Homepage

  • Temporada Europeia da WSL arranca na Costa de Caparica!
    20 fevereiro 2017
    arrow
    arrow
  • O Caparica Primavera Surf Fest evoluiu, progredindo todos os anos e agora na terceira edição, tornou-se um evento WSL
  • “A Caparica é um grande destino para um evento de surf! As ondas são consistentes e temos espaço para múltiplos picos de competição durante o período de espera. Decorre no fim-de-semana de Páscoa, que também marca o início da nossa temporada europeia. A Caparica é um destino muito acessível para os nossos surfistas europeus e internacionais o que faz com que adiram em grande número. Tudo ingredientes que fazem deste festival mais um importante evento WSL em Portugal.”

    Report de ondas para esta semana

    Rob Gunning não poupa os elogios ao Caparica Primavera Surf Fest, à sua organização e ao apoio da Câmara Municipal de Almada e releva a importância da estreia da temporada da WSL:

    “O Caparica Primavera Surf Fest evoluiu notavelmente, progredindo todos os anos e agora, na terceira edição, tornou-se um evento WSL com 6 competições de três categorias. A organização é muito profissional e o apoio da autarquia é muito forte, o que se traduz num futuro promissor para este evento nos próximos anos.”

    Miguel Gomes, presidente da Associação de Surf da Costa da Caparica é o responsável escolhido pelo festival para a atribuição dos “wildcards”

    É em Miguel Gomes, presidente da ASCC (Associação de Surf da Costa da Caparica) que recai a tarefa de indicar os nomes dos “wildcards” para as muitas provas do Caparica Primavera Surf Fest, incluindo os eventos da WSL.
    Uma responsabilidade que Miguel Gomes não encara de ânimo leve, mas também vai dizendo que os critérios de escolha são muito objectivos:

    “As nossas escolhas recaem nos atletas que se distinguiram o ano passado, ou seja, naqueles que tiveram melhores resultados desportivos. Depois, há uma ou outra situação em que temos de pensar no ponto do percurso de formação em que o atleta se encontra.”

    “A Califórnia da Europa”

    Olhando para este evento Miguel Gomes comenta:

    “Considero bastante importante ter este evento nas nossas praias, primeiro porque é um incentivo extraordinário para o turismo e mostra bem o potencial da Costa da Caparica. Esta ‘Califórnia da Europa’, não é só o melhor palco de treino de surf do país, pela sua extensão com cerca de 20 quilómetros de costa, como tem também uma qualidade de ondas de todos os tipos. Depois, para os nossos atletas representa uma oportunidade única de competir ao mais alto nível. É bom para os nossos atletas de topo, mas também para os mais novos, pelo estímulo que representa”Rui Miguel Abreu cuida da banda sonora para o melhor pôr-do-sol da “Surf City”!

    Depois de um dia recheado de ondas, nada melhor do que uma Happy Hour no Dragão Vermelho, com banda sonora assegurada por Rui Miguel Abreu, um veterano com um alargado leque de interesses musicais que percorre num set a distância entre África e a Jamaica, entre a electrónica e o hip hop, entre o rock e o jazz, sem nunca perder o fio à meada.

    Vai ser assim no Bar do Dragão Vermelho, sets pensados para repor energias com encontro marcado às 18H e preparar as noites do luxuoso cartaz desportivo e musical do Caparica Primavera Surf Fest.

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • Qualifying Series
  • europa
  • World Surf League
  • costa da caparica
  • Almada
  • Caparica Primavera Surf Fest
  • surf
similar News
similar
maio 16
Campeões mundiais vencem o Iquique Bodyboard Pro
maio 16
'Surf Art', a exposição de surf que une desporto, arte e ambiente
maio 16
Leça da Palmeira coroou campeões do Titan Groms
maio 16
Inscrições abertas para a 1ª etapa do Circuito de Bodyboard da Ericeira 2022
maio 14
Joana Schenker termina no 5º posto em Iquique
maio 13
Joel Rodrigues alcança o 5º lugar no Iquique Bodyboard Pro
maio 13
Entrevista a Pedro Perestrelo Pinto, Cônsul-Geral em São Francisco (Parte 2): da visita às catedrais do surf havaiano ao antepassado português de Kai Lenny