Homepage

  • Rio Tejo em risco de secar completamente
    16 agosto 2017
    arrow
    arrow
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • A quantidade de água disponível foi mal calculada e as secas cíclicas em Espanha não foram tidas em conta.
  • O rio Tejo está em risco de secar completamente.

    Pelo menos é o que diz Miguel Ángel Sánchez, porta-voz da organização Plataforma em Defesa do Tejo. O rio está em perigo por causa de uma “combinação das alterações climáticas, da transferência de água e dos resíduos poluentes provenientes de Madrid”, denuncia Miguel Ángel Sánchez, citado pelo jornal “The Guardian”.

    A quantidade de água disponível foi mal calculada e as secas cíclicas em Espanha não foram tidas em conta.

    Hoje, apenas 47% dos recursos hídricos estão disponíveis e os níveis das barragens encontram--se nos 11%, um valor muito baixo para se proceder a transferências.

    A abertura das comportas só é permitida quando as barragens atingem uma quantidade suficiente de água. Se, antes, essa abertura era apenas uma opção para o governo espanhol, hoje é uma obrigação por ter recentemente aprovado uma lei que obriga à abertura das barragens assim que haja um excedente de água. A lei foi aprovada na sequência de uma diretiva europeia, após uma delegação da União Europeia ter visitado os rios Tejo e Ebro e emitido um relatório europeu crítico da gestão espanhola dos rios.

    Porém, os problemas do rio Tejo não se resumem à falta de recursos hídricos, mas também ao despejo de águas residuais da cidade de Madrid e ao arrefecimento de reatores nucleares, como é o caso da central nuclear de Almaraz.

    Ong portuguesa acusa autoridades espanholas

    As autoridades portuguesas têm-se queixado às espanholas por causa da retenção de recursos hídricos e pela poluição do rio, queixas que as últimas rejeitam. Opinião parcialmente coincidente com a das autoridades portuguesas tem Paulo Constantino, porta-voz do movimento ProTEJO, que afirma que as autoridades espanholas só “enviam água quando é necessário produzir energia hidroelétrica. A água é retida e, mesmo que haja, ela não é enviada”.

    A seca e a não abertura das barragens espanholas têm feito com que o Tejo entre em Portugal com caudais menores. “Se houver um ano de seca, é óbvio que nesses anos é mais difícil fornecer maiores caudais, mas aquilo que se vê é que, sejam ou não anos de seca, os caudais permanecem baixos”, explica Constantino. O ativista defende que “em vez de caudais mínimos que são técnicos, administrativos e estabelecidos de forma política” se opte por “estabelecer um regime de caudais ecológicos de forma científica” e que tal seja incluído na Convenção de Albufeira, um acordo internacional entre os governos português e espanhol, mas “também no próprio Plano de Gestão da Região Hidrográfica do Tejo”.

    Nuria Hernández-Mora, da Fundação para uma Nova Cultura da Água, afirma, citada pelo “Guardian”, que “a transferência serviu para criar um conflito político e social e tornou o Tejo um dos rios no pior estado ecológico da península” porque os recursos disponíveis “foram sobrevalorizados”.

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram Foto: Wiki Fonte: SOL

Tags
  • Rio Tejo
  • Mar
  • Lisboa
  • Seca
  • Portugal
  • Espanha
  • Barragens
  • Almaraz
pub
similar News
similar
março 30
Empresários de Cascais lançam iniciativa que pode ajudar as escolas de surf
março 30
COI mantém qualificação de Tóquio’2020 para 2021
março 30
Municípios de Albufeira e Loulé condicionam acesso às praias
março 30
Alex Botelho concede primeira entrevista após acidente na Nazaré
março 30
FPS à caça dos talentos do futuro
março 30
Semana começa chuvosa e fria
março 27
Está a chegar o horário de Verão!