Homepage

  • Surf vira principal terapia para refugiados
    19 maio 2016
    arrow
    arrow
powered by
  • Meo
  • Mercedes
  • Buondi
Segue-nos nas redes
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • 'Os meus receios quando estou no oceano acabaram. Agora sinto-me livre e também feliz', assegurou o refugiado.
  • Via Surf Portugal

    A questão dos refugiados é cada vez mais global. Apesar dessa realidade ter estado na ordem do dia recentemente na Europa, com o enorme fluxo de refugiados vindos da Síria, a verdade é que muitas regiões do globo já sofrem com isso há algum tempo. Na Austrália, por exemplo, chegam milhares de fugitivos políticos.

    Estes migrantes chegam à OZ depois de longas e atribuladas viagens de barcos oriundos da Indonésia. Muitos perdem a vida. Os que sobrevivem podem ficar com imensos traumas que são reflexo da dureza dessa jornada. Agora, os australianos decidiram implementar uma terapia à base do surf para ajudar os refugiados a ultrapassarem esses traumas.

    A agência Associated Press falou com Brenda Miley, diretora da escola Let’s Go Surfing. “Nós sabemos que estar em contato com o oceano e fazer surf faz bem a toda a gente. Esta é uma situação vantajosa para todas as partes. Ajuda-os a ganhar confiança, adquirem aptidões e aprendem um pouco da cultura australiana”, frisou Miley.

    As aulas aos refugiados são dadas na escola já referida, mas a iniciativa partiu da Settlement Services International (SSI), uma organização de cariz social e sem fins lucrativos. A ação iniciou-se no ano passado e os refugiados que participam nela são oriundos sobretudo de países asiáticos, como o Irã, Bangladesh, Sri Lanka ou Afeganistão.

    Segundo Robert Shipton, representante da SSI, esta terapia à base do surf está a ter resultados mais efetivos que qualquer outra opção. Anteriormente já haviam sido testadas outras formas de aliviar o imenso stress que estas pessoas adquirem durante as jornadas de fuga pela liberdade em procura de asilo político. Mas nada surtiu um efeito tão positivo como o surf.

    Um dos refugiados incluídos neste programa aceitou dar o seu testemunho à AP, embora sem referir a sua identidade. “Isto é muito diferente daquilo que foi a minha viagem de barco. Os meus receios quando estou no oceano acabaram. Agora sinto-me livre e também feliz”, assegurou o refugiado.

Tags
  • Surf
  • Refugiados
  • Surf Portugal
  • Austrália
  • Terapia
similar News
similar
maio 05
Praia de Mira, a única zona balnear que há 35 anos consecutivos recebe a Bandeira Azul
maio 05
Vai nascer no Barreiro uma das maiores praias fluviais da Área Metropolitana de Lisboa
maio 04
Caparica acolhe etapa única portuguesa do Rip Curl GromSearch
maio 04
Sesimbra prestes a receber 2ª edição do Ocean Talks
maio 04
Câmara de Almada adjudica obras de requalificação da Estrada Florestal da Caparica
maio 04
Joana Schenker vai ajudar a limpar a Praia da Cordoama
maio 03
Maio cheio de surf: WCT, Liga MEO, QS em Portugal e ISA World Surfing Games