Homepage

  • A nova vida da 'pioneira' do bodyboard em Portugal
    05 dezembro 2017
    arrow
    arrow
  • Embora tenha nascido em Lisboa e vivido na Amadora, em Oeiras e Peniche, a antiga atleta está radicada naquela localidade da Costa Vicentina
  • Foi uma das primeiras praticantes de bodyboard em Portugal e conquistou vários títulos nacionais e internacionais. Já retirada, vive em Vila do Bispo, perto da atual campeã mundial, onde concretizou o sonho de ser mãe.

    Em entrevista recente ao DN, Dora falou um pouco mais sobre a sua vida.

    Dora Gomes foi uma das pioneiras do bodyboard feminino português. Tinha 16 anos quando descobriu a modalidade, na praia de Carcavelos, preferindo-a aos mais caros surf e windsurf. Aí começou uma carreira que atravessou três décadas e contemplou as conquistas de seis títulos nacionais, quatro europeus e um mundial. O ponto final na vida competitiva, em 2004, deu início a uma nova vida familiar, profissional e até desportiva.

    "Terminei a carreira quando abri a loja de artigos de surf em Vila do Bispo, onde vivo. Entretanto constituí família, continuo com a loja e fui mãe aos 40 e aos 42 anos. Era um sonho que tinha. Quando parei, comecei a praticar capoeira e conheci aquele que hoje é o meu marido, Anesio Correia, contramestre de capoeira. Ele trabalha comigo na loja. Eu faço mais a parte da contabilidade e ele desempenha mais a parte de vendedor. Continuamos com o grupo Associação Jogando Capoeira: ele dá aulas aos adultos e eu às crianças", revelou ao DN.

    Embora tenha nascido em Lisboa e vivido na Amadora, em Oeiras e Peniche, a antiga atleta está radicada naquela localidade da Costa Vicentina desde a passagem do milénio. "Apaixonei-me pela terra. Vinha para aqui passar férias, até para aproveitar as ondas, e criei amizades. Sempre disse que quando fosse grande vinha viver para aqui. Tem muita natureza e isso atraiu-me. As praias são selvagens e limpas. Como atleta, habituei-me a uma vida sossegada, e este é um sítio onde me sinto bem. É interessante ver os filhos a crescer aqui, embora seja uma zona sazonal e no verão tenhamos muito trabalho", contou, sempre muito orgulhosa a falar dos filhos, que até já praticam bodyboard.

    "Além de capoeira, têm aulas de bodyboard e surf, nas quais eu também ajudo e ensino alguma coisa. E aproveito para ir para dentro de água", confessou Dora Gomes, que considera a vida atual mais difícil do que a de atleta. "Quando era mais nova, estava focada no desporto. Ser mãe, gerir uma loja e uma associação desportiva é mais difícil. E antes imaginava que era mais difícil ser atleta", frisa, ainda apaixonada pela modalidade em que se projetou. "É a coisa que mais energia me dá. Adoro. Tento praticar ao fim de semana, com os meus filhos, mas mais para os ajudar e empurrar. Devo conseguir praticar dez vezes durante um ano. A prioridade é a família", salienta a antiga campeã, que tem mais saudades da envolvência do bodyboard do que da competição.

    Notícia: Previsão de Ondas para esta semana

    "Tenho saudades das viagens, das experiências, dos amigos que deixei pelo mundo fora, desse ritual e dessa liberdade. Mas da competição não propriamente. Não sou muito competitiva. A competição é desgastante, exige muito foco", considerou, bem-disposta.

    Título mundial foi o auge

    Embora diga que o ponto mais alto da sua carreira foi "a vida que o bodyboard proporcionou", até porque "tinha dificuldades financeiras" e a "mãe era doente mental", Dora Gomes destaca a primeira vitória numa etapa do circuito mundial, na ilha Reunião em 1995, e ter--se sagrado campeã mundial ISA. "Foi uma surpresa e não estava à espera. Ter ganho o título mundial, e logo tão perto de casa, em Carcavelos e no Guincho, foi o auge. A minha mãe, entretanto falecida, acompanhava-me muito e viu-me ganhar. Foi uma grande festa e uma grande sensação", recordou, admitindo que a retirada lhe custou.

    "No início, custou-me um bocado desistir. Sabia que podia progredir ainda mais e estava em forma. Mas tinha 33 anos, queria ter filhos e tinha de preparar o futuro", afirmou, contando que durante a carreira lhe pediam autógrafos e entrevistas. "Fazia bem ao ego", atirou.

    Teve de aprender a nadar

    Para trás ficou um trajeto começado em 1987 e que desde logo lhe possibilitou... aprender a nadar. "Fui das primeiras. Quando comecei a praticar já havia duas raparigas, que depois acabei por conhecer. Sempre fui uma apaixonada por desporto. Com 9 anos, metia um colchão na rua e fazia ginástica com amigas, na Amadora. Pratiquei ginástica, mas depois desisti. Aos 16 anos, enquanto trabalhava na praia de Carcavelos, frequentei aulas de windsurf, surf e bodyboard. Optei pelo bodyboard, até porque era o mais barato. Investi em barbatanas e num fato roto. O meu treinador, Pedro Soares Martins, tornou-se meu namorado durante 20 anos", lembrou, puxando a cassete atrás para falar dos primeiros tempos da modalidade: "Ainda não tinha aprendido a nadar e tinha de estar acompanhada ou perto da areia."

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram  

    Fonte: Diário de Notícias Foto: Ajc

Tags
  • Dora Gomes
  • bodyboard
  • diário de notícias
  • entrevista
  • Pioneira
  • Vila do Bispo
  • surf
  • capoeira
  • mãe
  • Algarve
  • Desporto
pub
similar News
similar
março 27
Imagens espaciais mostram redução drástica da poluição do ar na Europa
março 27
Brisa Hennessy tem a melhor quarentena de todas… nas Fiji
março 27
Hora do Planeta terá formato digital para além do apagão
março 27
Foto do sunset português entre as melhores de concurso internacional  
março 27
Está a chegar o horário de Verão!
março 27
Capítulo Perfeito teve alcance superior a 33 milhões de pessoas
março 27
Em Ribeira d’Ilhas manda Tomás Fernandes