Homepage

  • Web Summit contra o Petróleo em Portugal
    10 novembro 2017
    arrow
    arrow
  • Os ativistas querem impacto e que as pessoas tenham cada vez 'mais consciência'
  • No dia em que Al Gore, Prémio Nobel da Paz, discursou na Web Summit 2017, sobre alterações climáticas, dezenas de ativistas realizaram uma intervenção pacífica e artística no exterior da Altice Arena, para dizer não à exploração de petróleo e gás em Portugal.

    No último dia da conferência tecnológica Web Summit alguns ativistas faziam tricô e croché para evitar uma subida de 2.º Celsius nas temperaturas globais, valor entendido pela comunidade científica internacional como o ponto de "não retorno para as catástrofes climáticas", revelou a organização da campanha Linha Vermelha, envolvida na intervenção, em comunicado.

    De acordo com a representante do Centro Internacional de Pesquisa Para a Paz, presente nas imediações da Web Summit, Isabel Rosa, a demonstração foi realizada hoje porque durante a conferência tecnológica esteve presente Al Gore e, como tal, o objetivo foi associar o discurso do ecologista com a "não perfuração do petróleo e gás natural na costa portuguesa".

    Os ativistas querem impacto e que as pessoas tenham cada vez "mais consciência" de que estamos num momento de transição, porque "há muita energia solar em Portugal que não é aproveitada", visto que os portugueses não usam "nem um terço" da energia solar, disse a representante à Lusa.

    Isabel Rosa admitiu hoje que os cidadãos não podem explorar tanto a Terra, porque é como se se estivessem a explorar a eles próprios e alertou que "para sobrevivermos neste planeta" temos de transitar para as energias renováveis, tais como a solar, geotérmica, do vento e do mar.

    Em nome das gerações futuras, insistem que os combustíveis fósseis devem permanecer debaixo do chão, visto que "Portugal pode e deve ser um País pioneiro nessa prática e um exemplo para a transição energética", afirmou a responsável num comunicado enviado à Lusa.

    A campanha Linha Vermelha, representada por João Costa, está a desenvolver uma linha vermelha em tricô porque é um material reaproveitável e, com todo o trabalho manual desenvolvido, no fim da campanha, a ideia é "reaproveitar e fazer mantas e cachecóis". O objetivo desta campanha é que os cidadãos percebam o quão "grave" se continuarem a explorar os combustíveis fósseis.

    Com este projeto, João Costa pretende construir, com a ajuda dos seus ativistas, cerca de 52 quilómetros de linha vermelha feita através de trabalho manual.

    Vídeo da manifestação pacífica:

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram 

    Fotografia: Tamera

     

     

Tags
  • web summit
  • Exploração de Petróleo
  • portugal
  • hidrocarbonetos
  • Sustentabilidade
  • oceanos
  • mar
  • Poluição
  • turismo
  • natureza
  • ambiente
  • tamera
  • al gore
pub
similar News
similar
janeiro 20
Praia de Carcavelos com vigilância durante o Inverno
janeiro 20
Semana trágica para o surf com três mortes
janeiro 20
Tartaruga gigante deu à costa em Cascais
janeiro 20
Associação Portuguesa de Wakeboard e Wakeskate tem novo líder
janeiro 20
Ondas de Magia: Programa de intercâmbio de atletas
janeiro 17
Nestlé Portugal na linha da frente na abolição de plástico
janeiro 17
Matosinhos começa o ano com a qualidade da água MÁ!