Homepage

  • Retrospecção de 2016 aos olhos da Deeply
    05 janeiro 2017
    arrow
    arrow
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • Em entrevista, Ricardo Aragão head of Marketing da Deeply, falou sobre a evolução e conceito da conhecida marca de surfware...
  • Press Release:

    Ricardo Aragão, head of Marketing Deeply, falou sobre a evolução e conceito da conhecida marca de surfware e vesturário, a Deeply.

    Ricardo pode-se observar a evolução e solidificação da marca Deeply. É um feito notável, nomeadamente no que diz respeito à qualidade dos produtos técnicos e vestuário. O mercado do Surf e do Surfwear é assim tão interessante? Porquê?

    Nos últimos anos o mercado do surf tende-se alargado a marcas que não pertencem ao “core surf” pois este lifestyle está, claramente, na moda. As marcas de surf têm de defender o seu território natural face a competidores ferozes com politicas de preço agressivas.

    No caso da Deeply, para credibilizar o lado do surf, temos apostado no desenvolvimento dos nossos produtos técnicos com claro enfoque nos fatos de surf. No entanto, e como referi, dado o aumento da concorrência na sector do vestuário, somos também incentivados a criar produtos com melhor qualidade.

    Podemos considerar a Deeply como uma marca assumidamente portuguesa de surf que se está a expandir para todo o mundo?

    A Deeply nasceu em Portugal em 2004. Ao dia de hoje, estamos presentes em Portugal e Espanha (incluindo as Ilhas Canárias). Estamos já a trabalhar no futuro da marca que passará, inevitavelmente, pela expansão aos restantes países europeus.

    Qual a identidade/conceito da Marca?

    Desde o início, a nossa ideia assentou em criar algo forte e intenso que refletisse a nossa paixão pelos board sports. A frase ‘truly, madly, Deeply’ resume bem o nosso desejo de dar vida a uma marca verdadeira com um ADN enérgico e que traga algo fora do comum para o mundo do Surf.

    Dos produtos técnicos há vários que se têm vindo a destacar, embora haja um que tem vindo a ganhar uma notoriedade especial no seio dos praticantes de surf: os fatos isotérmicos. Concordas com esta afirmação? Se sim, a que se deve este fenómeno?

    Concordo! Há 3 anos na Deeply criamos um fórum que batizamos de SCT - Stimulating Creative Thinking.

    O objetivo é pensar de forma inovadora e criativa para termos produtos cada vez com mais qualidade, conforto e tecnicidade. Ano após ano, os fatos de surf estão posicionados no topo das prioridades da marca.

    Ano após ano fazemos estudos para ver como está a ser o feedback dos nossos clientes e temos recebido excelentes reports. Este ano a Deeply lançou o seu novo website com loja online. A venda dos fatos ultrapassou largamente as nossas expectativas. A última campanha, a título de exemplo, o lançamento o novo fato ALL BLACK 5/3 teve resultados espetaculares.

    O nosso core target compra muito online e, claramente, tivemos esse reflexo nas nossas vendas, não só nos fatos como em toda a gama de vestuário.

    Podemos saber um pouco mais sobre os processos de desenvolvimento do vosso material técnico? Pretendem ir de encontro às necessidades do surfista?

    Desenvolver material técnico é um processo bastante complexo e moroso.

    Na Deeply, toda a parte técnica é desenvolvida pela equipa de produto e design juntamente com alguns dos nossos atletas. Temos reuniões periódicas de trabalho, onde todos participam no desenvolvimento da nova coleção.

    Aquando da chegada dos primeiros samples, os nossos atletas testam os produtos e voltamos a reunir para ver o que resultou e o que pode ser melhorado. Cada uma destas fase é morosa pois engloba tempo de desenho do produto, produção dos samples e respetivos testes.

    Vamos agora falar do posicionamento atual da Deeply relativamente ao mercado do surf e/ou board sports. A relação qualidade / conceito/ preço, como a podemos distinguir das restantes marcas originais de Surfwear, nomeadamente as australianas e americanas?

    A nossa fórmula é simples: queremos ter os melhores produtos quando analisamos design, preço e qualidade. É nesta triologia que acreditamos ser o nosso fator diferenciador onde o fator preço está abaixo das grandes marcas para podermos cumprir um dos nossos objetivos que é democratizar a prática do surf e, no future, dos 3S’s ao maior número possível de pessoas.

    Este ano já começamos a ver a Deeply a ligar o seu bom nome a surfistas de renome internacional não portugueses, a que se deve esta estratégia? Vamos poder observar no futuro um team Deeply ainda mais vasto?

    Até 2015 o objetivo era criar um forte team em Portugal, criámos um team com um mix de fortes caraterísticas, desde resultados em competições, atletas com carisma, jovens promessas, pretendendo também marcarmos presença no segmento feminino.

    Claro que, com a entrada do Vasco no team, o objetivo ficou comprido! No início de 2016 o team Deeply passou a ser um european team. Em Janeiro, entrou a Lucía Martiño, natural de Gijon, juntando-se à Camilla Kemp.

    A Lucía além de grande surfista veio assumir o papel de modelo feminino da marca. A sua inclusão no team teve de imediato um forte impacto nas redes sociais e pedidos de produtos na loja online.

    Em Fevereiro foi a vez do Jonathan Gonzalez se juntar ao team Deeply – Vasco Ribeiro, João Guedes, Tomás Valente, Tomás Ferreira, Salvador Couto, Zé Maria e Ruben Silva, mais o team de Bodyboard.

    Natural de Tenerife, e já a correr o Circuito mundial há vários anos, o Jonathan ampliou a notoriedade da marca em Espanha, com enfoque nas Canárias. O Jonathan superou os objetivos traçados para o seu 1o ano na Deeply ao sagrar-se Campeão Europeu 2016 na WSL.

    Para o futuro, queremos reforçar ainda mais o nosso european team quer em termos de escalões de idades quer em termos de nacionalidades.

    Poderemos ver um surfista Deeply, em breve, na elite do surf mundial?

    Para uma recente marca de surf, estar na elite do surf mundial tem, obviamente, a grande vantagem de se dar a conhecer a um público muito alargado, neste caso, de dimensão mundial.

    Há dois anos definimos um objetivo que passaria por apoiar um surfista português a realizar o seu sonho e reciprocamente receber a sua ajuda no desenvolvimento da marca Deeply.

    Temos a confiança que em breve esse objetivo será alcançado #govasco

Tags
  • Entrevista
  • Deeply
  • Surf
  • Vasco Ribeiro
  • Ricardo Aragão
pub
similar News
similar
setembro 15
Frederico Morais: 'O principal objetivo foi alcançado em Miyazaki'
setembro 15
Brasil conquista duplo ouro no Japão; Kikas foi 7.º
setembro 14
Bodyboard: Miguel Ferreira e Joana Schenker fora do Sintra Pro
setembro 14
Frederico Morais: 'É um grande orgulho apurar Portugal para os Jogos Olímpicos'
setembro 12
Bodyboard: Pierre Louis Costes eliminado precocemente do Sintra Pro
setembro 13
Kikas vence Slater e outros tops mundiais e avança firme no Mundial ISA
setembro 13
Bodyboard: Miguel Ferreira e Joana Schenker nos 'quartos' do Sintra Pro