Homepage

  • Temos de proteger os recursos em alto mar
    07 agosto 2017
    arrow
    arrow
  • Sem um sistema Internacional que regule esta zona, as águas internacionais vão continuar a ser uma 'zona de Piratas'
  • Metade da superfície marítima do mundo não pertence a ninguém. Infelizmente isso apenas significa que ninguém regula e os recursos nestas áreas não estão sujeitos a qualquer tipo de acordo. Ou que os acordos existentes  – como é o caso do Atlântico norte – são manifestamente insuficientes.  A boa notícia é que pela primeira vez as nações do mundo concordaram, nas Nações Unidas, em estabelecer regras para explorar – ou não – os recursos em alto mar.

    Previsão de ondas para os próximos dias!

    “O mar alto é a maior reserva de biodiversidade do planeta” disse Peter Thomson, embaixador das Fiji e o actual Presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas. “Não podemos continuar a permitir esta existência desregulada se queremos proteger a biodiversidade e proteger a vida marinha”.

    Sem um sistema Internacional que regule esta zona, as águas internacionais vão continuar a ser uma “zona de Piratas” acrescentou ainda.

    Claro que esta vontade choca com uma série de poderes instalados, já que a pesca em mar alto, ou a exploração dos fundos marinhos, são industrias de biliões. Com os suspeitos do costume à cabeça:: Rússia, Japão e China, mas também alguns inesperados como a Noruega.

    A ameaça da mineração subaquática

    Assim, as negociações necessitam de responder a algumas questões essenciais, como refere em análise o jornal The New York Times. Como se vão escolher as áreas protegidas? Que quantidade de oceano será abrangido? Vai ser possível continuar a explorar de alguma maneira essas áreas ou serão zonas proibidas?  E, acima de tudo, quem irá e como será efectuada essa fiscalização?

    Para já sabe-se, pelas evidências científicas, que esta protecção será fundamental para combater o aquecimento global e as alterações climáticas. Para proteger as espécies marítimas – que depois irão migrar para as Zonas Exclusivas dos países,e até as próprias áreas costeiras da subida do nível das águas.

    A discussão devera começar no início de 2018, o sei o da Assembleia Geral das Nações Unidas, onde os 93 estados membros terão a palavra final.

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fotos: GreenPeace e JT Fonte: GS

Tags
  • ambiente
  • mineração aquática
  • mineração subaquática
  • deep sea mining
  • Sustentabilidade
  • Natureza
  • mar
  • oceanos
  • praia
  • praias
  • Vida Animal
  • recursos naturais
  • Poluição marinha
  • Destruição
  • Habitat Natural
  • peixes
similar News
similar
fevereiro 06
Gustavo Ribeiro é vice-campeão do mundo de skate
fevereiro 06
Farol do Cabo de São Vicente alvo de profunda restauração
fevereiro 01
Surf nacional lamenta perda de Pedro Lacerda
fevereiro 03
Lucas Fink, de Ipanema para as ondas grandes da Nazaré com a prancha de skimboard: 'Se o teu sonho não te dá medo, não estás a sonhar alto'
fevereiro 03
Sol e temperaturas acima dos 20ºC no primeiro fim de semana de fevereiro
fevereiro 03
Está a chegar o Circuito Regional de Surf do Sul 2023!
fevereiro 02
Tempo frio ainda deixa três distritos sob aviso amarelo