Homepage

  • Furo de petróleo ao largo de Aljezur ‘caducou’
    04 setembro 2017
    arrow
    arrow
  • E os 16 municípios do Algarve são unânimes em dizer não, garante o presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve
  • Segundo informação disponível no semário, expresso, o consórcio não cumpriu prazo para procurar petróleo no mar português. Era a última autorização em vigor.

    A última janela de oportunidade para avançar com o furo de prospeção de petróleo ao largo da Costa Vicentina, a 46 quilómetros de Aljezur, fechou em junho (estes trabalhos só se podem realizar na primavera) e o contrato de concessão que a abria está a caducar. Com o seu fim, cessam as autorizações que existiam para procurar hidrocarbonetos no mar português.

    “Não há nenhuma alteração contratual e o contrato do consórcio Eni/Galp para fazer o furo de prospeção termina no fim deste ano”, garante ao Expresso o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches. À Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC) não chegou, até agora, qualquer pedido de prorrogação do contrato de pesquisa, apesar de a Galp ter dado a entender que o faria.

    De lembrar que esta parceira da Galp, a ENI, está acusada de corrupção directa no Cazaquistão, no Iraque, na Nigéria, no Uganda, na Líbia, no Gana, no Líbano, assim como é alvo de repetidas denúncias de descargas ilegais, até na própria Itália.

    Em final de julho, o presidente da empresa, Carlos Gomes da Silva, afirmou terem “projetado o poço de avaliação para 2018”, o que só é possível com prolongamento do prazo. Questionada pelo Expresso, a Galp argumenta que o consórcio “está a desenvolver todos os esforços e a cumprir escrupulosamente todos os passos que um projeto desta natureza envolve, sendo que alguns foram introduzidos à medida que o processo se desenrolou”. Em dezembro de 2016, teve autorização da ENMC para prolongar por um ano o período de pesquisa na concessão “Santola 1X”, sendo-lhe negada a pretensão a dois anos.

    A partir de agora, “qualquer alteração que seja pedida obriga a que sejam ouvidas as autarquias”, afirma Seguro Sanches, lembrando a exigência da lei publicada em agosto.

    Municípios dizem “não”

    E os 16 municípios do Algarve são unânimes em dizer não, garante o presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL), Jorge Botelho. Apesar de o parecer dos municípios não ser vinculativo, o autarca tem a certeza de que “a posição de Aljezur será negativa” e que “não se espera outra coisa do Governo que não seja negar qualquer prorrogação ou autorização”. Caso contrário, afiança: “Avançam novas ações em tribunal.”

    Atualmente existem três processos a correr, para inviabilizar o furo: uma providência cautelar da AMAL no Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Lisboa; outra de recurso movida pela Câmara de Odemira no Supremo Tribunal Administrativo (depois de ver a ação indeferida no TAF); e uma terceira da Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP) que corre no Tribunal de Loulé. Esta última é contra a licença dada pela Direção-Geral de Recursos Marítimos (DGRM), em janeiro passado, que renovou à Eni/Galp o “título de utilização privada do espaço marítimo” (para fazer um furo na “Santola1X”) até janeiro de 2019.

    Mas nem este prazo, que se prende com o contrato de base, garante a viabilidade do furo. Assinado com o consórcio inicial em 2007 por oito anos, foi alvo de duas adendas (uma em 2010 e outra em 2014) que permitiram estendê-lo por 12 anos. Contudo, “neste contrato há obrigações e trabalhos que têm prazo e falharam o de realizar o furo de pesquisa até final de 2017. A licença dada pela DGRM de nada vale sem a prorrogação do contrato de prospeção pela ENMC”, explica Carmo Afonso, jurista que acompanha este processo. E se o Governo o autorizar (o que duvida), promete avançar com uma ação “invocando nulidades no contrato”.

    O deputado Jorge Costa (BE) acredita que “o Governo vai fazer cumprir os contratos” e acha que o anúncio da Galp furar em 2018 “não passa de fanfarronice”. O autarca Jorge Botelho (PS) considera este anúncio “uma declaração para os mercados”, já que a desistência dos furos na bacia de Peniche, anunciada em julho, levou a prejuízos de €22 milhões.

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Foto: T e MA Fonte: Expresso

Tags
  • Sustentabilidade
  • futuro limpo
  • economia
  • turismo
  • Petróleo
  • surf
  • ambiente
  • Poluição
  • crime
  • Exploração
  • hidrocarbonetos
  • turismo de portugal
  • aljezur
  • Algarve
  • amal
  • alentejo
  • ondas
  • mar
  • oceano
  • Poluição marinha
pub
similar News
similar
outubro 18
Fim de semana chega com sábado muito chuvoso
outubro 18
Tráfego marítimo contribui para 20% da poluição costeira em Portugal
outubro 18
Seca e má gestão deixam o Tejo em mínimos históricos
outubro 18
Glaciares suíços sofrem maior redução em 100 anos
outubro 18
Previsão de mau tempo cancela sessão de autógrafos na 58 Surf
outubro 17
Inscrições abertas para a 2ª etapa do Circuito de Bodyboard do Ericeira Surf Clube
outubro 17
No Corvo haverá um apagão para salvar as aves marinhas