Homepage

  • Deixem o recife do Amazonas em paz!
    08 agosto 2017
    arrow
    arrow
  • Em apenas alguns dias a explorar o recife, os investigadores acreditam ter encontrado três espécies potenciais de novos peixes
  • No início do ano, a Greenpeace e investigadores de várias universidades brasileiras divulgaram as primeiras imagens do um grande recife de coral na foz do rio Amazonas, descoberto em Abril de 2016. O recife, que se estende do Maranhão ao estado do Amapá, com área total de 9500 km2, equivalente a seis cidades de São Paulo, tinha passado despercebido devido às características da foz do Amazonas, com correntes fortes e águas lamacentas, com lixo, nutrientes e matéria orgânica, o que torna a água bastante turva.

    Agora, investigadores, activistas, naturalistas e responsáveis de comunicação juntaram-se para pedir às companhias de petrolíferas para deixarem o Recife de Coral da Amazónia em paz. Como explica a Greenpeace em comunicado, a sua última acção em prol da protecção do recife surgiu em forma de carta aberta, destacando a importância deste ecossistema único e alertando para a ameaça de um derramamento de óleo nas proximidades.

    A britânica BP e a francesa Total estão a tentar obter permissão para perfurar petróleo perto do recife, mas este grupo de activistas solicitou a suspensão destes planos, dizendo que “a prioridade deve ser proteger o recife e as águas circundantes para realizar mais pesquisas”.

    Esta carta vem assim trazer mais pressão sobre a BP e a Total para cancelarem as perfurações. Até agora, mais de um milhão de pessoas assinaram a petição contra a perfuração de petróleo perto do Recife da Amazónia, e mais de 29 mil pessoas escreveram ao CEO da BP em protesto.

    Para os cientistas, este recife com cerca de mil quilómetros de extensão é um puzzle fascinante, cheio de descobertas surpreendentes. Em apenas alguns dias a explorar o recife, os investigadores acreditam ter encontrado três espécies potenciais de novos peixes, e também dezenas de outros que nunca tinham sido vistos na área anteriormente. Os cientistas acreditam também que este recife é lar de um grande número de peixes ameaçados de extinção, mais uma razão pela qual um derramamento de óleo nas proximidades seria devastador para o meio ambiente.

    Esta primeira expedição cobriu apenas uma pequena fracção do recife, pelo que a maioria deste ecossistema ainda está inexplorado, e esperam-se novas e importantes descobertas. A ONG alega, por isso, que se os planos de perfuração da BP e Total seguirem em frente poderão devastar este lugar especial ainda antes de ter havido oportunidade de estudá-lo adequadamente. Acrescentado que “há poucas evidências de que as companhias de petróleo tenham levado a sério o risco de um derramamento, e que nunca demonstraram como conseguiriam lidar com um acidente nas correntes fortes e águas profundas e turvas da foz do rio Amazonas”.

    Entretanto, pode assinar aqui a petição para proteger os corais da Amazónia e ver o vídeo divulgado pela Greenpeace.

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fonte: GS

Tags
  • biodiversidade
  • Natureza
  • Barreira Coral
  • Recifes de Coral
  • ambiente
  • Aquecimento global
  • Sustentabilidade
  • Alterações climáticas
  • mar
  • oceano
  • Amazónia
  • amazonas
  • rio
  • praia
  • praias
  • Vida Animal
  • perigo
  • Petróleo
  • Poluição
  • Destruição
  • peixes
pub
similar News
similar
janeiro 22
Tempestade Glória provoca ondulação inédita no Mediterrâneo
janeiro 22
Procuram-se voluntários para a reflorestação do Pinhal de Leiria
janeiro 22
Nuno 'Stru' Figueiredo ao ataque em Supertubos (Vídeo)
janeiro 22
Inscrições abertas para o fecho do Circuito de Bodyboard do Ericeira Surf Clube
janeiro 22
Costa Este americana vai receber nova piscina de ondas
janeiro 22
Kikas recebe homenagem na Gala do Desporto de Cascais
janeiro 21
Potente gás com efeito de estufa está a aumentar na atmosfera