Homepage

  • 'Imposição' de petróleo viola princípios democráticos
    23 novembro 2017
    arrow
    arrow
  • Os manifestantes da costa alentejana e vicentina, dizem estar preocupados com a possibilidade de os trabalhos avançarem em 2018
  • Vários movimentos ambientalistas acusam o consórcio Galp/Eni e o Governo de “violarem” os “princípios democráticos” com a “imposição” da prospecção e exploração de petróleo na costa alentejana e vicentina, apesar da oposição de cidadãos e autarquias.

    “A imposição desta actividade por parte do consórcio Galp/Eni e do Governo às comunidades do Algarve e Alentejo é uma violação aos princípios democráticos que exigem uma governação transparente, consciente e participativa”, acusam os ambientalistas num comunicado, subscrito por 28 entidades.

    Os ecologistas, que se têm manifestado contra a prospecção de petróleo na costa alentejana e vicentina, dizem estar preocupados com a possibilidade de os trabalhos avançarem em 2018 e apelam a que os municípios “emitam parecer contra”.

    “Perante o anúncio da entrega do Plano de Trabalhos para 2018 apresentado pelo consórcio Galp/ENI ao Governo, a prospecção e exploração de petróleo e gás na Bacia do Alentejo em 2018 está de novo em cima da mesa”, alertam, no documento.

    Destacando as várias manifestações da comunidade local contra a prospecção de petróleo, os ambientalistas exemplificam com o facto de “42.295 cidadãos” se terem pronunciado contra e “apenas quatro a favor” numa consulta pública, em 2016, relativa ao pedido de emissão do Título de Utilização Privativa do Espaço Marítimo Nacional.

    Além disso, recordam também a recente oposição ao processo por parte das autarquias locais, designadamente das assembleias e câmaras municipais do Algarve e Alentejo Litoral e das comunidades intermunicipais do Algarve (AMAL) e do Alentejo Litoral (CIMAL). Numa altura em que o Governo solicitou, segundo os movimentos ambientalistas, um parecer às câmaras municipais de Santiago do Cacém, Sines, Odemira, Aljezur, Vila do Bispo e Lagos sobre o plano de trabalhos em causa, os subscritores do comunicado pedem aos autarcas que “mantenham a sua posição e emitam parecer contra”.

    Com a entrada em vigor da Lei n.º 82/2017 de 18 de agosto passou a ser obrigatória a consulta prévia aos municípios nos procedimentos administrativos relativos à prospecção e pesquisa, exploração experimental e exploração de hidrocarbonetos, não sendo, no entanto, vinculativos os pareceres emitidos pelas autarquias.

    Os movimentos ambientalistas reafirmam a oposição ao processo e o “empenho em travar a prospecção e exploração de petróleo e gás na Bacia do Alentejo e em Portugal” e exortam “todos os cidadãos a tomarem uma posição ativa”.

    Saibam como aderir a esta luta em PALP ou em ASMAA

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fotografias: Tavira em Transição

     

Tags
  • Parque Natural do SW Alentejano e Costa Vicentina
  • ambiente
  • Sustentabilidade
  • co2
  • hidrocarbonetos
  • Aquecimento global
  • Alterações climáticas
  • crime ambiental
  • aljezur
  • santiago cacém
  • sines
  • odemira
  • lagos
  • Vila do Bispo
  • turismo de portugal
  • Poluição
  • galp
pub
similar News
similar
setembro 15
Brasil conquista duplo ouro no Japão; Kikas foi 7.º
setembro 16
Estrelas do shape mundial de visita à Surf Out Portugal
setembro 16
David Raimundo: 'Temos de acreditar que é possível ser medalhado nos Jogos Olímpicos'
setembro 16
ASCC Super Groms 2020 adiado para Outubro
setembro 16
Frederico Morais: 'Espero que este apuramento olímpico impulsione o surf em Portugal'
setembro 13
Bodyboard: Miguel Ferreira e Joana Schenker nos 'quartos' do Sintra Pro
setembro 12
Frederico Morais e Miguel Blanco seguem fortes, Vasco Ribeiro eliminado