Homepage

  • Dezenas de pescadores morreram em acidentes em falésias
    28 março 2017
    arrow
    arrow
  • Em 2016 foram registados 19 acidentes que provocaram quatro mortos, 14 feridos e um desaparecido em acidentes nestas zonas
  • Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

    Há uma semana, um pescador lúdico, de 32 anos, caiu ao mar na praia da Biscaia, em Cascais, e ainda não foi encontrado.

    Segundo os dados a que agência Lusa teve acesso, entre 1997 e 2016 foram registados 252 acidentes pesca lúdica (de lazer e desportiva) em zonas rochosas/falésia, que causaram 94 mortos, 137 feridos e 32 desaparecidos.

    Só no último ano, em 2016 foram registados 19 acidentes que provocaram quatro mortos, 14 feridos e um desaparecido em acidentes nestas zonas.

    A maioria dos acidentes ocorridos entre 1997 e 2016 foi registado em Cascais na zona compreendida entre o Cabo da Roca e o Cabo Raso (distrito de Lisboa), em Sines entre Vila Nova de Milfontes e o Cabo Sardão (Setúbal), e em Lagos (entre Sagres e a Carrapateira (Faro).

    Os dados indicam que em Lagos foram registados 59 acidentes que provocaram 26 mortos, 33 feridos e cinco desaparecidos.

    De acordo com a Autoridade Marítima Nacional (AMN), em Cascais ocorreram 47 acidentes, que causaram nove mortos, 26 feridos e sete desaparecidos.

    No que diz respeito a Sines, a Autoridade registou 32 acidentes, que provocaram sete mortos, 21 feridos e cinco desaparecidos.

    Na informação enviada à Lusa, a AMN realça ainda que "todos os pescadores lúdicos são sujeitos a uma fiscalização genérica para efeitos de verificação de licença e tamanho do pescado, sendo sujeitos à aplicação de processos de contraordenação e coimas".

    A AMN informa que em 2016 e após fiscalização nas zonas de Cascais, Sines e Lagos, foram instaurados 52 processos de contraordenação, levantados 32 autos e aplicadas coimas no valor de 4.710 euros.

    No que respeita à fiscalização da atividade de pesca lúdica em todo o território nacional, os dados da AMN apontam para 2.474 presumíveis infratores, sendo que 27.306 estavam dentro da legalidade.

    Das infrações detetadas, 1.115 diziam respeito a pesca em zona proibida, 792 a atividades exercidas sem licença, 341 a artes proibidas, 290 relativa a outras situações e 282 por capturas indevidas.

    Quanto aos custos das operações de fiscalização, busca/salvamento, a AMN lembra que "os custos das operações não são contabilizados diretamente, porquanto decorrem das missões normalmente atribuídas à Polícia Marítima".

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

    Fonte: NAM Fotografia: AMN

Tags
  • pescadores
  • pesca
  • arriba
  • Falésias
  • perigo
  • Derrocadas
  • Autoridade Marítima Nacional
similar News
similar
fevereiro 06
Gustavo Ribeiro é vice-campeão do mundo de skate
fevereiro 01
Surf nacional lamenta perda de Pedro Lacerda
fevereiro 03
Lucas Fink, de Ipanema para as ondas grandes da Nazaré com a prancha de skimboard: 'Se o teu sonho não te dá medo, não estás a sonhar alto'
fevereiro 03
Sol e temperaturas acima dos 20ºC no primeiro fim de semana de fevereiro
fevereiro 03
Está a chegar o Circuito Regional de Surf do Sul 2023!
fevereiro 02
Tempo frio ainda deixa três distritos sob aviso amarelo
fevereiro 02
Praia da Empa coroou vencedores do Science Ericeira 2022