Homepage

  • 'Homem peixe' desafia Canhão da Nazaré
    02 outubro 2017
    arrow
    arrow
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • A sua paixão pelo mar levou-o a querer experimentar diferentes tipos de ondas
  • Desde que Garrett McNamara projectou o canhão da Nazaré para o mundo que os viciados em ondas grandes não param de acorrer a Portugal. Agora é a vez de Henrique Pistilli, conhecido no meio como “homem peixe” pela sua capacidade de natação, que tem aplicado com mestria ao bodysurf, a arte de surfar sem prancha.

    É um desporto que pratica desde cedo. “A origem de brincar, de apanhar as ondas pequenas – pegar jacaré, como dizemos no Brasil – e também o pólo aquático fazem-me ter muito mais prazer a nadar do que estando de pé em cima de uma prancha. Sinto-me mais conectado. Eu até tentei surfar em pé quando era adolescente, mas o que sempre gostei mesmo foi de ter o meu corpo imerso na água”, explica em entrevista à Renascença.

    “Há muitos surfistas que dizem que esta é a forma de surf mais pura. Não tem tanta velocidade como na prancha, não tem o olhar de cima, do tubo, talvez nalguns tubos mais profundos não se consiga sair, mas a sensação do corpo estar em contacto com a superfície da onda é quase uma meditação dinâmica: traz muita presença, muita paz, muita integração”, diz Henrique Pistilli, que também se dedica ao "life coaching" e à consultadoria através da interacção com a natureza.

    A sua paixão pelo mar levou-o a querer experimentar diferentes tipos de ondas e foi no Havai que se estreou nas ondas grandes, surfando "picos" famosos como Waimea, Pipeline e Jaws. Mas há muito tempo que os surfistas sabem que quanto maior é uma onda mais água sobe pela superfície e, por isso, mais difícil é apanhá-la em tempo útil para ser surfada. O problema agrava-se quanto mais arrasto houver dentro de água, pelo que as pranchas têm vantagem sobre o corpo.

    Em ondas gigantes, como as da Nazaré, só puxado por um jet-ski – o chamado "tow-in" – é que os surfistas conseguem entrar na onda. Até agora era considerado impraticável usar o "tow-in" para o bodysurf, mas há dois anos que Pistilli trabalha num protótipo de um fato que desenvolvido especificamente para esse efeito. É isso que o traz a Portugal e ao canhão da Nazaré.

    Seis, sete ou oito metros chega

    Ainda assim, o "homem peixe" não vem com ilusões de apanhar ondas de 30 metros… “É muito grande e eu não conheço o pico. Quero ir para conhecer, apanhar ondas sem prancha, conectar com o lugar, testar o equipamento com o jet-ski e o protótipo do fato. Se conseguir apanhar uma onda intermédia, até uns seis, sete ou talvez oito metros, e se a conseguir fazer com beleza, deslizar e talvez até conseguir um tubo, já vou ficar bastante feliz.”

    Com ondas de oito metros, a maior parte das pessoas não mete o pé na praia, quanto mais no mar. Evidentemente existem riscos, o que obriga a uma preparação rigorosa. Mas o risco é algo a que Pistilli está habituado, tendo em conta que já surfou ondas grandes que rebentam por cima de rocha e coral a pouca profundidade.

    “Em Teahupoo, no Tahiti, apanhei uma das maiores ondas sem jetski. É uma onda muito intensa e muito rasa. Tem um certo risco, mas eu brinco e digo que as pedras não são malvadas, só são duras. É só saber lidar com elas, não se colocar numa posição em que a onda nos vai lançar para a pedra. É preciso muita técnica, muita observação. É preciso escolher bem a onda para não se colocar em risco.”

    Sem uma prancha a que se agarrar quando as coisas correm mal, a calma é mesmo um dos maiores trunfos do praticante de bodysurf, mas não só.

    “É o maior princípio de todos, seja na água ou fora da água, no trabalho, na vida, se perdermos a paz não sobra nada. É preciso cuidar da energia que emanamos, cuidar de como nos sentimos, como nos posicionamos no próprio dia, como andamos e respiramos, estando conscientes de que se estivermos bem internamente isso vai transbordar", afirma.

    "Numa onda grande se desesperarmos, se gastarmos energia a pensar em fantasias que não nos vão ajudar, em medos... É preciso observar a situação, inspirar e tomar a melhor decisão, estar calmo.”

    "Workshop" na Caparica

    É para passar alguns destes princípios, conhecimentos e técnicas a outros que Henrique Pistilli vai aproveitar a sua estadia em Portugal para dar uma formação durante o fim-de-semana de 14 e 15 de Outubro.

    Organizado pela Ahua, uma empresa portuguesa que produz "handplanes" – pequenas pranchas de mão que se podem utilizar no bodysurf – o "workshop" acontece na Caparica. “Desde iniciantes até avançados, trabalhamos técnicas de respiração, exercícios funcionais específicos para compreender como está a nossa movimentação na água, seja a brincar à beira da praia nas ondinhas, seja sem pé, seja numa onda grande, trabalhamos todos os princípios.”

    Há também uma parte dedicada à performance, “para quem é bodysurfer poder ampliar muito mais a consciência corporal, os movimentos, os agrupamentos musculares que são chave para dar um salto no desporto e por isso fazemos vários exercícios nesse sentido também”.

    Fonte: RR

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Henrique Pistilli
  • Bodysurf
  • nazaré
  • ahua
  • praia do norte
  • homem peixe
pub
similar News
similar
janeiro 17
Comunidade do longboard ajuda os animais vítimas dos fogos na Austrália
janeiro 17
Agitação marítima arrasta duas pessoas na Califórnia (Vídeo)
janeiro 17
Nestlé investe 1,86 mil milhões de euros na reciclagem de plásticos
janeiro 17
Os jovens são fundamentais para a defesa dos oceanos
janeiro 10
Interferência no Canhão? João de Macedo e Everaldo Pato mostram o contrário
janeiro 16
Projeto da 'praia' ecológica no Tejo deverá ser conhecido este ano
janeiro 12
Lisboa terá uma 'praia' em pleno rio Tejo