Homepage

  • Prolongada campanha para salvar peixes marinhos
    21 novembro 2017
    arrow
    arrow
  • Em 2014, os países mediterrânicos da União Europeia importaram 85% do pescado que consumiram.
  • Termina em Dezembro o Fish Forward – por um consumo responsável de peixe e marisco e um futuro para os oceanos. Desde Janeiro de 2015, esta campanha da WWF em 11 países da Europa – Áustria, Bulgária, Croácia, França, Alemanha, Grécia, Itália, Portugal, Roménia, Eslovénia e Espanha – atingiu mais de 50 milhões de cidadãos, 2,8 milhões dos quais em Portugal.

    A WWF em Portugal anunciou que o projecto terá uma segunda fase, de 2018 a 2020. Os objectivos serão que seis milhões de consumidores alterem o seu comportamento de compra de produtos do mar, “tendo em consideração as interdependências globais, as alterações climáticas, a ética da cadeia de fornecimento e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”.

    Os primeiros três anos do projecto ficaram marcados por várias acções de sensibilização – desde campanhas e instalações sobre o tema, workshops, showcookings com receitas de pescado sustentável e eventos em espaços de restauração – realizadas junto de consumidores, empresas e autoridades. Foi ainda lançado o Guia WWF de Consumo de pescado.

    O projecto Fish Forward, cofinanciado pela União Europeia, sugere o que podemos fazer: comprar pescado certificado (mais concretamente por MSC – Marine Stewardship Council – ou ASC – Aquaculture Stewardship Council – ou marcas biológicas), não consumir peixe “bebé” – abaixo de um determinado tamanho e que não terá tido tempo para se reproduzir -, verificar as etiquetas – onde foi pescado, como e se é fresco ou congelado – e diversificar o consumo de peixes, procurando espécies diferentes.

    A ideia por detrás deste trabalho é “garantir a conservação do oceano e da vida marinha, permitindo a recuperação das populações marinhas, atualmente sob pressão”.

    Segundo a WWF, 93% dos stocks de peixe do Mediterrâneo estão sobre explorados. Em 2014, os países mediterrânicos da União Europeia importaram 85% do pescado que consumiram e a pesca ilegal poderá chegar, em breve, aos 26 milhões de toneladas. “A sobrepesca tornou-se a segunda maior ameaça para os nossos oceanos, depois das alterações climáticas”, segundo a WWF. “Brevemente poderá não haver mais peixe para pescar, produzir ou comer.”

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fonte: Wilder Foto: WWF

Tags
  • WWF
  • peixe
  • peixes marinhos
  • natureza
  • Fish Forward
  • Sustentabilidade
  • Vida marinha
similar News
similar
maio 24
Sebastian Steudtner bate recorde mundial para a Maior Onda Surfada na Nazaré
maio 23
Está a chegar o Boogie Chicks'22 e com recorde mundial na mira
maio 23
Santa Cruz Kids 2022 fechou o Circuito Regional de Surf do Centro
maio 23
Ação de limpeza recolhe mais de 330 quilos de lixo na Praia da Vieira
maio 23
Cientistas de universidades portuguesas descobrem cinco novas espécies de animais marinhos
maio 23
Estudo diz que os golfinhos esfregam-se nos corais para cuidar da pele
maio 23
Circuito Nacional de SUP Race 2022 a caminho de Peniche