Homepage

  • Esta janela de oportunidade vai decorrer entre Abril e Julho
  • Consórcio liderado pela petrolífera italiana Eni, que está acusada de corrupção directa no Cazaquistão, no Iraque, na Nigéria, no Uganda, na Líbia, no Gana, no Líbano, assim como é alvo de repetidas denúncias de descargas ilegais, até na própria Itália, tem "tudo preparado para avançar" com o furo exploratório no mar, a 46 quilómetros ao largo de Aljezur e a 80 quilómetros de Sines, diz presidente executivo da Galp.

    O consórcio que integra a Galp Energia prevê avançar com o primeiro poço exploratório de petróleo na costa alentejana no próximo ano, de preferência entre abril e junho, disse o presidente executivo, Carlos Gomes da Silva.

    Esta janela de oportunidade decorre entre Abril e Julho, pois só durante estes quatro meses é que estão reunidas todas as condições meteorológicas e marítimas para proceder à perfuração.

    Com esta operação a Galp pretende avaliar se existe petróleo, e em quantidade suficiente, para avançar para a exploração comercial no mar do Alentejo. Caso este poço de avaliação constate que existe petróleo na bacia do Alentejo, o início da exploração só teria início 3 a 6 anos mais tarde, a partir de 2018.

    "A janela fechou. Neste momento, temos projetado para 2018 o poço de avaliação, que para além de avaliar o potencial marítimo em termos energético, avalia também a biodiversidade e o potencial marinho".

    Boas notícias para Peniche

    A Galp Energia desistiu de avançar com a pesquisa de petróleo em três das quatro concessões que detinha na bacia de Peniche, o que levou a petrolífera a registar uma imparidade de 22 milhões de euros nas contas do semestre.

    Em conferência de imprensa, o presidente executivo da Galp Energia afirmou que a petrolífera decidiu manter somente uma das áreas de pesquisa ao largo de Peniche, sem referir quais das quatro foram abandonadas (Camarão, Ameijoa, Mexilhão e Ostra).

    "Decidimos devolver a concessão em três áreas da bacia de Peniche. Tomámos a decisão de abandonar estas áreas antes de furar", disse Carlos Gomes da Silva, referindo que a decisão foi tomada com base na análise aos dados geológicos recolhidos.

    Até lá, a todos os interessados a que este tipo de exploração não venha a ter lugar em portugal, podem seguir as novidades através da página da PALP.

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fotografia: GoodWP

Tags
  • palp
  • Plataforma Algarve Livre de Petróleo
  • alentejo
  • Algarve
  • Petróleo
  • hidrocarbonetos
  • Aquecimento global
  • Sustentabilidade
  • Alterações climáticas
  • Poluição
  • galp
  • eni
  • crime ambiental
  • Peniche
pub
similar News
similar
fevereiro 25
Surfistas querem levar jovem vítima de bullying a Snapper Rocks
fevereiro 24
A havaiana com nome português que está a varrer o WQS aos… 15 anos
fevereiro 24
A 10 anos de haver mais plástico que peixe no mar!?
fevereiro 23
Alex Botelho agradece apoio de todos após acidente na Nazaré
fevereiro 21
Fim de semana primaveril à vista! A temperatura vai chegar aos 25 graus!
fevereiro 21
Slater, Kikas e mais 10 do CT na Nova Zelândia
fevereiro 23
Mafalda Lopes ambiciona título nacional em ano de transição