Homepage

  • Porque ignoraram 42 mil objeções à prospeção de petróleo?
    02 março 2017
    arrow
    arrow
  • A pergunta foi levantada por vários grupos de cidadania algarvios...
  • Cinco grupos que lutam contra a prospeção e exploração de hidrocarbonetos no Algarve e Baixo Alentejo querem saber porque não foram tidas em conta as mais de 42 mil posições contra o furo de Aljezur pela concessionária Galp/Eni, na sequência do processo de consulta pública que foi promovido.

    Os membros do Movimento Algarve Livre de Petróleo (MALP), Stop Petróleo Vila do Bispo, Alentejo Litoral Pelo Ambiente, Climáximo e Tavira em Transição escreceram uma carta conjunta ao secretário de Estado da Energia e à Direcção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) para para pedir esclarecimentos sobre «os fundamentos da decisão da consulta pública de que resultou a autorização do furo».

    Os ativistas dizem não se conformar «com a ausência de escrutínio sobre a decisão desta consulta pública, em que foi ignorada a participação devidamente argumentada de 42295 cidadãos que se manifestaram contra a prospecção de petróleo na costa Algarvia e Alentejana e em que apenas quatro cidadãos/entidades se manifestaram a favor».

    Na carta, os cinco grupos anti-petróleo perguntam ao Gpverno e a DGRM se já foram analisados os argumentos e as objecções à propecção de petróleo ao largo de Aljezur, se foi produzido algum documento de análise às mais de 40 mil objeções que foram apresentadas e quias o argumento apresentado «para que mais de 42 mil objecções tenham sido ignoradas e tenha sido emitida uma licença TUPEM com apenas quatro participações favoráveis à realização de uma sondagem de pesquisa ao largo de Aljezur».

    Numa nota de imprensa, o Movimento Algarve Livre de Petróleo defendeu que «estamos perante uma grosseira violação da democracia e das regras de transparência da Administração Pública que não podem passar sem escrutínio público, político e jornalístico, uma vez que o dever de transparência dos organismos do Estado implica que o Estado publique os relatórios onde fundamenta as suas decisões».

    Os ativistas anti-exploração de Petróleo no Algarve e Alentejo vão aproveitar a vinda a Faro do Presidente da República e do Ministro da Economia, no dia 18 de Março, para se manifestar e lhes fazer chegar «as suas preocupações com a falta de transparência democrática em que esta consulta pública está envolvida assim como a sua exigência para que se pare de uma vez por todas a entrega pelo poder político às petrolíferas da costa do Algarve e do Alentejo».

    Fotografias: Rota Vicentina

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • ambiente
  • DGRM
  • Petróleo
  • Exploração
  • Algarve
  • petiçao
  • alentejo
  • audição
  • Movimento Algarve Livre de Petróleo
  • MALP
pub
similar News
similar
maio 22
LUTA PELO SEGUNDO LUGAR DECIDE-SE EM CARCAVELOS
maio 22
O espanhol Marcos Tapia vence o International Adaptive Surf Open
maio 22
Mais de 10 toneladas de lixo todos os anos na costa açoriana
maio 22
Baleias são esperança na luta contra o cancro
maio 22
Melhor praia fluvial da Europa fica no Alentejo  
maio 21
ZMAR: Férias de verão na Costa Alentejana
maio 21
Jovem cachalote dá à costa com estômago cheio de plástico