isto nunca é muito bom. De qualquer forma liguei ao Rafael Tapia, que estava com o Nuno Violino e perguntei-lhe: ‘então como é que é, está tudo bem?’ E a resposta dele foi: ‘Nuno, acabei de apanhar a maior porrada da minha vida, isto está completamente gnarly. Você tem a certeza que vai entrar?’ Eu disse: ‘Oh pah, se me deres um apoio, eu só estou à espera que o vento aumente um bocadinho e vou lá para dentro. Se puderes dá aí uma olhadela’. Ao que Rafael respondeu: ‘Então bora, mas tem cuidado que isto está mesmo gnarly, está mesmo do piorio’ (risos do Nuno). E, pronto, mentalizei-me. Mesmo com tantos obstáculos, nada me iria impedir de fazer o que eu estava ali para fazer.

    Na minha cabeça tinha quarto etapas: primeiro passar as ondas a 4 km da Praia do Norte, mesmo assim estavam ondas com 4 a 5 metros nos sets, nada que não conseguisse fazer com o apoio da minha prancha. Com os straps, conseguia saltar por cima das ondas, esperar pelo momento certo e começar a minha descida, que é a segunda etapa, a parte do downwind, que seria descer ao vento até ao “pico do canhão da Nazaré”. Quando cheguei lá, a terceira etapa era realmente perceber o que é que estava a acontecer, onde estava a quebrar, o posicionamento, o cuidado com as outras motas de água e depois fazer a maior onda da minha vida. A quarta etapa seria sair de uma forma segura. Desta vez, fiz as coisas bem-feitas. Da primeira vez saí um bocado à campeão (risos) e acabei por levar uma espuma de sul para norte, assim uma coisa absurda, que podia ter corrido muita mal. Mas nesta quarta-feira não havia margem de manobra, não poderia haver qualquer tipo de erro e acabei por sair no terceiro pico, no parque de estacionamento onde o pessoal normalmente surfa. Portanto correu tudo bem, sem qualquer tipo de vacilo.

    BC- A tua carreira mudou em termos de visibilidade e apoios depois de te teres aventurado na Nazaré?

    Claro que a carreira mudou. Ser o primeiro kitesurfer na Nazaré deu-me muita visibilidade lá fora e, agora, estou plenamente convencido que depois desta sessão ainda mais visibilidade terei, aliás como já tenho constatado. Porque, realmente, é curioso, a minha carreira mudou, mas poucas pessoas reparam, pois sou um rider internacional. Vou a Espanha, vou a França e sou muito bem recebido, por pessoas que me veem de outra forma, veem-me como um profissional. Enquanto cá em Portugal, não tenho muito reconhecimento. É um facto curioso, mas não deixa de ser a realidade. Obviamente que influenciou a minha carreira, pois toda a gente que vai com sucesso à Nazaré tem um boost ao nível dos patrocinadores e espero que isso continue.

    BC- Próximas metas ou objetivos?

    Engraçado, o pessoal nunca está satisfeito. Já me apareceu aí outra situação e temos de continuar ativos. Portanto, por que não? Sempre a puxar os limites do Kitesurf, que é o que tento mostrar, quer seja para fazer tubos de kite, fazer ondas gigantes de kite… dá para fazer tudo com o kite. É uma questão de perceber que quando não está vento, ok, faz-se surf. E quando está vento, pah faz-se kite.

    BC- Como te sentes, sendo recordista Mundial?

    É um bónus. Tudo o que fiz foi para mim. Sonhei e concretizei!

    Da parte do MEO Beachcam só te podemos dar os parabéns por este feito grandioso, que, uma vez mais, vira as luzes da ribalta para Portugal e em específico para a Nazaré.

    Notícia: Previsão de Ondas para esta semana

     

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram 

    Fotos - Praia do Norte

Tags
  • Recorde Mundial
  • Kitesurf
  • Stru
  • Nuno Figueiredo
  • nazaré
  • canhao nazare
  • Portugal
  • turismo de portugal
pub
similar News
similar
março 27
Imagens espaciais mostram redução drástica da poluição do ar na Europa
março 27
Brisa Hennessy tem a melhor quarentena de todas… nas Fiji
março 27
Hora do Planeta terá formato digital para além do apagão
março 27
Foto do sunset português entre as melhores de concurso internacional  
março 27
Está a chegar o horário de Verão!
março 27
Capítulo Perfeito teve alcance superior a 33 milhões de pessoas
março 27
Em Ribeira d’Ilhas manda Tomás Fernandes