Homepage

  • Maya Gabeira e o machismo nas ondas grandes
    18 abril 2017
    arrow
    arrow
  • Aos 30 anos, Maya já ganhou cinco vezes o troféu de melhor performance feminina no XXL Big Wave Awards...
  • Fica a conhecer aqui a previsão de ondas para esta semana!

    A brasileira Maya Gabeira, surfista de ondas gigantes, é uma das mais premiadas do mundo.

    Aos 30 anos, já ganhou cinco vezes o troféu de melhor performance feminina no XXL Big Wave Awards, o prémio mais importante da categoria. Ao longo da sua carreira, sofreu dois graves acidentes, cujas experiências partilhou no evento Elas por Elas, no Rio. Ambas foram ocasiões que expuseram a predominância dos homens no desporto e os obstáculos que as mulheres precisam de enfrentar para se afirmarem em ambientes tradicionalmente masculinos.

    O primeiro aconteceu em 2011, no Taiti. Ao cair da prancha durante uma manobra, Maya foi atingida por uma série de ondas e acabou a ser resgatada semiconsciente pela equipa de apoio. O acidente foi transmitido pela televisão com repercussão mundial. No dia seguinte, o 11x campeão do mundo Kelly Slater, considerado o papa do surf, deu uma entrevista afirmando que Maya não podia estar a surfar ali, pois poderia ter morrido. Ela passou a treinar mergulho livre no mar para conseguir ficar mais tempo debaixo de água.

    Dois anos depois, junto com uma equipe de brasileiros, Maya aceitou o desafio de surfar a maior onda do mundo.

    Com 25 metros de altura, a Nazaré, Portugal foi o seu palco de eleição. O seu projeto era claro: bater o recorde mundial feminino. Na primeira tentativa, no entanto, sofreu um novo acidente, que também foi registado ao vivo pelas redes de televisão. Após a queda, Maya perdeu o colete salva-vidas, partiu o tornozelo e foi resgatada inconsciente por um jet-ski. Na areia da praia foi reanimada por socorristas e em seguida levada ao hospital, onde acabou nas urgências.

    As imagens rodaram o mundo.

    No dia seguinte, o americano Laird Hamilton, campeão mundial de ondas gigantes, deu uma entrevista a dizer que aquele ambiente era arriscado demais para uma mulher, e ela não poderia estar ali. “Eu já vi vários homens quase a afogarem-se e a serem tratados como heróis. Então fiquei muito impressionada com essas experiências. O surf é chamado de ‘sport of the kings’ e talvez as pessoas acreditem que não caiba uma ‘queen’ ali. Mas todas essas críticas me ajudaram a amadurecer e a evoluir mais”, disse Maya.

    Força Maya, continua assim: Humilde, Forte e Genuína!

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fonte: GLOBO Fotografia: Maya Gabeira

Tags
  • Maya Gabeira
  • Surf
  • nazaré
  • Tahiti
  • Teahupoo
  • ondas grandes
  • ondas gigantes
  • mulher
  • Brasil
  • machismo
  • Kelly Slater
  • Laird Hamilton
similar News
similar
janeiro 19
Caitlin Simmers quer apenas continuar a ser Caitlin Simmers, para já
janeiro 19
Estão abertas as inscrições para curso de nadador-salvador profissional em Sintra
janeiro 19
Gabriel Ribeiro está de volta em 2022 e 100% dedicado ao surf
janeiro 18
Teresa Bonvalot e a nova época: 'Estou com muita vontade de voltar ao ataque'
janeiro 18
Praias da capital do Peru atingidas por maré negra
janeiro 19
Julian Wilson lança marca de roupa
janeiro 18
The Wave vai construir mais seis parques no Reino Unido e Irlanda