Homepage

  • Carta aberta ao Presidente da República
    01 fevereiro 2017
    arrow
    arrow
  • Marcelo Rebelo de Sousa é um conhecido admirador da fauna e flora portuguesa e um utilizador frequente das nossas praias.
  • Têm sido tempos difíceis para todos aqueles que ao longo dos últimos meses lutaram contra a prospecção e exploração de hidrocarbonetos em portugal, com o Governo e os media a darem duras golpadas na informação e desinformação que não querem ou fazem questão de mostrar. 

    Consulta aqui a previsão XXXL de ondas para esta semana!

    Felizmente, há cada vez mais cidadãos activos e conscientes em torno desta problemática e por aqui e por ali, vão surgindo grupos, manifestações, artigos de opinião, documentários, vídeos, manifestações de arte urbana, etc, tudo contra esta indústria que para além de condenar e condicionar a vida de milhares de pessoas através da consequência da exploração e consumo dos hidrocarbonetos, o aquecimento global, ainda quer mais e mais está a investir a todo o gás para destruir uma das poucas coisas que ainda temos de natural e selvagem no nosso país: A nossa Costa e o nosso Mar!

    Uma cidadã ativa, foi mais longe e decidiu escrever uma carta ao nosso Presidente da Republica, o Professor Marcelo Rebelo de Sousa, conhecido admirador da fauna e flora portuguesa e um utilizador entusiasta das nossas praias.

    "Excelentíssimo e muy prezado Presidente da República,

    Professor Marcelo Rebelo de Sousa,

    Hoje escrevo, não só ao Presidente da República, mas também, a quem acredito, Ser, um grande Constitucionalista, Professor, Homem, Pai, Avô, Cidadão Português e do Mundo.

    Pergunto-me, como pode um Homem, que fez mexer um Ministério, por que viu o fim de uma Companhia de Teatro, ignorar, agora, que a maior riqueza do seu país, está literalmente em leilão, ao estilo Ebay, no site da ENMC, E.P.E?

    E a pouca vergonha é tanta, que nem a área do Parque Natural do Sudoeste Alentejano, escapa, ao loteamento por quadradinhos, ao estilo “sai sempre brinde, pique o seu número”, dos cafés das Aldeias e Vilas de Portugal, transformando o nosso Território, em peça de fim de colecção…

    As expressões são de um mercantilismo barato, mostrando o miserabilismo dos que se julgam eternos, ou dos que, ao sabor faraónico, pensam, gozar-se, de toda a riqueza de bens e ouro, acumulada nas panças gananciosas, ainda após os vermes dilacerarem as suas entranhas, num pedaço de terra poluído, quando o dia do qual ninguém foge, chegar.

    Que gentes são estas, Senhor Presidente? Fale-me da sua gente, do seu povo, fale-me das crianças que outrora riram descalças entre as areias da praia, de férias com as famílias, brincando no rebater das ondas e que, hoje, do alto das bancadas parlamentares, nada vêm, senão egos e moedas?

    Com o devido respeito, que é muito, é que é o Senhor Presidente que trava, diplomaticamente ou por afectos, com essa gente, sorrindo-lhes, apertando-lhes a mão, encostando-lhes a face na suas faces, a mesma que se deita quando cai a noite, na almofada dos conscientes e, em paz de espírito, com a Vida.

    Fale-me delas, por que eu, por estupidez, pieguice ou ignorância, não as consigo perceber…

    Como podemos cumprir, com todos os documentos estratégicos desenvolvidos, o Compromisso 2020, com metas no Turismo, as Energias Renováveis, os pactos anti combustíveis fosseis, e milhares de directrizes, estudos que atestam que o Crescimento Sustentável, Inteligente e Inclusivo de Portugal só existe, se existir TERRITÓRIO e TURISMO. Só podemos estar a enganar Bruxelas...

    Como podemos cumprir, prover um FUTURO, sem Mar e sem a nossa exuberante Costa, livres de gigantes de aço, que fustigarão as águas que tanto deram e dão ao nosso povo?

    Não! Quero a minha pátria de volta. Quero essas empresas predatórias fora daqui! Quero o Ministro e o Governo que o apoia, fora das minhas praias, do meu paraíso! Quero dormir sem ter de preocupar com o fim da nossa qualidade de vida. Quem manda no domínio público é o Estado, e o Estado é o Povo! E eu também sou o povo!

    E o povo tem-se unido, exercendo a cidadania, através de petições sucessivas, desventradas da Constituição, ainda que essa já nada possa fazer por nós, por que os que não respeitam a Natureza também não têm nobreza para respeitar tão iluminado documento.

    Não é preciso invocar leis, nem estratagemas, nem diplomas e mestrados, seria um insulto, à sua inteligência e sensibilidade, que eu e o povo português, lhe reconhecemos, diante das Urnas.

    E então, Senhor Presidente? Pode o Futuro de Portugal contar consigo, para o que de facto faz a diferença, a longo prazo?

    Não esconda, por favor, o Homem que pode marcar a excelência, projectando-nos nas malhas do Futuro, tornando Portugal como o primeiro país Tolerância Zero, à Lapidação dos Recursos Naturais Endógenos, fonte de vida e riqueza, no seu estado natural e preservado.

    Não me despeço. Recuso-me a despedir-me de Si, sem que antes, me responda… Por que despedir-me assim, é tornar-me descrente e vazia… E Portugal merece MELHOR!"

    Texto de Petra Pinto

    Para acompanhar e confirmar live, os dados sobre o estado do mar, pode usufruir da nossa rede de livecams e reports preparada para essa finalidade.

    Segue o Beachcam.pt no Instagram

Tags
  • ambiente
  • Natureza
  • portugal
  • Habitat Natural
  • Petróleo
  • Exploração de Petróleo
  • alentejo
  • Algarve
  • hidrocarbonetos
  • Aquecimento global
  • Sustentabilidade
  • mar
  • oceano
  • Portugal
  • marcelo rebelo de sousa
  • Presidente Republica
pub
similar News
similar
julho 10
Projeto TransforMAR está de regresso às praias nacionais e vai ajudar 15 IPSS
julho 10
Praia da Parede continua interdita a banhos
julho 10
Fluxo anormal de água atinge acesso da Praia de Carcavelos
julho 10
Novo fim de semana com muito calor a caminho
julho 10
Okahina, a quarta tecnologia de ondas que promete três piscinas em França
julho 09
Os banhos estão interditos na Praia da Parede
julho 10
Praia no Rio de Janeiro? Só depois de haver vacina para a Covid-19
pub