Homepage

  • Três décadas de petróleo pagam 0,05% do PIB
    31 maio 2017
    arrow
    arrow
  • Perante estes valores, o economista não hesita: 'O retorno para o Estado que é irrisório'
  • “Valores irrisórios”. É assim que Ricardo Paes Mamede, economista e um dos membros do movimento Futuro Limpo que se opõe à exploração de petróleo, avalia as receitas para o Estado que resultam dos contratos celebrados com as concessionárias.

    A ideia de que encontrar e explorar petróleo em Portugal poderia ter um impacto relevante para as contas públicas não tem adesão à realidade, conclui-se de uma simulação construída a partir das condições previstas num dos principais contratos firmado pelo Estado, o que envolve a Galp e a italiana Eni para a exploração de petróleo na Costa Alentejana.

    Trilho português entre os seis mais bonitos do mundo

    Com os actuais contratos de exploração, considerando os preços actuais do barril de petróleo, produção semelhante à espanhola (dois mil barris por dia) durante 340 dias por ano, e custos na média da experiência internacional, permitiriam ao Estado português receber do consórcio luso-italiano cerca de 3,2 milhões de euros por ano. Ao longo de trinta anos seriam 96 milhões, ou seja, menos de 0,05% do PIB.

    Os resultados foram apresentados sexta-feira, dia 26 de Maio, numa sessão promovida pelo movimento Futuro Limpo, que nasceu em 2016 para se opor à exploração de petróleo e gás em Portugal, e defender que o país aposte em energias renováveis. 

    Ricardo Paes Mamede, um dos responsáveis pelos argumentos económicos do movimento, analisou os contratos firmados pelo Estado com os vários consórcios (ENI/Galp; Repsol/Kosmos/Galp/Partex; Australis Oil & Gas Portugal), concluindo que prevêem condições semelhantes e "pouco generosas" para o Estado, em contraste com os benefícios que garantem às empresas.

    "Estes contratos de prospecção e exploração de petróleo em Portugal podem ser bastante lucrativos para as empresas em cenários optimistas, e mesmo no cenário moderado [de preços e níveis de produção] são lucrativos", diz Ricardo Paes Mamede, que no cenário central estima que lucros de 33 milhões de euros por ano para o consórcio Galp-Eni. Já "para o Estado, a receita é pouca, e além de que nos primeiros anos não receberia nada, pois não há nada a receber enquanto o investimento não for recuperado pelas empresas".

    "Para termos uma ideia [melhor do que está em causa], a receita anual para o Estado nos dois cenários simulados varia entre 3,2 e 64 milhões de euros por ano. Já o debate sobre escalões de IRS que está em curso entre o Governo e o Bloco de Esquerda envolve entre 200 a 600 milhões de euros anuais".

    Perante estes valores, o economista não hesita: "Não há nada que nos vá ajudar a diminuir a dívida publica ou dívida externa, ou a financiar de forma significativa serviços públicos". "O retorno para o Estado que é irrisório", reforça.

    O movimento contesta outras dimensões dos contratos que, dizem, foram firmados ao abrigo de um decreto-Lei de 1994 que não protege o Estado e os contribuintes, nomeadamente não garantindo uma cobertura de seguro sólida contra riscos de acidentes ambientais. E embora a probabilidade de um acidente ser baixa, a baixa receita gerada por estes contratos nunca chegaria para compensar os seus custos, defende o economista.

    Esta é, com toda a certeza, uma realidade que nenhum surfista ou amante do oceano quer ver em Portugal.

    Correcção: Valor da receita anual no cenário optimista é de 64 milhões de euros e não 96 milhões de euros, como referido na versão inicial

    Fotografias cedidas por Rota Vicentina

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, podes usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Visita a nossa Loja Online, encontras tudo o que precisas para elevar o teu nível de surf!

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Movimento Futuro Limpo
  • Sustentabilidade
  • Petróleo
  • Exploração de Petróleo
  • Algarve
  • Portugal
  • alentejo
  • galp
  • eni
  • Exploração
  • hidrocarbonetos
  • Poluição
  • Aquecimento global
  • lucros
  • economia
  • turismo de portugal
pub
similar News
similar
setembro 15
Frederico Morais: 'O principal objetivo foi alcançado em Miyazaki'
setembro 15
Brasil conquista duplo ouro no Japão; Kikas foi 7.º
setembro 14
Bodyboard: Miguel Ferreira e Joana Schenker fora do Sintra Pro
setembro 14
Frederico Morais: 'É um grande orgulho apurar Portugal para os Jogos Olímpicos'
setembro 12
Bodyboard: Pierre Louis Costes eliminado precocemente do Sintra Pro
setembro 13
Kikas vence Slater e outros tops mundiais e avança firme no Mundial ISA
setembro 13
Bodyboard: Miguel Ferreira e Joana Schenker nos 'quartos' do Sintra Pro