Homepage

  • O movimento vai mobilizar a comunidade para “defender a praia” e garante que “lá não entram” as máquinas!
  • Previsão de ondas para este fim de semana!

    O movimento cívico SOS Cabedelo vai avançar com uma queixa em Bruxelas contra a intervenção em praias da Figueira da Foz, considerando que a obra da Agência Portuguesa do Ambiente agrava o problema de erosão.

    O projeto de reconstituição do cordão dunar da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) está previsto para as praias da Leirosa e Cabedelo (Figueira da Foz), e Vagueira (Vagos), e arrancou há cerca de uma semana na Leirosa, depois de vários alertas lançados pelo movimento contra uma obra que consideram que vai agravar a erosão que já afeta aquela zona costeira.

    “Vamos apresentar uma queixa à Comissão Europeia”, disse à agência Lusa um dos responsáveis do SOS Cabedelo, Miguel Figueira, considerando que, caso a intervenção chegue ao Cabedelo, o movimento vai mobilizar a comunidade para “defender a praia” e garante que “lá não entram” as máquinas.

    Em causa, está o método escolhido pela APA para a reconstituição do cordão dunar, um projeto com um investimento de mais de 400 mil euros e com apoio de fundos comunitários, através do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR).

    Na Leirosa, o movimento diz que constatou que a Agência Portuguesa do Ambiente está a “roubar areias ao mar” para fazer a duna primária, através do método de ripagem, num espaço que já é “deficitário de areia”, explanou.

    O banco de areia que cria a duna hidráulica, também conhecido como “praia submersa”, “é a primeira barreira na proteção costeira”, sendo que em vez de se diminuir o impacto de erosão na costa, a intervenção da APA está a gravar o efeito erosivo, disse um dos responsáveis do movimento, sublinhando ainda que a eliminação do banco também põe em causa a prática do surf naquela zona da costa.

    Segundo o SOS Cabedelo, as zonas a sul das intervenções nas praias ficarão mais expostas ao avanço do mar, sendo que, no caso da praia da Leirosa, poderá afetar um aglomerado urbano a sul, e, no caso do Cabedelo, o Hospital da Figueira da Foz.

    “Não achamos aceitável roubar areias ao mar. Tem um impacto muito agressivo”, sublinhou Miguel Figueira, frisando que a obra da APA não vai ao encontro da própria estratégia assumida pelo Governo, que assenta “na reposição do equilíbrio sedimentar”.

    Para a SOS Cabedelo, a intervenção deveria passar pela injeção de areia “exterior ao sistema”, para se conseguir combater a erosão naquela zona da costa da Figueira da Foz.

    “Deviam ir buscar areia a um sítio com excesso, como é o caso da praia da Figueira”, realçou.

    A agência Lusa tentou, sem sucesso, obter uma resposta por parte da APA.

    Fonte - Lusa

    Vídeo - SOS Cabedelo

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • SOS Cabedelo
  • erosao costeira
  • praias
  • Figueira da Foz
  • Vagueira
  • Surf
  • bodyboard
  • longboard
  • Bodysurf
  • extracao areias
  • ripagem
similar News
similar
junho 08
Portugal termina no 10º lugar o Mundial ISA de El Salvador
junho 08
8 de junho, o Dia Mundial dos Oceanos
junho 06
Allianz Ericeira Pro já tem heat draw definido
junho 06
Época balnear abre com 'dispositivo completo' nas praias do litoral alentejano
junho 06
Cinco vagas olímpicas para Paris'2024 já foram definidas no Mundial ISA de El Salvador
junho 06
Matosinhos Surf School Cup 2023 vai para a água no domingo
junho 07
'Idden Friends' é a etapa inaugural do Nacional de Longboard 2023