Homepage

powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Estivemos à conversa com o Frederico Morais, ficamos a saber como tem sido esta nova fase da sua vida
  • Consulta aqui a previsão detalhada de ondas para esta semana!

    Estivemos à conversa com Frederico Morais, mais conhecido por Kikas, enquanto esteve por cá no Pro Santa Cruz 2017, QS 3000 da Qualifying Series da WSL onde acabou por arrecadar um 3º lugar e 1680 pontos para o ranking do QS!

    Beachcam.pt - Sendo este o primeiro ano no CT, e apesar da vasta experiência em competição que já tens, quais são os teus sentimentos e emoções?

    FM- Muito difícil descrever todos os sentimentos e emoções que vou sentindo ao longo de cada etapa. Mas são sem duvida alguma dos melhores sentimentos que já experimentei. Desde sentir que realmente estou no World Tour, que o meu sonho é realidade, ter um pais inteiro a partilhar esse sentimento e essas emoções comigo, não há palavras.

    B - Sentes algum peso acrescido, visto seres o único Português a competir no CT?

    FM- Para ser sincero não (vejo) sinto isso dessa forma  . Eu sei o que tenho de fazer e sei as dificuldades que vou ter e os adversários que vou enfrentar. Claro que existe sempre uma pressão nem que seja aquela que inconscientemente pomos em cima de nós mesmos. Mas eu estou ciente do meu surf e do meu potencial e acredito que consigo estar no meio dos 32 melhores do mundo. Clara que há uma responsabilidade acrescida sendo o único português no World Tour e há expectativas mas eu prefiro ver isso como um apoio incondicional da parte dos portugueses, canalizar essa "pressão" de outra forma. Vai sempre haver criticas e elogios mas isso faz parte da nossa vida.

    Acompanha em direto o Oi Rio Pro

    B - Foi um longo caminho até aqui com muitos sacrifícios, algum em especifico que te tenha custado mais?

    FM- Difícil dizer um sacrifício, foi o conjunto de todos eles desde o mais pequeno ao maior que fizeram com que eu chegasse onde estou e por isso olho para trás sem sensação de perda nenhuma, até porque sempre acreditei que um dia os frutos viriam. Não tenho nenhum em especial que possa dizer, foram muitos... hahah

    B - A pressão das primeiras provas, com tanta expectativa a recair nos teus ombros, afectou-te de alguma forma? Se sim, como reagiste?

    FM- Não havia pressão, eu acima de tudo quero mostrar bom surf e sei que o fiz nas primeiras três etapas. Na primeira etapa, sem dúvida que no primeiro heat havia alguns nervos, é normal. Era o Momento. Mas para mim é difícil dizer que há pressão e pelo menos até agora,nestas primeiras etapas eu senti-me bem e relaxado. Por enquanto acho que tenho estado a lidar bem com essa tal pressão e espero que assim continue.

    B - Podes contar como foi o episódio em Bells Beach, foi um corte superficial? Como aconteceu?

    FM- Fui surfar de manha antes do campeonato, o mar tinha crescido bastante e eu precisava de sentir a prancha que ia usar, uma 6'2 que já tinha usado em West Oz, mas é sempre bom pôr a prancha no pé antes dum heat. Não deu para fazer muito porque logo na minha primeira onda, na última manobra, caí e a prancha foi directa ao meu olho e a quilha abriu-me o sobrolho. Fui visto pela equipa médica, eram precisos alguns pontos mas como eu ia competir de seguida puseram cola só para eu conseguir surfar os meus heats e no fim do dia tratou-se então da ferida.

    B - Vemos o teu surf cada vez mais forte, cada vez a arriscar mais, causaste uma valente mossa na Brasilian Storm, tendo acabado no 5 lugar. Podes descrever um pouco esse dia, como ias vivendo as derrotas e as vitórias?

    FM- Foi um ótimo dia, principalmente em termos de surf. Foi um campeonato com ondas incríveis desde o primeiro ao ultimo dia. E só isso já é suficiente para nos sentirmos bem. Claro que cada heat que ia passando era uma sensação incrível de realização de objectivo e acrescida com a oportunidade de voltar a surfar o próximo heat, com aquele mar.

    B - Qual a etapa que aguardas com mais antecipação? Peniche por estares em casa? Ou outra?

    FM- Tenho duas etapas que aguardo muito ansiosamente, que são Jeffreys Bay e Peniche. Uma pela onda que é, que eu adoro e  da qual sou fã e a outra por ser em casa, acho que vai ser uma etapa memorável. Já tive oportunidade de surfar 2 x como wildcard e correu muito bem, por isso tenho uma boa expectativa agora como efectivo.

    B - Por fim, não podíamos deixar de perguntar. Qual a livecam do MEO Beachcam que utilizas mais?

    FM- Sem dúvida a do Guincho, a minha praia de eleição. Apesar se não ser a mais famosa é onde eu adoro surfar com os meus amigos e é ao lado de casa, sem esquecer que foi lá que tudo começou.

    Com o OI Rio Pro em contagem decrescente, a equipa do MEO Beachcam só te deseja a maior das sortes!

    #gokikas

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Foto - Pedro Mestre

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

     

Tags
  • frederico morais
  • kikas
  • surf
  • wsl
  • Competição
  • oi rio pro
  • Entrevista
pub
similar News
similar
outubro 30
Estação Salva-vida de Cascais prestou apoio a 5 surfistas
outubro 30
Aprovado projeto do Ericeira Surf Clube para comemorar o 10º aniversário da Reserva Mundial de Surf
outubro 30
Temperaturas amenas e aumento da nebulosidade no fim de semana
outubro 30
Praia de Melides vai ter um novo passadiço
outubro 30
Mais de 375 kg de lixo recolhidos em ação de limpeza costeira em Sesimbra
outubro 30
Outubro está a acabar e pela primeira vez o Mar de Laptev ainda não congelou
outubro 29
Coral com 500 metros de altura foi descoberto na Grande Barreira
pub