Homepage

  • Esta janela de oportunidade vai decorrer entre Abril e Julho
  • Consórcio liderado pela petrolífera italiana Eni, que está acusada de corrupção directa no Cazaquistão, no Iraque, na Nigéria, no Uganda, na Líbia, no Gana, no Líbano, assim como é alvo de repetidas denúncias de descargas ilegais, até na própria Itália, tem "tudo preparado para avançar" com o furo exploratório no mar, a 46 quilómetros ao largo de Aljezur e a 80 quilómetros de Sines, diz presidente executivo da Galp.

    O consórcio que integra a Galp Energia prevê avançar com o primeiro poço exploratório de petróleo na costa alentejana no próximo ano, de preferência entre abril e junho, disse o presidente executivo, Carlos Gomes da Silva.

    Esta janela de oportunidade decorre entre Abril e Julho, pois só durante estes quatro meses é que estão reunidas todas as condições meteorológicas e marítimas para proceder à perfuração.

    Com esta operação a Galp pretende avaliar se existe petróleo, e em quantidade suficiente, para avançar para a exploração comercial no mar do Alentejo. Caso este poço de avaliação constate que existe petróleo na bacia do Alentejo, o início da exploração só teria início 3 a 6 anos mais tarde, a partir de 2018.

    "A janela fechou. Neste momento, temos projetado para 2018 o poço de avaliação, que para além de avaliar o potencial marítimo em termos energético, avalia também a biodiversidade e o potencial marinho".

    Boas notícias para Peniche

    A Galp Energia desistiu de avançar com a pesquisa de petróleo em três das quatro concessões que detinha na bacia de Peniche, o que levou a petrolífera a registar uma imparidade de 22 milhões de euros nas contas do semestre.

    Em conferência de imprensa, o presidente executivo da Galp Energia afirmou que a petrolífera decidiu manter somente uma das áreas de pesquisa ao largo de Peniche, sem referir quais das quatro foram abandonadas (Camarão, Ameijoa, Mexilhão e Ostra).

    "Decidimos devolver a concessão em três áreas da bacia de Peniche. Tomámos a decisão de abandonar estas áreas antes de furar", disse Carlos Gomes da Silva, referindo que a decisão foi tomada com base na análise aos dados geológicos recolhidos.

    Até lá, a todos os interessados a que este tipo de exploração não venha a ter lugar em portugal, podem seguir as novidades através da página da PALP.

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fotografia: GoodWP

Tags
  • palp
  • Plataforma Algarve Livre de Petróleo
  • alentejo
  • Algarve
  • Petróleo
  • hidrocarbonetos
  • Aquecimento global
  • Sustentabilidade
  • Alterações climáticas
  • Poluição
  • galp
  • eni
  • crime ambiental
  • Peniche
similar News
similar
outubro 19
Joel Rodrigues, o bodyboarder português que enfrenta o Frontón em busca do título mundial júnior
outubro 19
Embarcação fica com leme destruído após interação com orcas a sul de Troia
outubro 19
Seleção Nacional de Surf Adaptado prepara Mundial com dois estágios
outubro 19
Praia do Cabo do Mundo apadrinhou estreia da Matosinhos Surf School Cup
outubro 19
Título nacional de Surf Esperanças Sub-18 discute-se em Ribeira d'Ilhas
outubro 18
Praia da Arriba coroou os campeões nacionais de skimboard de 2021
outubro 18
Os números do evento principal do Ericeira WSR+10