Homepage

  • Afinal, a que se deve esta ventania no verão?
    09 agosto 2017
    arrow
    arrow
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • A intensidade do vento, que sopra no sentido norte – nordeste, tem variado nos últimos dias
  • Nem o Borda d’Água o previa. Em agosto, nenhuma palavra sobre a ventania que está agora a soprar chapéus de sol pela praia fora ou a complicar a vida de milhares de pessoas na Madeira. A única previsão de vento foi há cinco meses porque, já dizia o ditado popular, “quando vem março ventoso, abril sai chuvoso” – mas se houve vento nesse mês não nos ficou na memória. Então como explicar este último mês de verão e a ventania dos últimos dias capaz de arrancar qualquer chapéu das praias portuguesas? De acordo com o Instituto Português do Mar e Atmosfera (IPMA), a culpa não é o mau humor de S. Pedro: é de um anticiclone (que não é o dos Açores) e de uma depressão. Ali pelo meio está o vento. E nós estamos na mira dele.

    Previsão de ondas para os próximos dias!

    A mais de 1.500 quilómetros de Portugal, há um anticiclone no sudoeste da Irlanda. É por lá que há uma região “de alta pressão atmosférica em torno da qual o vento sopra no sentido do movimento dos ponteiros do relógio”. Mas, aqui mais perto, mesmo por cima da Península Ibérica, há uma depressão, que é uma região “de baixa pressão atmosférica em torno da qual o vento sopra no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio”. As diferenças de pressão atmosférica, que têm origem térmica relacionada com a radiação solar e como ela aquece o ar, fazem com que as massas de ar mais quente se movam para se expandirem e as mais frias se mexam para se comprimirem. Desta movimentação nasce o vento.

    A posição destes dois centros de ação, uma expressão utilizada na meteorologia para designar regiões de pressão atmosférica máxima e mínimas, determina a circulação do ar. Entre um e outro, o ar desloca-se e provoca vento que é tanto mais forte quanto maiores forem essas pressões. Como Portugal Continental e o arquipélago da Madeira estão na zona do planeta onde esse vento sopra, por cá vemos os toldos a levantar voo e os aviões a ficarem em terra.

    A intensidade do vento, que sopra no sentido norte – nordeste, tem variado nos últimos dias, explica ao Observador Ângela Lourenço, meteorologista do IPMA. Em média, o vento tem soprado a uma velocidade de entre 20 e 35 quilómetros por hora que, de acordo com o dicionário do próprio IPMA é considerado moderado. De vez em quando, a ilha da Madeira tem sido atingida por ventos pontualmente mais fortes, principalmente nas terras altas e a leste e oeste: aí, o vento pode ser aos 50 quilómetros por hora e já passa a ser considerado forte. O mais perigoso mesmo são as rajadas – que são “golpes de vento violento”, mas “de pouca duração” – que na Madeira podem aos 70 a 80 quilómetros por hora. Nesses casos, o vento é considerado “muito forte” ou “excecionalmente forte”.

    Apesar disso, fenómenos como este são considerados normais. É o mesmo que acontece nos chamados regimes de nortada: já reparou que, ao final do dia, principalmente nas praias do ocidente, há mais vento do que houve ao longo do dia? A explicação é a mesma, mas há alturas do verão em que esse vento pode ser reforçado esporadicamente. Neste caso, tem acontecido por causa da deslocação do ar da atmosfera que vem das Ilhas Britânicas e da Islândia, que sendo mais frio e, portanto mais denso, provoca mais vento que é, além de forte, mais frio.

    Esta terça-feira, o dia vai continuar ventoso. Na previsão para 8 de agosto, o IPMA diz que, em Portugal Continental, o vento vai permanecer “forte com rajadas no litoral oeste e nas terras altas” e pode atingir os 70 quilómetros/hora. Na Madeira, o vento também será “moderado a forte” mas “com rajadas até 80 quilómetros/hora nos extremos leste e oeste da ilha da Madeira e nas terras altas”. Será assim até à próxima quinta-feira, 10 de agosto. A partir desse dia, o vento vai diminuir e facilitar a vida tanto de quem está na praia como de quem espera ansiosamente por um voo para a Madeira.

    Ainda assim, continue a segurar o chapéu porque a brisa marítima vai continuar intensa. O ar por cima da terra aquece mais rapidamente do que o ar por cima do mar, por isso, e para equilibrar a atmosfera, o ar quente sobre a terra sobe e o ar mais frio sobre o oceano desce: havendo movimentação de massas de ar, há vento. E quem está à beira-mar vai senti-lo a soprar.

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Foto: Wallpaper Fonte: Observador

Tags
  • vento
  • kite surf
  • Windsurf
  • wind
  • tempo
  • temperaturas
  • meteorologia
  • nortada
similar News
similar
janeiro 23
Municípios de Caminha, Gaia, Murtosa e Caldas da Rainha encerram frentes marítimas
janeiro 22
Encerrado acesso às praias da Arrábida e à zona ribeirinha de Setúbal
janeiro 23
COI nega 'categoricamente' cenário de cancelamento de Tóquio'2020
janeiro 20
Município de Ovar determina encerramento das praias
janeiro 21
Requerido TUPEM para instalação de um cabo submarino de telecomunicações de Almada à Madeira
janeiro 21
Carcaça de baleia de 70 toneladas removida perto de Nápoles
janeiro 22
The Keg, a nova prancha de Wade Carmichael já chegou a Portugal