Homepage

  • Poço de petróleo no Alentejo rejeitado pelas autarquias, ONGs e empresários
    19 maio 2016
    arrow
    arrow
  • O poço será, numa fase inicial, de carácter exploratório, mas já foi adiantado que, em caso de descoberta de petróleo, serão abertos mais poços para estimar o tamanho e a extensão da jazida.
  • O consórcio entre a Eni e a Galp anunciou este mês a intenção de abrir um poço de petróleo, este Verão, em Portugal, o primeiro em águas profundas e que ficará situado na costa alentejana, a cerca de 80 quilómetros de Sines. O poço será, numa fase inicial, de carácter exploratório, mas já foi adiantado que, em caso de descoberta de petróleo, serão abertos mais poços para estimar o tamanho e a extensão da jazida.

    Em comunicado enviado ao Green Savers, a organização não-governamental de ambiente Quercus mostrou-se “preocupada” com a notícia. “A ocorrência de um eventual acidente numa exploração deste género, mesmo que pontual, terá consequências avassaladoras, tanto do ponto de vista sócio-económico como ambiental, afectando irreversivelmente ecossistemas únicos e frágeis, bem como diversas espécies, incluindo aves marinhas, baleias e golfinhos”, explicou a ONGA.

    Já a Associação de Municípios do Algarve (AMAL), na ausência de respostas por parte do Secretário de Estado da Energia, decidiu avançar com a interposição de um processo judicial, com o objectivo de travar o contrato de concessão de duas explorações de petróleo em terra, atribuídas em Setembro do ano passado à Portfuel. Pretendendo discutir a legalidade destes contratos, os autarcas defendem que este tipo de exploração não é compatível com a actividade turística e que acarreta riscos brutais para esta região.

    “A forte contestação a projectos desta natureza que se está a verificar, não só no Algarve mas também em outras regiões do país, por cidadãos e entidades representativas de vários sectores com enorme importância económica, como o Turismo, o Imobiliário, a Agricultura e as Pescas, é razão suficiente para o Governo Português suspender todos os projectos de prospeção a decorrer em Portugal e proceder aos estudos de impacte ambiental essenciais a uma consulta pública até hoje inexistente”, garante a Quercus.

    De acordo com a associação, o caminho de Portugal deverá passar por investimentos mais sólidos em energias renováveis compatíveis com a conservação da natureza, assim como pela eficiência energética, ao invés da aposta na exploração de hidrocarbonetos, que entra em contradição com os compromissos assumidos pelo Estado Português na cimeira COP21.

    «A Quercus continuará a acompanhar a pesquisa, prospecção, desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural em território nacional, integrando plataformas, tais como a Plataforma Algarve Livre de Petróleo. Encetará também todos os esforços no sentido de exigir uma discussão urgente e transparente da prospeção e exploração de hidrocarbonetos em Portugal, de forma a que o Governo entenda que essa não é a melhor opção para o país, nem a vontade das populações», assegurou.

    O consórcio que avançará com a prospeção de petróleo ao largo de Sines, no Verão, é composto pela italiana Eni (70%) e pela portuguesa Galp Energia (30%). Detém três concessões, denominadas Lavagante, Santola e Gamba, que abrangem uma área total de aproximadamente 9.100 quilómetros quadrados.

    GreenSavers | Fotografia: Sines.pt

Tags
  • Petróleo
  • Sines
  • costa alentejana
  • poços petróleo
  • galp
  • Quercus
  • Impacte Ambiental
  • Poluição
  • portugal
pub
similar News
similar
janeiro 23
Surf to Win apresenta equipa oficial para 2020
janeiro 24
Lewis Pugh é o primeiro humano a nadar sob camada de gelo na Antártida
janeiro 24
Gondomar retira das serras 3 toneladas de lixo por semana
janeiro 22
Tempestade Glória provoca ondulação inédita no Mediterrâneo
janeiro 23
Vem aí o Pacto Português para os Plásticos
janeiro 23
O ornitorrinco pode desaparecer devido à ocupação humana
janeiro 24
Austrália enfrenta praga de aranhas mortíferas