Homepage

  • Poluição no Tejo mata milhões de peixes
    03 novembro 2017
    arrow
    arrow
  • Precisamos urgentemente da tomada de medidas para a contenção das descargas poluentes no rio Tejo
  • O Movimento pelo Tejo exigiu ao Governo, esta quinta-feira, dia 2 de novembro, medidas que permitam impedir a continuação da poluição do rio Tejo, tendo denunciado a “mortandade de milhares de peixes” na zona de Vila Velha de Ródão, Castelo Branco.

     Vê aqui as nossas livecams do Rio Zêzere

    Na “carta aberta” dirigida ao ministro do Ambiente, a que a agência Lusa teve acesso, o proTEJO, o movimento ambientalista com sede em Vila Nova da Barquinha, no distrito de Santarém, refere uma “catástrofe ambiental que se anunciava e que está agora a ocorrer com uma vastíssima mortandade de peixes e a destruição da fauna e flora do Tejo”, em especial na zona de Vila Velha de Ródão e a barragem do Fratel, apontando como causas a poluição causada por empresas e a eutrofização das águas do rio.

    “O proTEJO já em 16 de setembro de 2017 tinha alertado que o rio Tejo estava a ser vítima de eutrofização no alto Tejo, trazendo consigo um tapete verde de algas desde Espanha (…) causado pela poluição e pela redução do caudal, que consome o oxigénio da água e reduz os seus níveis colocando os ecossistemas aquáticos em perigo de sobrevivência e, consequentemente, matando os peixes”, refere o documento.

    “À poluição que chega de Espanha acrescem as contínuas descargas poluentes das celuloses de Vila Velha de Ródão que se acumulam até à barragem do Fratel”, pode ler-se na mesma nota, assinada por Paulo Constantino e José Moura, porta-vozes do proTEJO. Os ambientalistas referem ser “inacreditável, inconcebível, inaceitável e intolerável” as “imagens de milhares de peixes que jazem mortos, desde 13 de outubro, nas águas do Tejo sujo e poluído entre Vila Velha de Ródão e a barragem do Fratel”, tendo afirmado assistirem a “outros tantos milhares de peixes a nadarem continuamente à superfície da água com as bocas fora de água para poderem respirar o oxigénio que a água poluída não tem e que o buscam à superfície”.

    Nesse sentido, o movimento ambientalista reclama do Governo, através do ministério do Ambiente, o “incremento da intervenção da IGAMAOT [Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território] e da APA [Agência Portuguesa do Ambiente] de forma eficaz e determinada tendo em vista a deteção das origens e dos focos de poluição que estão a agravar-se neste momento, bem como a tomada das ações coercivas que impeçam a continuidade da ação poluidora”.

    Por outro lado, pedem a “tomada de medidas para a contenção das descargas poluentes no rio Tejo, nomeadamente para garantir que as emissões de efluentes da Celtejo para o rio Tejo estejam dentro de parâmetros que garantam o objetivo de alcançar o bom estado ecológico das suas massas de águas ao longo de todo o seu curso em território português, seja pela maior fiscalização, seja pela revisão ou suspensão das licenças de emissão de efluentes”.

    Por fim, o movimento ambientalista requer a “determinação das causas da morte de milhares de peixes ocorrida desde 13 de outubro de 2017, entre Vila Velha de Ródão e a barragem do Fratel, identificando e responsabilizando os agentes poluidores”.

     

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fonte: MedioTejo

Tags
  • Rio Tejo
  • APA
  • Agência Portuguesa do Ambiente
  • IGAMAOT
  • Inspeção-Geral da Agricultura
  • do Mar
  • do Ambiente e do Ordenamento do Território
  • Poluição
  • peixes
  • fauna
  • Destruição
  • ambiente
  • Natureza
  • crime
  • Arlindo Marques
  • água
pub
similar News
similar
setembro 29
Presença de Alex Botelho marcou formação 'Surf & Rescue' em Sagres
setembro 29
Tomás Lacerda e Ângela Fernandes vencem o Nacional de SUP Wave
setembro 29
MEO Portugal Cup of Surfing está ON em Ribeira d’Ilhas
setembro 29
Quarta-feira é dia de 'Surf para Todos' na Praia de Matosinhos
setembro 29
Drones podem vir a recolher lixo das praias portuguesas após 2022
setembro 29
Matosinhos encerra primeiro ciclo das formações 'Surf & Rescue'
setembro 29
Tomás Lacerda e Verónica Silva são campeões nacionais de SUP Race Técnico
pub